EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins

Entre Monet e Van Gogh

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Arquiteto, urbanista e cartunista (trabalhou em veículos como O Pasquim, O Globo e Jornal do Brasil), Orlando Mollica morreu em maio, aos 69 anos, deixando praticamente pronta uma exposição de obras recentes, focando o Rio. Pois a galeria H. Rocha, no Shopping Cassino Atlântico, em Copacabana, as reuniu de novo, agora sob o título O Futuro Mandou Lembranças. Abre na terça (5), com quadros de paisagens cariocas, como Asa-Delta Numa Tarde Calma na Lagoa Rodrigo de Freitas. Espirituoso, ele costumava dizer que sua inspiração vinha de gênios como Monet e Van Gogh. E aqui vai uma ajuda para quem bateu os olhos e ainda não enxergou: a tal asa, amarelinha, esmaecida, está no canto superior esquerdo.

Espetáculo da natureza

 Divulgação/Marcos Lara
(Foto: Redação Veja rio)

Parece casinha de brinquedo, mas é o chalé de um hotel. Ao seu redor, como numa pintura, surgem cerejeiras, árvores que florescem e ficam assim, frondosas, apenas uma vez por ano, e geralmente isso dura no máximo dois meses ? a foto é da semana passada e elas ainda estão assim. Trata-se da Pousada Tankamana, no Vale do Cuiabá, em Petrópolis, na Região Serrana. Há hóspedes que já reservam a estada com um ano de antecedência, para não perder o espetáculo (é sabido que, no Japão, por exemplo, a florada da cerejeira costuma ser um acontecimento nacional). Noventa por cento da clientela da pousada é de cariocas.

Orgulho tijucano

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

São 63 referências do bairro, formando a palavra Tijuca. Há nomes bem conhecidos, como Saens Peña, Alzirão e Borel, mas também lugares menos famosos (no destaque). Esta camisa-homenagem, recém-lançada, foi ideia dos irmãos ipanemenses Alan e Renata Grimberg, da QVizu, que consultaram a internet e amigos tijucanos, para não haver falhas.

Espaço redescoberto

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Um salão subutilizado no prédio anexo acaba de se transformar em biblioteca no Copacabana Palace. Tem 80 metros quadrados, decoração clássica e até uma estátua de cavalo com quase 2 metros de altura. Abriu neste novo formato na quinta (31) e, aos poucos, os livros vão chegando ? muitos deixados pelos próprios hóspedes. A ideia da diretora Andréa Natal é também organizar almoços ali (para até catorze pessoas), com os mesmos pratos servidos no Cipriani, o restaurante do Copa.

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Quilômetros por hora

É a velocidade a que chega a peteca no badminton. Esporte semelhante ao tênis, muito popular na Ásia mas sem tradição por aqui, tem no Rio uma atleta que vem sendo vista como promessa para os Jogos Olímpicos de 2016. Lohaynny Vicente, 18 anos, revelada em projeto social numa favela da Praça Seca, será nossa representante, a partir de terça (5), na próxima etapa do circuito mundial da modalidade, realizada num ginásio da Aeronáutica, no complexo de Campo dos Afonsos. Será a primeira vez que o Brasil estará sediando um evento desse porte.

Fonte: VEJA RIO