Orla Iluminada

Colar de pérolas volta a iluminar Copacabana

Orla do bairro terá 73 postes históricos restaurados até o Réveillon

Por: Redação Veja RIo - Atualizado em

 Iluminação da orla lembra um colar de pérolas e dá ainda mais charme à Princesinha do Mar.
(Foto: Riotur/Fernando Maia)

No verão em que a cidade comemora 450 anos, o tradicional “colar de pérolas” da Princesinha do Mar não foi esquecido. A Rioluz está restaurando os 73 postes de iluminação datados da década de 30 que dão ainda mais brilho a uma das praias mais conhecidas do mundo. A previsão é que os trabalhos, já iniciados, terminem em dezembro deste ano, antes da queima de fogos do Réveillon.

“Instalados em 1936, do Leme ao Posto Seis, estes postes tinham iluminação a vapor de mercúrio que, com sua luz branca, deixava os passantes fascinados. Vem daí o apelido de Colar de Pérolas. Estamos finalmente devolvendo o colar para a Princesinha do Mar”, comemora o presidente da Rioluz, Henrique Pinto, satisfeito por atender a uma antiga reivindicação dos moradores do bairro.

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Como os postes de cinco metros em ferro fundido apresentam grande valor histórico à paisagem da cidade, profissionais qualificados e experientes desenvolveram sob medida um projeto para manter sua originalidade. Orçada em R$ 707 mil, a obra contempla restauração e manutenção corretiva dos postes decorativos, que inclui a retirada e reinstalação, recuperação dos postes, raspagem de pintura remanescente, aplicação de tinta anticorrosiva, reposição de luminárias, rede de dutos, caixas e rede elétrica de alimentação, construção de nova linha de duto subterrânea e de caixas de passagens, instalação de tampões de 60 centímetros e novos conectores.

No novo projeto, as janelas de visitas (que possibilitam o acesso dos técnicos ao equipamento para fins de manutenção), feitas de ferro e localizadas na base dos postes, serão camufladas, de forma a evitar que continuem sendo vítimas frequentes de furto e vandalismo.

 

Fonte: VEJA RIO