DIVERSÃO

Fique ligado

Seis espetáculos teatrais e quatro exposições desembarcam no Rio neste fim de semana. Nos cinemas, cinco estreias agitam as salas da cidade. Aproveite também para conferir outras seis peças e treze mostras que encerram suas temporadas. Programe-se!

- Atualizado em

terra.jpg
Em plena Cinelância, 126 fotos revelam ângulos originais de dezenas de países de todos os continentes (Foto: Redação Veja rio)

CINEMA

PRÉ-ESTREIA

✪✪ PARA ROMA COM AMOR, de Woody Allen (To Rome with Love, EUA/Itália/Espanha, 2012). Depois das escalas na Inglaterra, na Espanha e na França, a fase europeia de Woody Allen chega à Itália. O itinerário, desta vez, tem algo de burocrático. Premiado com o Oscar de roteiro pelo adorável Meia Noite em Paris (2011), indicado também a melhor filme e direção, o nova-iorquino apela a um formato mais rasteiro e esquecível ao alternar quatro contos de humor. Em um dos episódios da comédia, o próprio diretor interpreta um dramaturgo polêmico que, ao lado da esposa (Judy Davis), vai a Roma para conhecer o pretendente da filha (Alison Pill). Lá se impressiona pelo talento vocal do pai do genro, um dono de funerária, e tenta promovê-lo a cantor famoso. O problema: o homem só consegue cantar bem quando está no chuveiro, tomando banho. Em outra trama, tão surreal quanto, um cidadão sem muitas qualidades (Roberto Benigni) começa a ser tratado pela mídia, do dia para a noite, como uma celebridade nacional. A fita ainda narra as aventuras de um recém-casado (Alessandro Tiberi) assediado inesperadamente por uma prostituta (Penélope Cruz) e o imbróglio amoroso de um jovem estudante de arquitetura (Jesse Eisenberg) fascinado pela amiga moderninha de sua mulher (papel de Ellen Page). Com Alec Baldwin (100min). Kinoplex Fashion Mall 1.

ESTREIAS

✪✪ OS ACOMPANHANTES, Shari Sprin-ger Berman e Robert Pulcini (The Extra Man, EUA, 2010). No criativo Anti-Herói Americano (2003), os diretores demonstraram talento para retratar tipos excêntricos. O maior achado daquele longa-metragem, infelizmente, não aparece na nova comédia dramática da dupla: o equilíbrio acertado entre graça e melancolia. A adaptação do romance homônimo, do nova-iorquino Jonathan Ames (também coautor do roteiro), depende do carisma dos atores para compensar a frouxidão do enredo. O elenco, bem escalado, cumpre as expectativas. Paul Dano, de Sangue Negro (2007), interpreta um professor tímido, recém-chegado a Nova York. Sem amigos e um desastre completo com as mulheres, o rapaz decide alugar um quarto na casa do extravagante Henry Harrison (papel de Kevin Kline, competente como sempre). Não demora muito para que o anfitrião, um dramaturgo fracassado, o convença a seguir seu exemplo e se tornar acompanhante de senhoras carentes. Com John C. Reilly e Katie Holmes (108min). 12 anos. Estreou em 22/6/2012. Espaço Itaú de Cinemas 5, Estação Sesc Laura Alvim 1.

✪✪ E AÍ, COMEU?, de Felipe Joffily (Brasil, 2012). Em alta após o sucesso de Cilada.com (2011), o ator Bruno Mazzeo volta ao humor malicioso e desbocado, na linha do americano Se Beber, Não Case! (2009). Desta vez, ele tem um roteiro bem menos chinfrim à disposição. Baseada em peça homônima de Marcelo Rubens Paiva, a comédia ganha pontos ao preservar o espírito divertido do original, embora caia em obviedades quando o drama precisa entrar em cena. O filme se solta e tira risadas principalmente nos trechos que entregam a sua origem teatral quando, na mesa do bar, Fernando (papel de Mazzeo), Honório (Marcos Palmeira) e Fonsinho (Emilio Orciollo Netto, o mais engraçado do trio de atores) jogam conversa fora sobre trapalhadas sexuais e manias femininas. Numa espécie de versão masculina para o seriado Sex and the City, o diretor de Ódiquê? (2004) intercala as histórias dos três amigos cariocas. Abatido por uma separação, Fernando não sabe como lidar com as cantadas de uma vizinha de 17 anos. Ainda mais agoniado, Fonsinho só consegue se relacionar com garotas de programa ou com mulheres comprometidas. O único casado do grupo, Honório também passa por maus momentos. Infeliz no matrimônio, começa a suspeitar que a esposa (interpretada por Dira Paes) o trai (100min). 14 anos. Estreou em 22/6/2012. Bay Market 2, Box Cinemas São Gonçalo 3 e 4, Cine 10 Sulacap 3 e 4, Cinemark Botafogo 3 e 6, Cinemark Carioca Shop-ping 5, 7 e 8, Cinemark Downtown 4, 5 e 8, Cinemark Plaza Shopping 3 e 6, Cinépolis Lagoon 3, Cinespaço Boulevard 2 e 6, Cinesystem Ilha Plaza 1, Cinesystem Bangu 6, Cinesystem Recreio 2 e 3, Cinesystem Via Brasil 6, Espaço Itaú de Cinemas 6, Espaço Rio Design 2, Estação Vivo Gávea 3, Iguaçu Top 3, Iguatemi 3, 4 e 5, Kinoplex Fashion Mall 1, Kinoplex Grande Rio 1 e 6, Kinoplex Leblon 3, Kinoplex Nova América 1 e 7, Kinoplex Tijuca 5 e 6, Kinoplex West Shopping 1 e 4 Leblon 2, Odeon Petrobras, Rio Sul 2, Roxy 2, São Luiz 2, UCI Kinoplex NorteShopping 5, 6 e 7, UCI New York City Center 3, 13, 17 e 18, Via Parque 2.

✪✪ SOMBRAS DA NOITE, de Tim Burton (Dark Shadows, EUA, 2012). Comédia. Na oitava parceria com Burton, o astro Johnny Depp defende um personagem do qual era fã desde criança: o vampiro Barnabas Collins, anti-herói da série Dark Shadows. Exibido na TV americana entre 1966 e 1971, o programa virou motivo de culto nos Estados Unidos graças a uma combinação extravagante de humor, fantasia gótica e reviravoltas folhetinescas. O universo sombrio e kitsch casa com o estilo do diretor de Edward Mãos de Tesoura. Mas, nesta adaptação, o roteiro de Seth Grahame-Smith (do livro Orgulho e Preconceito e Zumbis, lançado pela Editora Intrínseca) falha na tentativa de garantir nuan-ces a uma galeria de tipos excêntricos. Apesar de carismáticos, os personagens são ofuscados pelas firulas de Depp. Na primeira parte da trama, ainda assim, o cineasta dá conta de se divertir (e entreter o público) em uma zona de conforto bastante conhecida pelos fãs. Com aparência de fábula gótica, o enredo vai a 1760 para explicar como Barnabas, um empresário inglês muito bem-sucedido nos Estados Unidos, foi amaldiçoado pela mulher por quem estava apaixonado, uma feiticeira vivida por Eva Green. Perseguido, preso e enterrado, o imortal volta à ativa 200 anos depois. Encontra a sua mansão ocupada pelos descendentes, uma família problemática e sem glamour. As piadas mais divertidas miram o descompasso entre esse protagonista pomposo, à moda antiga, e os costumes da década de 70. Embora capriche na recriação da época (como de hábito, aliás), Burton patina na parte final, quando a leveza cede espaço a excessos enfadonhos e repetitivos, na escala de uma ópera-rock. Com Michelle Pfeiffer, Helena Bonham Carter e Alice Cooper (113min). 14 anos. Estreou em 22/6/2012. Legendado: Box Cinemas São Gonçalo 6, Cinespaço Boulevard 1, Cinemark Botafogo 2, Cinemark Carioca Shopping 4, Cinemark Carioca Shopping 7, Cinemark Downtown 11, Cinemark Plaza Shopping 1, Cinépolis Lagoon 1, Cinesystem Ilha Plaza 2, Cinesystem Via Brasil 1, Estação Vivo Gávea 2, Iguatemi 2, Kinoplex Fashion Mall 4, Kinoplex Nova América 3, Kinoplex Tijuca 3, Leblon 1, Rio Sul 1, Roxy 1, São Luiz 1, UCI New York City Center 4 e 5, UCI Kinoplex NorteShopping 4, Via Parque 3.

✪ UM VERÃO ESCALDANTE, de Philip-pe Garrel (Un Été Brûlant, França/Suíça/Itália, 2011). Se Amantes Constantes (2005), embora longo, marcou um bom momento na carreira do diretor francês, seu filme seguinte, o arrastado A Fronteira da Alvorada (2008), conseguiu irritar pela pretensão. O mesmo ocorre em seu novo drama. Entre os problemas, estão a escolha do elenco e as apáticas atuações. De onde Philippe Garrel tirou que Louis Garrel, seu filho, tem química com Monica Bellucci? Além disso, o título cai na tapeação. Não há nada de escaldante numa história anêmica, sem charme nem erotismo. Descabelado como sempre, Louis Garrel interpreta o artista plástico Frédéric. Francês bon-vivant, ele é casado com a atriz Angele (Monica Bellucci) e se divide entre Roma e Paris. Paul (Jérôme Robart), um tipo mais humilde e figurante de cinema, fica amigo de Frédéric e, convidado a passar uma temporada com o casal na capital italiana, leva junto sua namorada, papel de Céline Sallette (95min). 16 anos. Estreou em 22/6/2012. Estação Sesc Barra Point 1, Estação Sesc Rio 1.

TEATRO

fique-ligado-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

ESTREIAS

DOROTEIA, de Nelson Rodrigues. Há poucos registros de montagens da farsa rodriguiana sobre uma garota de programa que deixa a prostituição depois da morte de seu filho. A peça foi escrita sob encomenda para a atriz Eleonor Bruno (1913-2004) e estreou em 1950 no Teatro Phoenix. Nelson (1912-1980) teve um romance de dois anos no fim da década de 40 com a artista, que conheceu quando ela levava a filha, Nicette Bruno, para ensaiar Anjo Negro, também do dramaturgo. Na nova produção, Alinne Moraes dá vida à protagonista, que, após deixar o meretrício, procura a família em busca da salvação. Ela encontra abrigo na casa de três medonhas tias viúvas dona Flávia (Gilberto Gawronski), Carmelita (Alexandre Pinheiro) e Maura (Paulo Verlings) --, que a repudiam por sua beleza e impõem uma condição: ela deve ficar feia. Direção de João Fonseca (90min). 14 anos. Teatro Poeira (130 lugares). Rua São João Batista, 104, Botafogo, ☎ 2537-8053. Terça e quarta, 21h. R$ 50,00. Bi-lhe-teria: a partir das 15h (ter. e qua.). IC. Até 25 de julho. Estreia prometida para quarta (20).

ETERNO RETORNO ERÊ / CASA NÚMERO NADA, de Fábio Vidal. Integrantes do repertório da companhia baiana Território Sirius Teatro, os dois monólogos dramáticos serão apresentados em diferentes dias. Os espetáculos fazem parte do Projeto Soteropolitanos, que circula pelo país com quatro peças produzidas pelo grupo, sediado em Salvador há treze anos. No primeiro texto, Eterno Retorno Erê, o autor interpreta um bufão divino, que narra a criação do universo, desde o Big-Bang (15 bilhões de anos atrás), e chega aos dias atuais, abordando as contradições humanas. Em Casa Número Nada, a atriz Mariana Freire dá vida a Renata, mulher que chega em casa e constata que seus pertences foram furtados. Na encenação, a personagem entra em crise existencial e começa a questionar o valor das coisas materiais, suas memórias e a sensação de insegurança. Direção do autor (60min). 14 anos. Centro Cultural Parque das Ruínas (70 lugares). Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa, ☎ 2252-0621. Eterno Retorno Erê. Segunda (18) e terça (19), 19h. Casa Número Nada. Quarta (20) e quinta (21), 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 18h (seg. a qui.).

FAVELA ROUGE, de Fabiano de Freitas. Após turnê por onze cidades da Holanda, a primeira montagem do Grupo de Teatro Favela-Força entra na programação do projeto Rota Gamboa. Trata-se de uma opereta contemporânea que mostra a rotina de um cabaré, encenada por um elenco de dez atores e bailarinos, acompanhados por quatro instrumentistas. A trama é recheada de histórias da periferia, de personagens do submundo, num contexto que mescla sensualidade e desejos velados. Direção do autor (80min). 16 anos. Galpão Gamboa (80 lugares). Rua da Gamboa, 279, Gamboa, ☎ 2516-5929. → Sexta (22) e sábado (23), 21h; domingo (24), 20h. R$ 5,00 (moradores da região) e R$ 10,00. Bilheteria: 14h/19h (qua. e qui.); a partir das 14h (sex. a dom.). Bilheteria na produtora Pequena Central (Rua Conde de Irajá, 98, Botafogo): 10h/16h (ter. a qui.).

MATAMOROS, de Hilda Hilst. Primeira das duas montagens integrantes do projeto Peças em Galeria a outra será Inglaterra, do britânico Tim Crouch --, que prevê sessões dentro de uma instalação criada pelo fotografo Cafi no Centro Cultural Justiça Federal. No drama, Maíra Gerstner interpreta Matamoros, uma menina que desde cedo descobre os prazeres do corpo e do amor, mas também tem de aprender a lidar com situações inusitadas, como dividir com a própria mãe, Haiága, o amor de um mesmo homem. A atriz contracena virtualmente com Luciana Fróes, que gravou suas participação em vídeo. Direção de Bel Garcia (50min). 16 anos. Centro Cultural Justiça Federal (30 lugares). Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550. ? Cinelândia. Quarta a domingo, 19h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 15h (qua. a dom.). Até 22 de julho. Estreia prometida para quarta (20).

O TREM, O VAGÃO, E A MOÇA DE LUVAS, de Xico Abreu. O drama multimídia com sofisticadas projeções em vídeo mapping nos cenários pretende despertar reflexões sobre a convivência entre as pessoas em uma sociedade moderna e insustentável. Na trama, que explora o tema da mobilidade urbana, Ana (Flávia Pyramo) é uma solitária trabalhadora. Diante de uma notificação de baixa produtividade, ela teme ficar desempregada. Após dupla jornada de trabalho, pega o último trem da noite e é abordada no vagão por Ernesto (Babú Santana), um estranho tentando puxar conversa, mas tem uma explosão emocional e desabafa. Direção de Renato Rocha (70min). 16 anos. Teatro Serrador (350 lugares). Rua Senador Dantas, 13, Cinelândia, ☎ 2220-5033, ? Cinelândia. Segunda a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: 11h/19h (seg. a sex.); 15h/19h (sáb. e dom.). Até 1º de julho. Estreia prometida para sexta (22).

MISTICISMO, criação coletiva da Companhia Os Melhores do Mundo. A trupe de humoristas brasilienses entra na segunda semana da mostra de repertório Festival de Comédia Os Melhores do Mundo. Agora, Adriana Nunes, Adriano Siri, Jovane Nunes, Ricardo Pipo, Victor Leal e Welder Rodrigues apresentam a comédia dividida em esquetes baseados nas características de diferentes religiões. Embalado pelo clima esotérico do terceiro milênio e da Era de Aquário, o sexteto brinca com o fanatismo de seitas, crenças em seres extraterrestres, fenômenos paranormais e filões de fé que alimentam almas e bolsos. Direção coletiva (90min). 16 anos. Teatro Oi Casa Grande (926 lugares). Avenida Afrânio de Melo Franco, 290, Leblon, ☎ 2511-0800. Quinta e sexta, 21h30; sábado, 22h; domingo, 20h30. R$ 60,00 a R$ 120,00. Bilheteria: 15h/20h (ter. e qua.); 15h/21h30 (qui. e sex.); 12h/22h (sáb.); a partir das 15h (dom.). Cc: todos. Cd: todos. IC. Estac. no Shopping Leblon (R$ 8,00 por duas horas). Até domingo (24). Estreia prometida para quinta (21).

ÚLTIMA SEMANA

ALICE NO BURACO, de Madeleine Geremias. Releitura para adultos do clássico infantil de Lewis Carroll (1832-1898), transformado em tragicomédia. Na montagem de clima underground, a autora se junta aos atores Juka Garibaldi, Malu Costa, Max Martins, Roberta Sellitti, Rubia Reis, Sidnei Vargas, Thiago Furquim e Vivian Maia para encenar a história de Alice. Durante um devaneio causado pelo uso de drogas, ela segue uma jovem (que representa a coelha no romance original) para encontrar o rumo de casa. No caminho, esbarra em uma lagarta com tiradas filosóficas e encontra a Rainha, uma cafetina autoritária que, além de nutrir ciúmes pelo Rei, seu fútil marido, faz da protagonista a advogada de Valeth, a faxineira. Direção de Regiana Antonini (90min). 16 anos. Estreou em 2/6/2012. Sede da Cia. de Teatro Contemporâneo -- Teatro I (100 lugares). Rua Conde de Irajá, 253, Botafogo, ☎ 2537-5204. Sábado, 21h; domingo, 20h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). IC. Até domingo (24). www.ciadeteatrocontemporaneo.com.br.

O CÉU ESTÁ VAZIO, de Julia Spadaccini. O universo dos emos (aqueles jovens que se vestem de preto, usam franja e são extremamente emotivos) e dos cosplayers (a turma que costuma se fantasiar de super-heróis japoneses) emoldura a comédia dramática sobre relações familiares. No palco, é contada a história de Ivan (Paulo Giardini), um homem sem perspectivas nem grandes ambições. Casado com Laura (Ticiana Passos), ele mantém uma relação extraconjugal com Sandra (Thais Tedesco). Em casa, tem pouquíssimo diálogo com o filho adolescente, Lui (Rael Barja), adepto do movimento emo. Para piorar, o chefe da família padece de problemas auditivos, sofre de síndrome de zumbido -- um ruído ininterrupto que soa dentro de seus ouvidos. Na terapia, conhece a jovem cosplayer Emilia (Priscila Steinman). A convivência com ela transforma sua vida e melhora seu relacionamento com o jovem. Direção de Jorge Caetano (80min). 18 anos. Estreou em 28/1/2012. Teatro Café Pequeno (100 lugares). Avenida Ataulfo de Paiva, 269, Leblon, ☎ 2294-4480. Sexta e sábado, 20h30; domingo, 20h. R$ 30,00. Bilheteria: a partir das 16h (sex. a dom.). TT. Até domingo (24).

HAVANA CAFÉ, de João Batista e Luiz Fernando Lobo. Inspirado na tradição dos cabarés alemães dos anos 20, o musical é embalado por versões de Cláudio Botelho, Aldir Blanc e Luiz Fernando Lobo para standards americanos e composições de Kurt Weill, além de mambos, rumbas e boleros. Baseada no modelo para o teatro de Bertolt Brecht, a encenação conta com Ana Luisa Leite, Cláudio Basttos, Gilberto Miranda, Joana Marinho, Luiz Fernando Lobo, Melissa Arievo, Sanny Alves e Tuca Moraes, acompanhados por três músicos tocando piano, saxofone e contrabaixo. A produção tem figurinos assinados por Claudio Tovar e cenografia de Cláudio Moura. Direção cênica de Luiz Fernando Lobo e direção musical de Felipe Radicetti (90min). 16 anos. Estreou em 2004. Armazém Utopia (120 lugares). Avenida Rodrigues Alves, s/nº (Armazém 6 -- Cais do Porto), ☎ 2253-8726. Quarta a domingo, 19h. Grátis. Bilheteria: a partir das 18h (qua. a dom.). Distribuição de senhas uma hora antes. Até sexta (22).

✪✪✪✪ NADA, de Adriano Guimarães, Emanuel Aragão e Fernando Guimarães, inspirada no universo do poeta Manoel de Barros. O drama ganha montagem fora do convencional, com influência da obra de Samuel Beckett (1906-1989) e a poesia do mato-grossense Manoel de Barros presente nos diálogos dos personagens. Ao redor do cenário que reproduz o salão de uma casa de fazenda e onde se acomodam trinta espectadores e os sete integrantes do elenco fica uma instalação com mais de 4000 objetos de vidro de diferentes formatos e dimensões. Ali é apresentada a história de uma família que se reúne para celebrar o aniversário de 80 anos do avô Joaquim (Lafayette Galvão). Em torno dele estão o pai, Lourival (Adriano Garib), a mãe, Maria Olga (Miwa Yanagisawa), a tia Adaíla (Liliane Rovaris), a sobrinha Tereza (Camila Márdila) e o empregado da casa, Cícero (Rodrigo Lélis). A harmonia é quebrada com a chegada da filha Ana (Marília Simões), que reaparece vestida de noiva após sete anos de sumiço. Direção de Adriano Guimarães, Fernando Guimarães e Miwa Yanagisawa (90min). 14 anos. Estreou em 24/5/2012. Oi Futuro Flamengo (30 lugares). Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Quinta, sexta e domingo, 20h; sábado, 17h30 e 20h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 13h (qui. e sex.); a partir das 14h (sáb. e dom.). Até domingo (24). A

NEGRA FELICIDADE, de Moacir Chaves, com base no Sermão de Santo Antonio aos Peixes, do padre Antonio Vieira, e nos autos de um processo de 1870 que uma escrava, registrada com o nome de Felicidade, moveu na Justiça do Rio, pleiteando sua liberdade. Na segunda montagem da companhia Alfândega 88, após Labirinto (2011), o elenco Andy Gercker, Adriana Seiffert, Danielle Martins de Farias, Diego Molina, Edson Cardoso, Elisa Pinheiro, Fernando Lopes Lima, Leonardo Hinckel, Mariana Guimarães, Pâmela Côto, Peter Boos, Renata Guida e Rita Fisher encena o drama com situações contidas nas páginas da ação judicial, mescladas aos textos do religioso escritor e orador português. Direção do autor (80min). 14 anos. Estreou em 9/4/2012. Teatro Serrador (350 lugares). Rua Senador Dantas, 13, Cinelândia, ☎ 2220-5033, ? Cinelândia. Sexta a quarta, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: 11h/19h. Até quarta (20).

✪✪✪ A VOLTA AO LAR, de Harold Pinter, com tradução de Millôr Fernandes. Escrito em 1965, o drama retoma o tema bíblico do filho pródigo -- cujo retorno não é comemorado pelos parentes. Ambientada numa casa ao norte de Londres, a peça narra a visita de Teddy (Gustavo Damasceno), que volta dos Estados Unidos, onde foi estudar filosofia. O ator Tonico Pereira brilha na interpretação do pai bipolar, Max, cuja oscilação de humor muda do cordial para o hostil em questão de segundos. Na residência também moram com o patriarca os outros dois filhos -- o suposto cafetão Lenny (Bruce Gomlevksy) e o boxeador bobalhão Joey (Sergio Guizé) e seu irmão, o motorista de táxi Sam (Jaime Leibovitch). Como o rapaz leva junto sua mulher, Ruth (Arieta Correa), instável afetivamente, o tenso equilíbrio do lar é drasticamente afetado. Direção de Bruce Gomlevksy (120min). 14 anos. Estreou em 10/5/2012. Centro Cultural Correios (200 lugares). Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. Quinta a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 15h (qui. a dom.). Até domingo (24).

EXPOSIÇÕES

ESTREIAS

ATERRO NO FLAMENGO: O RESTO É ARTE!. Obras produzidas com lixo, ferro-velho e outros materiais descartados compõem a exposição. Artur Barrio, Vik Muniz, Edmilson Nunes, Marcos Cardoso, Jorge Fonseca, Quenum, Deneir e Leo Batistelli são os artistas reunidos. R$ 2 000,00 a R$ 180000,00. Galeria Coleção de Arte. Praia do Flamengo, 278, térreo, Flamengo, ☎ 2551-0641. 10h/18h. Grátis. Até domingo (24). A partir de segunda (18).

[ECO]: O MEIO AMBIENTE VISTO POR COLETIVOS FOTOGRÁFICOS. Entre os grupos participantes da mostra, a brasileira Cia de Foto exibe Chuva, série mostrando o impacto de 42 dias de temporal em São Paulo. Também foram convocados representantes de Espanha, Costa Rica, México, Venezuela, Peru e Argentina. Curadoria do espanhol Claudi Carreiras. Instituto Cervantes -- Sala de Exposições. Rua Visconde de Ouro Preto, 62, Botafogo, ☎ 3554-5910, ? Botafogo. → Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 21 de julho. A partir de quarta (20). www.riodejaneiro.cervantes.es.

METARA+20. Walter Carvalho, Evandro Teixeira, José Amarílio Jr., Antonio Villeroy, Flavio Mac, Pedro Jardim de Mattos, Marcos Sêmola, Xico Chaves, Pablo Lehmann, Susi Sielski Cantarino, Norma Zarazua, Rogerio Tunes, Rogerio Camacho e Ana Carolina exibem obras inéditas. Há trabalhos em vários suportes, a exemplo de fotografias e pinturas em técnica mista. A ideia é que todos evoquem a atmosfera do Rio+20. R$ 500,00 a R$ 17000,00. Galeria de Arte Metara. Rua Teixeira de Melo, 25-A, Ipanema, ☎ 2523-5225. Segunda a sexta, 10h às 19h; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 2 de julho. A partir de terça (19).

REGINA SILVEIRA. 1001 Dias é o nome da exposição e também de uma videoinstalação da artista, que exibe uma sucessão contínua de dias e noites, em uma imagem que ora se contrai, ora se expande, como no obturador de uma câmera fotográfica. Completam o acervo uma série de gravuras e um múltiplo. R$ 6000,00 a R$ 40000,00. Largo das Artes. Rua Luís de Camões, 2, Largo de São Francisco, Centro, ☎ 2224-2985, ? Uruguaiana. Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, 12h às 17h. Grátis. Até 21 de julho. A partir de terça (19). www.largodasartes.com.br.

ÚLTIMA SEMANA

✪✪✪ ADIR BOTELHO. Nos anos 50, o carioca foi assistente de Oswaldo Goeldi (1895-1961), um dos mais importantes gravadores brasileiros. Agora, com curadoria da sobrinha do mestre, Lani Goeldi, Botelho apresenta 59 belas xilogravuras, além de uma matriz. Feitas entre o fim dos anos 50 e a década de 90, as obras exibem figuras humanas, anjos e paisagens da cidade -- como na notável série dedicada ao bairro do Catumbi, em que as finas linhas brancas que formam os desenhos convidam a uma apreciação de perto. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até domingo (24). www.correios.com.br.

EDUARDO CLIMACHAUSKA. Apenas duas peças escultóricas compõem a exposição Felicidade de Arranha-Céu. Uma delas, Ho-ba-la-lá, é formada por duas pedras de mármore branco unidas entre si e presas à parede por finos cabos de aço. A segunda, que tem o mesmo nome da mostra, é um arranjo com chapas de zinco, cal e vidro fumê. R$ 30000,00 e R$ 40000,00. Galeria Laura Marsiaj. Rua Teixeira de Melo, 31-C, Ipanema, ☎ 2513-2074. Terça a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até sábado (23). www.lauramarsiaj.com.br.

✪✪✪✪ ELISEU VISCONTI. Nascido na Itália, Visconti (1866-1944) exerceu com talento a transição entre a escola acadêmica e o modernismo no Brasil, como revela Eliseu Visconti A Modernidade Antecipada. No acervo reunido, de 250 peças, entre óleos, desenhos, cerâmicas, fotos e objetos pessoais, também é ressaltado seu pioneirismo no design, na qualidade de criador de cartazes de propaganda e selos. Outra parte da coleção traz ainda estudos feitos para o Theatro Municipal -- o histórico prédio da Cinelândia é decorado com diversas pinturas dele. Destaque também para a tela Sonho Místico (1897), que não era exibida no Brasil há mais de um século. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ? Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até domingo (24). www.mnba.gov.br.

O FUTURO QUE QUEREMOS. O principal módulo da mostra, chamado Caminhos do Desenvolvimento Consequências e Soluções, tem curadoria de Claudia Buzzetti e apresenta 87 registros em preto e branco de nove fotógrafos: Alixandra Fazzina, Francesco Zizola, Jan Garup, Jon Lowenstein, Kadir Van Lohui-Zen, Nina Berman, Pep Bonet, Stanley Greene e Yuri Kozyrev. As imagens têm como tema os efeitos devastadores das mudanças climáticas sobre o planeta e algumas soluções sustentáveis para minimizar os problemas. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até sábado (23). www.mamrio.com.br.

IRMÃOS GUIMARÃES E ISMAEL MONTICELLI. Dois dos três diretores da peça Nada, em cartaz no Oi Futuro Flamengo, Adriano e Fernando Guimarães conceberam, junto com o cenógrafo Ismael Monticelli, a instalação Rumor, formada por 4000 objetos de vidro, além de um piano, que ocupa toda a sala do teatro. Cenário do espetáculo, a obra também está aberta à visitação fora das sessões. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ? Largo do Machado. → Terça e quarta, 11h às 20h; quinta, sexta e domingo, 11h às 17h; sábado, 11h às 15h. Grátis. Até domingo (24). www.oifuturo.org.br.

✪✪✪ MOSTRA CARIOCA. Realizadas em diferentes técnicas e suportes, a exemplo de pintura, desenho, escultura, instalação, fotografia e xilogravura, 44 obras do acervo do MAM estão na exposição. Não há exatamente uma unidade temática entre os trabalhos, exceto pelo fato de que todos os artistas representados vivem ou viveram no Rio: Abraham Palatnik, Adriana Varejão, Alair Gomes, Antonio Manuel, Brigida Baltar, Cabelo, Djanira, Hélio Oiticica, Ione Saldanha, Ivan Serpa, Lygia Clark, Marcos Chaves, Oswaldo Goeldi, Paula Trope, Raul Mourão e Raymundo Colares. Na coleção sobressaem criações como dois parangolés de Oiticica (que também comparece com uma série de obras em guache sobre cartão) e três objetos cinéticos de Palatnik. Curadoria de Luiz Camillo Osorio. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até sábado (23). www.mamrio.com.br.

✪✪✪ NOVAS AQUISIÇÕES -- 2010-2012 -- COLEÇÃO GILBERTO CHATEAUBRIAND. Aos cuidados dos curadores Luiz Camillo Osorio e Marta Mestre, a seleção dos trabalhos levou a setenta criações de 46 artistas brasileiros que, reunidas, oferecem pistas valiosas sobre a cena contemporânea do país. No rol, misturam-se nomes de talento reconhecido, como Laercio Redondo e Leda Catunda, e em ascensão, a exemplo de Otavio Schipper, Gustavo Speridião e Daniel Lannes. Produzidas entre 1985 e 2011, as peças englobam uma grande variedade de técnicas, entre elas fotografia, serigrafia, pintura, desenho, escultura e colagem. A seleção de obras dialoga com Genealogias do Contemporâneo, exposição de longa duração também em cartaz no MAM, que reúne peças mais antigas de artistas consagrados da coleção de Chateaubriand -- trabalhos de Lasar Segall, Tunga e Hélio Oiticica, por exemplo, foram remanejados para se misturar às novas aquisições, enquanto algumas destas foram deslocadas para Genealogias. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até sábado (23). www.mamrio.com.br.

PAULO PAES. Em Pneumática, o artista paraense radicado no Rio exibe o resultado de uma pesquisa sobre balões de papel, feita a partir do contato com essa prática nas zonas Norte e Oeste da cidade. São expostas nove esculturas de papel de seda, a menor com quase 3 metros e a maior com mais de 4 metros de altura, infladas por ventoinhas, além de um painel feito com o mesmo material. Palácio Gustavo Capanema -- Mezanino. Rua da Imprensa, 16, Centro, ☎ 2279-8089, ? Cinelândia. Segunda a sexta, 9h às 18h. Grátis. Até sexta (22).

RAFAEL ZAVAGLI. Telas como It?s a Dog House, que mostra um cachorro e um canil num gramado verde, estão na mostra Breves Terrenos para uma Pintura, do artista mineiro. Outros quatro óleos completam o pequeno acervo. R$ 6000,00 a R$ 30000,00. Galeria Laura Marsiaj. Rua Teixeira de Melo, 31-C, Ipanema, ☎ 2513-2074. Terça a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até sábado (23). www.lauramarsiaj.com.br.

✪✪✪✪ ROBERT DOISNEAU. O mais famoso trabalho do fotógrafo francês, O Beijo do Hotel de Ville, de 1950, está entre as 152 imagens reunidas na mostra Simplesmente Doisneau. Nascido nos arredores de Paris, Robert Doisneau (1912-1994) acompanhou o crescimento da capital francesa e o impacto, na cidade, dos grandes acontecimentos do século XX. A exposição montada para celebrar seu centenário é um desfile de retratos de gente expressiva crianças, casais, famílias, mendigos, soldados, artistas, comerciantes que ajuda a contar essa história. Centro Cultural Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, ? Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até domingo (24).

SIRON FRANCO. Aproveitando o ensejo da Rio+20, o artista goiano apresenta Brasil Cerrado, uma grande videoinstalação sensorial. A obra estende-se por mais de 600 metros quadrados, distribuídos ao longo de quatro salas, além de dois grandes painéis. Trata-se de uma viagem à Região Centro-Oeste do país, através da qual o visitante é posto diante de imagens, cheiros, sons e sensações táteis. Em uma das salas, uma parede é ocupada pela projeção de uma cachoeira, enquanto o espectador sente o aroma de terra molhada e escuta o barulho da água caindo. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até sábado (23). www.mamrio.com.br.

✪✪✪✪ TUTTO FELLINI. Alentado tributo ao diretor italiano Federico Fellini (1920-1993). Quatrocentos itens, incluindo cartazes de longas e fotografias, estão expostos. Do trabalho para a realização de um dos seus muitos clássicos, A Doce Vida (1960), há retratos do cineasta tirando um cochilo e ensaiando na praia, ao lado do ator Marcello Mastroianni (1924-1996). O visitante também pode ver caricaturas feitas pelo homenageado para jornais satíricos no fim dos anos 30. Uma das partes mais interessantes é dedicada ao Livro dos Sonhos, dois enormes cadernos nos quais Fellini desenhou seus sonhos ao longo de trinta anos. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até domingo (24). www.ims.com.br.

✪✪✪ YANN ARTHUS-BERTRAND. Fundador da primeira agência de imagens aéreas do mundo, o francês de 66 anos adotou o olhar das alturas para registrar inúmeros cantos do planeta em mais de sessenta livros e no documentário Home (2009). A abordagem é retomada em A Terra Vista do Céu, mostra que ocupa toda a Praça Floriano, na Cinelândia. Exibidas em grandes painéis, 126 fotos revelam ângulos originais de dezenas de países de todos os continentes, incluindo o Brasil. No atraente programa ao ar livre, os passantes ainda caminham sobre um enorme mapa-múndi, no qual são indicados os locais onde foram feitas as fotografias. Por fim, há uma estrutura fechada onde são realizadas atividades de reciclagem para crianças, enquanto é exibido o filme Home. Não há horário de visitação, mas o palco com o mapa e o espaço onde é apresentado o documentário só são abertos ao público de 9h às 19h. Praça Floriano. Centro, ? Cinelândia. Até domingo (24).

Fonte: VEJA RIO