EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins

Arte urbana na serra

Hélio Melo/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Este painel, com quase 10 metros de comprimento por 3 de altura, enfeita desde a semana passada a fachada do Sesc Nova Friburgo. Foi pintado por encomenda do tradicional Festival de Inverno, que em sua 13ª edição tem como tema a arte de rua. Maior evento cultural da Região Serrana (há programação também em Petrópolis e Teresópolis), ele será realizado, como de costume, nos dias mais frios da estação, a partir do fim de julho, com shows, mostras e peças. O quadro acima é uma criação coletiva, com a grife do carioca Marcelo Ment. Seus parceiros são de Friburgo, e lhe disseram que começaram a grafitar após a tragédia das chuvas de 2011: os muros erguidos para contenção de deslizamentos eram feios demais, mereciam mesmo uma corzinha.

Deu água na boca

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Mistura de guia turístico e livro de gastronomia, está sendo lançado neste mês Passeios e Sabores Cariocas, pela editora Casa da Palavra. Nele, a jornalista Marcia Zoladz evita cartões-postais básicos e sugere visitas a lugares menos badalados, como o Cais do Valongo, a Praça XV e o Morro da Conceição. Entre uma dica e outra, dá receitas obtidas junto de botequins, bares e confeitarias. Nascida no Rio, a autora morou nos Estados Unidos e na Alemanha, já tendo escrito obras sobre a culinária portuguesa e sobremesas brasileiras.

Craques macios

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

A Copa inspira tudo, inspirou almofadas também. Com 100% de poliéster e enchimento de fibra antialérgica, estas aqui têm 60 centímetros de comprimento, sem botões como olhos, que é para não soltar. Neymar ostenta aquele típico cabelinho arrumado, Ronaldo Fenômeno (em versão Cascão 2002) exibe seus dentes e Pelé tem a tez mais escura. Todas ao mesmo preço: 105 reais, na Conect Design, em Copacabana. Detalhe: elas foram feitas com um tecido que permite fácil absorção de tinta, já pensando em futuros autógrafos.

Pernoite providencial

Alexandre Macieira/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Um novo tipo de hóspede surge nos hostels da cidade: gente de Niterói, município vizinho, fugindo da bandeirada noturna dos táxis e dos percalços que podem ser provocados por dirigir após beber. Estabelecimentos como o Manga (na foto acima, sua sinuca transformada em mesa de café), na Lapa, e o Bossa in Rio, em Santa Teresa, já comprovaram a tendência. Essa galera acha melhor pernoitar de forma tranquila, acordar com calma e, aí sim, pegar a ponte.

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

É o número de palavras da canção O Último Dia, dos anos 90, maior sucesso de Paulinho Moska. Seus quarenta versos sobre o fim do mundo vão dar mote ao carnavalesco Paulo Barros, hoje na Mocidade Independente de Padre Miguel. Foi divulgada na terça (17) a sinopse do enredo para 2015, bastante centrada nas ideias da letra, que pergunta "o que você faria se só te restasse um dia?", elencando dúvidas como "corria prum shopping-center / ou para uma academia / andava pelado na chuva / ou entrava de roupa no mar". A julgar pelo histórico de Barros, aí vem coisa boa.

Fonte: VEJA RIO