EXPOSIÇÕES

Formas mágicas

Expoente do concretismo, o escultor Franz Weissmann ganha alentada retrospectiva na Pinakotheke Cultural

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

AVALIAÇÃO ✪✪✪✪

Divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Os 100 anos de nascimento do austríaco naturalizado brasileiro Franz Weissmann (1911-2005) são marcados por abrangente mostra em cartaz na Pinakotheke Cultural. Curador do acervo que reúne 82 trabalhos do homenageado, Max Perlingeiro mantém o esmero de outras retrospectivas já realizadas na casa de Botafogo, a exemplo de Wesley Duke Lee (2010), Rubens Gerchman (2008) e Lasar Segall (2007). Nas paredes, fragmentos de depoimentos do artista, em primeira pessoa, sugerem sua presença. Outra boa ideia foi a exibição, logo no início do percurso, de nove obras de criadores cuja trajetória é ligada à produção de Weissmann. Estão ali pinturas e esculturas de seus professores Quirino Campofiorito (1902-1993) e Auguste Zamoyski (1893-1970), além de peças de inspiradores do gabarito do suíço Max Bill (1908-1994) e do espanhol Jorge Oteiza (1908-2003).

Mesmo sem obedecer ao critério cronológico, a divisão das peças por quatro setores revela fases distintas de uma carreira em evolução. No primeiro deles, "Da Figura ao Fio", estão Autorretrato, desenho a grafite dos anos 40, a poética escultura de bronze Flautista, de 1954, e vistosos relevos de parede, como Peixinho, de 2003. Na seção seguinte, "O Cubo Vazado e Seus Desdobramentos", destaca-se a obra que nomeia o espaço. Construída de metal dourado em 1951, ela marca o momento do rompimento com as formas figurativas e da opção por contornos geométricos. No segmento posterior, "Torres e Colunas", estão estruturas verticais e as primeiras obras com cor, da década de 70, quando seu ateliê funcionava na fábrica de carrocerias de ônibus do irmão, Fritz. O passeio termina no jardim, entre esculturas de aço de grande formato que impressionam pela leveza.

Franz Weissmann (1911-2005). Pinakotheke Cultural. Rua São Clemente, 300, Botafogo, ☎ 2537-7566. Segunda a sexta, 10h às 18h; sábado e feriados, 10h às 16h. Grátis. Até 3 de dezembro.

Fonte: VEJA RIO