Histórias cariocas

Atores de The Book of Mormon partem para outros projetos

Por: Lula Branco Martins - Atualizado em

O futuro dos mórmons

Peça The Book of Mormon
(Foto: Redação Veja Rio)

Agora acabou mesmo. Um ano após estrear em acanhada sala da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Uni-Rio), chega ao fim a montagem acadêmica de The Book of Mormon. A última apresentação é neste domingo (5), no Teatro João Caetano, no Centro. O musical, dirigido pelo professor Rubens Lima Júnior, esteve em seis palcos e foi visto por 40 000 pessoas. A atriz Fernanda Montenegro e o diretor Maurício Sherman aplaudiram de pé. Teve gente que foi duas vezes, caso do ator Diogo Vilela e da produtora Aniela Jordan. Para os alunos, que não ganharam um tostão, a peça serviu como vitrine: muitos deles já estão envolvidos em outros trabalhos, agora profissionalmente. Confira ao lado.

Efeito dominó por uma boa causa

Vídeo Conectados
(Foto: Divulgação/Radiográfico)

Foi uma trabalheira, consumiu seis meses entre projeto e filmagens, ficou pronto em setembro e agora vem fazendo sucesso na internet. Trata-se do primeiro vídeo institucional da Anistia Internacional produzido no Brasil. Chama-se Conectados e foi uma criação do Estúdio Radiográfico. Para chegar ao efeito de peças de dominó caindo umas sobre as outras, a fim de passar a ideia de reação em cadeia, foram necessárias dezenas de tentativas, usando-se 7 000 retangulinhos de madeira, todos eles pintados manualmente, e erguidos (e reerguidos, e reerguidos novamente) um a um, numa sala de 20 metros quadrados no Humaitá. Os designers por trás desse trabalho de chinês são Pedro Garavaglia e Olivia Ferreira, e a narração do anúncio coube ao ator Marcos Palmeira.

Hei de torcer

Livro tra-la-lá
(Foto: Reprodução)

Está sendo lançada a terceira edição, revista e ampliada, de Tra-la-lá: Vida e Obra de Lamartine Babo. O livro, escrito em 1981 por Suetônio Soares Valença (já falecido), volta às prateleiras com chancela da Fundação Nacional de Artes (Funarte), acompanhado de shows em homenagem aos 110 anos do nascimento do compositor, na Sala Sidney Miller, no Centro (leia mais no Roteiro, na página 68). Lalá, como era conhecido, deixou sambas, marchas e canções de enorme sucesso popular, como Linda Morena eO Teu Cabelo Não Nega. Notabilizou-se também por ter composto marchas para vários times de futebol do Rio. Sobre isso, na página 560 surge uma informação bastante curiosa:a melodia do Hino do América na verdade é de uma música inglesa.

Filhos da ciência

fertilização in vitro
(Foto: Divulgação)
Quadro fertilização
(Foto: Redação Veja Rio)

Em 1984 nascia, no Paraná, o primeiro bebê de proveta do Brasil, Anna Paula Caldeira, hoje publicitária. Na terça (7), ela faz 30 anos e planeja vir ao Rio ainda neste mês para abraçar um de seus “pais científicos”, o ginecologista carioca Isaac Yadid, o único representante ainda na ativa da equipe médica responsável por seu processo de fertilização in vitro, feito em São Paulo. Os dois devem festejar o crescimento do setor: até a década de 90, contava-se nos dedos de uma mão o número de consultórios no Rio. Yadid, pioneiro na área, abriu recentemente a própria clínica, a Primordia, em Ipanema.

Cesta de chuá

Bola de basquete
(Foto: Divulgação)

Os fãs do basquete na cidade têm um feito para comemorar, digno dos lances em que a bola entra na cesta sem tocar o aro nem a tabela, o famoso chuá. Serão reabertas na quinta (9), após quatro meses de reformas, as quadras da Lagoa Rodrigo de Freitas, perto do Corte do Cantagalo. A novidade chega em boa hora, justo na semana dos NBA Global Games. A revitalização da área, iniciativa de um grupo de empresas esportivas,  inclui piso resistente à ação do sol e tabelas importadas,  além de grades e iluminação novas.

Fonte: VEJA RIO