COTIDIANO

Como tratar queimaduras de sol

Abusou da praia? Confira dicas de dermatologistas para cuidar da pele castigada pela exposição excessiva ao sol e aprenda de uma vez por todas: filtro solar é essencial

Por: Louise Peres - Atualizado em

sol-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Não tem jeito. Apesar de todos os alertas e da campanha intensiva dos dermatologistas, ano após ano, verão após verão, sempre tem alguém da turma cujo bronzeado acaba passando do ponto. O vento, a água fresquinha, a preguiça de deixar o papo gostoso à beira-mar, tudo isso contribui para que o ritual de passar e repassar o protetor solar seja uma tarefa chata e, com frequência, ignorada por muita gente. Chato, convenhamos, é arder, ficar vermelho e sentir na pele os efeitos dessa exposição descuidada. Se você bobeou e esqueceu de se proteger, confira abaixo as dicas de cinco dermatologistas para tratar os danos causados pelo sol e recuperar a saúde da pele.

HIGIENIZE

?Ao chegar em casa, tome um banho para retirar todo sal ou cloro do corpo com a temperatura da água mais fria?, ensina a dermatologista Vanessa Metz. O indicado é utilizar um sabonete hidratante para não ressecar a pele e descartar qualquer tipo de esfoliante. ?Aplique, com o corpo ainda molhado, óleo de amêndoas doce, secando a pele sem retirar o óleo?, recomenda ainda a Dra. Karla Assed.

HIDRATE

Priorize cremes hidratantes que tenham na composição ativos como uréia, lactato de amônio, colágenos e lipossomos. ?Essas substâncias são responsáveis por promover hidratação intensa e aceleração da recuperação cutânea?, explica a Dra. Irene Dantas, da Clínica Dicorps.

ALIVIE

Cremes calmantes que possuem calamina, aloe Vera, camomila, calêndula ou alfa bisabolol são os mais indicados para o alívio dos sintomas e para evitar a descamação da pele. ?Às vezes é necessária a utilização de anti-inflamatórios e analgésicos orais receitados por um médico. Dê preferência a produtos em géis que refrescam ainda mais?, indica a Dra. Vanessa Metz.

CUIDE EM CASA

?Chá gelado de aloe vera ou chá feito com a folha de babosa ajudam a aliviar a dor?, diz a dermatologista Fernanda Tassara. Ela recomenda ainda compressas feitas com camomila, soro ou água de coco geladas, que ajudam a aliviar a ardência.

sol-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

EVITE A DESCAMAÇÃO

Se vacilou dessa vez, aprenda agora e não ostente o visual barata descascada nunca mais. Quem ensina é a Dra. Silvia de Mello, dermatologista do Núcleo de Saúde e Beleza da Clínica Ivo Pitanguy. ?A aplicação de um bom filtro solar com fator de proteção acima de 30, pelo menos meia hora antes de se expor ao sol, é o primeiro passo. Reaplique a cada mergulho ou de duas em duas horas?, ensina. Um bom filtro solar também servirá como um hidratante para a pele, protegendo do ressecamento provocado pelo sol e pelo vento.

ESQUEÇA AS BOLHAS

É importante não coçar a pele para não estourar as bolhas. Procure um dermatologista que vai avaliar o caso e indicar o produto e os procedimentos mais indicados de acordo com cada tipo de pele. ?Estourá-las pode causar uma infecção, além de cicatrizes e manchas?, alerta a dermatologista Karla Assed. Para algumas pessoas, a hidratação pode ser o bastante para evitar que se transformem em marcas. ?Em outros casos pode ser necessária a indicação de tratamentos com produtos mais fortes, como antibióticos e corticoides, que necessitam até de receita médica?, acrescenta a Dra. Irene Dantas.

CONTROLE OS DEDOS

Se os cuidados não forem suficientes e a pele começar a descascar, resista à tentação de puxar aquele pedacinho para acelerar descamação. ?Dependendo da área atingida e da intensidade da queimadura, a pele deve se recuperar em uma semana, em média. O paciente deve hidratar muito e espera?, afirma a dermatologista Fernanda Tassara.

sol-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

FIQUE LONGE DO SOL

Quando a pele estiver totalmente recuperada das queimaduras. É importante salientar que os excessos ao sol e os danos causados na pele se somam durante a sua vida. Portanto, quanto mais vezes o paciente sofrer queimaduras de sol, maior o seu risco de desenvolver câncer de pele. A proteção é fundamental.

Fonte: VEJA RIO