EDIÇÃO DA SEMANA

Histórias Cariocas

Fatos e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

BELEZA REVELADA

Fotógrafo, designer gráfico e historiador, Luiz Eugênio Teixeira Leite percebeu o que poucos percebem: que a cidade também é bonita nos detalhes de seus prédios. Desde o ano 2000 ele vem apontando sua lente para ornamentos simbólicos espalhados pelas fachadas de antigos edifícios, e o resultado está na exposição O Rio que o Rio Não Vê, em cartaz a partir de quinta (30) no Centro Cultural Correios, no Centro. São 36 trabalhos, pedacinhos de construções civis (não há nenhuma religiosa), de instituições públicas ou privadas, que estarão acompanhados de minifotografias da fachada inteira de cada edifício. Teixeira Leite explica que enfeitar imóveis com esse tipo de figura não está mais na moda. "A decoração aplicada à arquitetura, isto é, a forma pela qual se idealizam peças ornamentais para uma construção, já teve lá seus tempos de glória, mas hoje é vista por muitos com certa repulsa." À direita, três exemplos.

Escultura na agência dos Correios da Rua Primeiro de Março, 64

historias-cariocas-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Baixo-relevo no prédio do Museu Nacional de Belas Artes, na Avenida Rio Branco, 199

historias-cariocas-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Trabalho em argamassa no Palácio Maçônico da Rua do Lavradio, 97

historias-cariocas-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Férias em junho

Em menos de dez dias começa o ano letivo na maioria das universidades cariocas. Algumas iniciam os trabalhos em 3 de fevereiro, faltando ainda um mês para o Carnaval, quando as aulas serão interrompidas. A mexida no calendário escolar acontece por causa da Copa: a primeira partida, Brasil e Croácia, será em 12 de junho, uma quinta, às 17 horas, e depois haverá jogo praticamente todos os dias, por três semanas seguidas. Assim, muitas faculdades já marcaram suas últimas provas para antes de a bola rolar. Confira abaixo alguns exemplos.

historias-cariocas-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

FESTA MODERNA

Rola neste sábado (25), em área aberta da Estação Leopoldina, em São Cristóvão, uma balada eletrônica gratuita, para 1?500 pessoas. Chama-se More Love e foi idealizada pela inglesa Zeina Raad (ao centro na foto), uma apaixonada pelo Rio. Sua equipe passou um mês à caça de gente bonita, moderna, a fim de diversificar a fauna humana na pista. Esses convidados especiais ganharão pulseiras, como as usadas em áreas vips de eventos (apesar de lá não haver área vip), só que não duras, daquelas feitas de plástico, e sim de tecido. Indo lá, confira os pulsos da galera e escolha seu descolado favorito.

HYPES DA ZONA SUL À ZONA NORTE - Onde foi achada a maior parte dos descolados da More Love

Viaduto de Madureira

Ruas da Lapa

Hostels de Botafogo

Esquinas do Baixo Gávea

Morro do Vidigal

950

Este é o número de sugestões para melhoramentos da cidade que foram recebidas até quarta (22) no portal rio450anos.com.br.

O Centro é o campeão de ideias, com 63, seguido de Copacabana, com 46, e de Campo Grande, com 44. Aliás, este bairro da Zona Oeste surpreendeu os organizadores: lá está, por enquanto, o maior número de internautas participantes. Sexta (31) se encerra o prazo de inscrição. Entre todas as sugestões, a prefeitura selecionará as que são economicamente viáveis. Em março, trinta voltam ao portal, para apreciação. E as mais votadas serão implementadas.

Fazendo espuma

As ondas amareladas que enojaram o carioca no início do ano deram, mais uma vez, no último domingo (19) e no feriadão de São Sebastião, o ar de sua (des)graça. Praias como Arpoador, Copacabana e Barra foram afetadas. Mas, afinal, esse é um fenômeno nocivo à saúde? O Instituto Estadual do Ambiente ainda não tem a resposta. A espuma pode ser provocada tanto por esgoto como por algas. Ao lado, uma descrição resumida do processo.

historias-cariocas-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Fonte: VEJA RIO