EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

À beira de um ataque de nervos

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A saúde das mulheres cariocas parece estar, de um modo geral, melhor que a dos homens ? mas no quesito stress elas não vão bem. É o que mostra uma pesquisa do Vita Check-up Center, instituto sediado na Barra, que avaliou 7?100 relatórios preenchidos por pacientes (na maioria executivos), entre o fim de 2007 e o início de 2012. Cerca de 42% dos homens e 54% das mulheres (veja acima) se revelaram ?estressados de nível 4?, o mais agudo, que costuma causar problemas no trabalho, nos relacionamentos e no sexo. Em todos os outros itens da pesquisa, como obesidade e pressão, a população feminina tem índices mais baixos.

Da música ao futebol

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Fila de autógrafo é o que não deve faltar. Nada menos que dez livros serão lançados, simultaneamente, na terça (20), na Livraria Travessa do Leblon. São obras simples, sem fotos nem orelhas, produzidas com baixo custo pela Editora KBR, também disponíveis, além do formato físico, em meio digital. Entre elas, há dois títulos que têm muito a ver com a cidade. Em Glória ao Rei dos Confins do Além, o músico Paulo Girão fala, por exemplo, da época dos festivais e das reuniões que frequentava na casa do Movimento Artístico Universitário (MAU), na Tijuca. E Zé Roberto (esforçado ponta-esquerda nos anos 70) relembra, em Crônicas de um Ex-Jogador, os bons tempos de ?máquina? do Fluminense.

Marteladas ecológicas

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Vinte anos atrás, durante a Eco-92, Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, foi organizada no MAM uma exposição com 120 quadros de artistas brasileiros e estrangeiros. O tema, claro, era a ecologia. Em sua maioria, as obras passaram esse tempo todo guardadas em coleções particulares e agora, às vésperas da Rio+20, setenta delas estão de volta para ser leiloadas, a exemplo da pintura Vitórias Régias, do carioca Ivan Marquetti. O evento, organizado pelo escritório de arte TNT, será na terça-feira (20), no Royal Tulip, em São Conrado ? para quem não ligou o nome ao hotel, é assim que passou a se chamar, desde o fim de 2011, o prédio do antigo Intercontinental.

Letras desembarcam no Rio

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Após quatro edições em São Paulo, pela primeira vez a Bienal de Tipos Latinos será realizada na cidade. Que ninguém pense que se trata de uma exposição com fotos de povos da Bolívia ou tribos da Amazônia. É um evento sobre tipografia ? tem a ver, portanto, com letrinhas. Mostras e palestras acontecem em abril no Centro Carioca de Design, na Praça Tiradentes. Artistas gráficos como Isac Corrêa, criador da fonte mayence (à dir.), lá estarão, defendendo suas invenções. Esta é assim descrita: ?Tem certa impulsividade, uma estrutura angulosa e explora imperfeições da prática caligráfica, como os acúmulos de tinta e as anomalias na espessura do traço?.

Memória da Cidade

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Durante parte da década de 20, o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) editou uma revista própria, com artigos que retratavam a formação da cidade, suas ruas e prédios, alguns dos fatos remontando ao século XVI, ou seja, o começo do começo da ocupação do espaço urbano. Um dos pesquisadores mais constantes da publicação era o médico Vieira Fazenda, que tanto podia se debruçar sobre como teria sido a fundação do Rio como criticar com dureza a administração vigente da então capital federal. Seu estilo pode ser conferido na coleção Antiqualhas e Memórias, cinco tomos recém-lançados pela Documenta Histórica Editora, com quase 3?000 páginas no total. A escrita da época ali está (um trecho diz ?falta-nos espaço para minudências acerca das antiguidades das Laranjeiras?) e as ilustrações, como a da fachada da Santa Casa da Misericórdia, no Centro, são assinadas por Gilberto Nascimento.

Fonte: VEJA RIO