Arte

Grafiteiros cariocas fazem sucesso ao redor do mundo

Artistas que despontaram pintando muros, postes e paredes do Rio com tinta spray agora também fazem sucesso fora do país

Por: Saulo Pereira Guimarães - Atualizado em

IMG_5456
Carlos Bobi: bocas realistas de Ramos e do Jardim Botânico agora estão na Europa (Foto: Poof Art Photo/Divulgação)

A arte que usa como suporte os mais variados muros cariocas está partindo para voos maiores. Agora, o foco do nosso grafite é o exterior. Lá fora, os expoentes desse movimento artístico, urbano por excelência, costumam conservar os apelidos que os identificam — alcunhas às vezes esquisitas, como Fins, Toz e Anarkia Boladona. Se os codinomes geralmente são mantidos, as oportunidades, porém, mostram-se bem diferentes. No estrangeiro, são contratados em moeda mais forte que o real e de forma mais profissionalizada. Exemplo: Anarkia (Panmela Castro, criada na Penha) conta hoje com um escritório com representantes fixos em Nova York, e passou a cobrar 200 dólares por metro quadrado pintado. Recentemente, essa moradora do Catumbi ganhou 5 000 dólares por um único mural. No Rio, um de seus painéis mais conhecidos fica em frente à Delegacia de Atendimento à Mulher, na Lapa. Em traços fortes, ela comenta com muitas cores a Lei Maria da Penha. Convidada, nada recebeu pelo trabalho. Fora do Brasil, o negócio vai de vento em popa. “Já estou até recusando viagens”, diz a moça, uma confessa ex-pichadora, que sujava paredes com tristes rabiscos, acreditando que grafites eram “coisa de trouxa”.

photo_26
Anarkia Boladona: trabalho no Centro La Casa Pintada em Linares, Espanha (Foto: Arquivo Pessoal)

Além do dinheiro mais farto, a visibilidade que esses artistas conquistam ao expor no exterior é um chamariz para novas chances, nos mais díspares pontos do planeta. Recém-convertido em grafiteiro tipo exportação, Carlos Bobi, de Duque de Caxias, acaba de encerrar uma turnê de um mês pela Europa. Tornou-se mais conhecido lá fora após assinar um mural no Rock in Rio Las Vegas, nos Estados Unidos, em maio. Sua marca são narizes e bocas com traços realistas. Seu próximo projeto: realizar trabalhos no Chile e no Peru. Nascido em Santa Teresa, Marcelo Jou, o Fins, 33 anos, tem quilometragem mais extensa: seus murais enfeitam paredes de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Já Tomaz Viana, o Toz, famoso pela imagem de Nina, uma garota com beleza oriental, trabalha em um painel a ser instalado em La Défense, em Paris.

IMG_4542
Toz: sua menina de olhos puxados está num muro no centro de Gante, na Bélgica (Foto: Arquivo Pessoal)

A trajetória de sucesso dos artistas de rua é um sintoma de que o grafite passa por ótima fase no Rio. E basta sair às ruas para observar. Alguns sinais recentes revelam a expansão do, digamos assim, “setor”. Em 2014, nossos grafiteiros foram premiados com um decreto municipal autorizando que postes, pistas de skate e tapumes de obras sejam usados como “tela”. Outro reflexo foi a inauguração, no último mês, da GaleRio, em Botafogo, o primeiro espaço na cidade dedicado a esse tipo de arte. Festejando o bom momento, a categoria planeja a abertura de um museu específico para a modalidade. Batizado de StreetArtRio, será vinculado a um site que cataloga obras do gênero na cidade. A ideia de ocupar um galpão de 4 000 metros quadrados na Gamboa vem sendo debatida com a prefeitura. Se tudo der certo, o museu deve ficar pronto em meados do ano que vem, quando todos os olhos do mundo estiverem voltados para cá, por causa dos Jogos Olímpicos.

IMG_4071
Fins: obra do artista na fachada da boate o1ne, em Abu Dhabi (Foto: Arquivo Pessoal)

Fonte: VEJA RIO