DIVERSÃO

10 curiosidades sobre a Árvore de Natal da Lagoa

Mais bonito símbolo do Natal carioca, a gigantesca estrutura equivalente a um prédio de 30 andares chega à sua 16° edição. Você sabe tudo sobre ela

Por: Ernesto Neves - Atualizado em

arvore.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Mais importante símbolo natalino do Rio, a Árvore de Natal da Lagoa entrou para o calendário oficial da cidade há 16 anos. Já nasceu espantosa, com 48 metros de altura e, nessse período, cresceu ano a ano até atingir os atuais 85 metros, equivalentes a um prédio de 30 andares. Maior estrutura flutuante do mundo, ela é observada por uma multidão durante ao final da tarde, quando suas 3,3 milhões de luzes se acendem. Em 2011, o espetáculo ficou ainda mais bonito aos sábados, data escolhida para queimas de fogos , sempre às 21h. Mas poucos conhecem as histórias daquele verdadeiro colosso, registrado no Guiness Book como a maior árvore de natal flutuante do mundo. Listamos abaixo dez fatos inusitados sobre este ícone carioca.

Idealizada por um português

A mais bela atração de Natal do Rio foi criada, na verdade, por um português. O cenógrafo Abel Gomes, de 61 anos, vive no Rio desde os 10. Experiente, ele desenhou capas de disco para Elis Regina e Roberto Carlos, além de trabalhar 16 anos como cenógrafo da TV Globo. Mesmo assim, Gomes demorou seis meses para desenhar, produzir montar a árvore.

É muito peso!

Suas 85 toneladas equivalem a nada menos que 1 500 renas! Para manter a estrutura boiando na Lagoa foram trazidos do Porto de Paranaguá 11 flutuadores, cada um com 10 toneladas, 2,4 metros de largura por 12 de comprimento. No total, a base flutuante tem 810 metros quadrados, o equivalente a seis apartamentos de classe média ou quatro quadras de vôlei.

Navegar é preciso

Desde 2000 passou a ser uma atração itinerante. Neste ano, foi inaugurada em 26 de novembro nas proximidades do Estádio de Remo e, a partir de 25 de dezembro, ela ficará ancorada em frente ao Parque dos Patins.

Uma verdadeira embarcação

Ela tem o mesmo status de barcos e navios, ou seja, precisa ser vistoriada pela Capitania dos Portos. O órgão checa as condições de segurança e de sinalização e há sempre uma tripulação de seis homens no interior da árvore.

Exército natalino

Além dos seis embarcados, um contigente enorme trabalha para que tudo esteja pronto antes de dezembro chegar. Em 2011, nada menos que 1.200 pessoas participaram de pelo menos uma etapa, incluindo montagem, manutenção, queima de fogos e os shows. Entre os profissionais envolvidos há engenheiros, produtores, técnicos e artistas como Roberto Frejat e Gal Costa, que cantaram na cerimônia de inauguração.

arvoretarde.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Haja tomada

A quantidade de fios usados para mantê-la iluminada impressiona. Caso toda a borracha utilizada na fiação fosse reciclada, daria para confeccionar 1500 pares de sandália de borracha. E, se as mangueiras luminosas fossem esticadas, dariam uma volta completa nos oito quilômetros de circunferência Lagoa. E, caso fossem enfileiradas, as mangueiras luminosas se estenderiam do Rio até Búzios.

Potência máxima

Sete geradores embarcados garantem o suprimento de energia da árvore. A potência de energia gerada ali seria suficiente para iluminar a pista do sambódromo durante os quatro dias de desfiles de carnaval. Mas, caso toda a luminosidade emitida pelas microlâmpadas fosse concentrada em apenas lâmpada, seu brilho poderia ser observado da lua.

Arrastada pela tempestade

Durante um temporal com rajadas de 72 quilômetros por hora, em novembro de 2002, a árvore, em fase de montagem, se soltou das amarras e ficou à deriva até se aproximar da margem próxima à Fonte da Saudade.

Música para os ouvidos

Além do espetáculo de luzes, também são emitidos sons natalinos. Neste ano, um carrilhão eletrônico, instrumento que emite sons de sino, reproduz sons de badaladas e cornetas. Tudo é programado por computador executado automaticamente.

Missão impossível

Em 1996, ano de estreia, descobriu-se que não havia guindaste capas de levar a ponteira da árvore até o topo, a 48 metros do chão. Foi preciso colocar a estrela com a ajuda de um helicóptero.

Fonte: VEJA RIO