Histórias Cariocas

Filme Muitos Homens Num Só recria o Rio do início do século passado

Histórias e curiosidades sobre o Rio e seus habitantes

Por: Lula Branco Martins

Truques de montagem

Primeiro momento: filmou-se, hoje, o Pão de Açúcar tal como é visto do Aterro do Flamengo
Primeiro momento: filmou-se, hoje, o Pão de Açúcar tal como é visto do Aterro do Flamengo (Foto: Flavio Zangrandi/Divulgação)

Tendo como personagem principal um ladrão de hotéis que agia no Rio no início do século passado, estreia na próxima quinta-­feira (25) o filme Muitos Homens num Só, de Mini Kert. Deu uma trabalheira danada reconstituir a cidade daquela época, com paisagens e cenários recebendo um tratamento de arte especial — veja, ao lado, o passo a passo das cenas ambientadas no bairro do Flamengo. Arthur Antunes Maciel (esse seria o nome verdadeiro do criminoso) tornou-se conhecido como “doutor Antônio”, pseudônimo que usava para frequentar a aristocracia carioca, roubando tanto os hóspedes como os estabelecimentos onde eles dormiam à noite. Suas histórias estão no livro Memórias de um Rato de Hotel, do cronista João do Rio, escrito em 1912, inspiração central do longa-metragem. Na tela, o meliante é vivido por Vladimir Brichta.

Segundo momento: uma balaustrada da Glória foi posta na cena, e prédios ao fundo, apagados
Segundo momento: uma balaustrada da Glória foi posta na cena, e prédios ao fundo, apagados (Foto: Flavio Zangrandi/Divulgação)
Terceiro momento: a charrete foi filmada com chroma-key atrás, e o amanhecer, reforçado no computador
Terceiro momento: a charrete foi filmada com chroma-key atrás, e o amanhecer, reforçado no computador (Foto: Flavio Zangrandi/Divulgação)

Tatuagens na areia

O que será “amla ralos”? Com certeza não se trata de uma nova empresa pública de saneamento básico. É na verdade uma frase misteriosa, escrita embaixo da sola do novo calçado de uma tradicional grife carioca de roupas esportivas, um chinelo de dedo com tamanhos que vão do 38 ao 44, portanto mais masculino. A ideia é que, uma vez na areia, com o passo firme do usuário a sandália deixe um rastro de carioquice pelas praias: a expressão “alma solar” vai aparecer no chão — claro que com mais facilidade na areia dura e geladinha, perto da arrebentação, do que na parte mais quente e fofa. As fotos de promoção foram clicadas no Leme, sob o belo céu de maio passado.

Chinelo de dedo que tatua a areia
Chinelo de dedo que tatua a areia (Foto: Gabriel Klein/Divulgação)

300 concertos

Com essa quantidade de shows realizados até agora — muito significativa, já que estamos falando de música instrumental —, chegará pela primeira vez ao Rio, em novembro, o festival Mimo, após onze edições em cidades como Olinda e Paraty. Outros números podem impressionar os adeptos apenas da canção com letra e voz: 900 000 pessoas viram os concertos, 600 músicos foram envolvidos e exibiram-se 150 filmes. Grupos de fora, como Buena Vista e Madredeus, além de artistas brasileiros, a exemplo de Toninho Horta e Egberto Gismonti, já participaram. O evento é dirigido por Lu Araújo, Fernanda Cortez e Luiz Calainho.

Carnaval pós-banho

Mais do que cadernos de espiral, mochilas coloridas, copos de chope e chapéus, o item que mais sai, quando o assunto é escola de samba, são as toalhas, como estas, de Salgueiro, Mangueira e Portela. A descoberta é da Associação de Mulheres Empreendedoras do Brasil (Amebras), responsável pela fabricação de artigos ligados às agremiações. Muitos estão à mostra, até sábado (20), na Carnavália, feira de negócios no Centro SulAmérica, na Cidade Nova. Beija-Flor e Estácio serão as próximas escolas a ter produtos licenciados.

Toalhas de escolas de samba
Toalhas de escolas de samba (Foto: Ana Lúcia Coelho/Divulgação)

Aluguel estratosférico

Uma imponente casa de três andares, com 500 metros quadrados de área, apelidada de “palácio de Copacabana” pelos corretores, vem sendo oferecida há um mês num site de aluguéis por temporada. Já houve visitas, mas o preço tem assustado os clientes: 3 700 reais. Só que isso é por dia, e não por mês. Vigiada 24 horas, ela fica numa pequena vila, transversal da Rua Tonelero, no coração do bairro, distante apenas três quarteirões da praia, e é uma das últimas mansões da região, em meio a edifícios mais altos. A foto é do salão principal (são ao todo quatro salas). Confira ao lado os números desse verdadeiro castelinho.

Palácio de Copacabana
Palácio de Copacabana (Foto: Voltem/Divulgação)
Infográfico
Infográfico (Foto: Redação Veja Rio)

 

Fonte: VEJA RIO