DIVERSÃO

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

- Atualizado em

recomenda-shows.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Quando anunciou o lançamento de Abraçaço, no fim de 2012, Caetano Veloso provocou frisson imediato: os ingressos para as quatro primeiras apresentações da turnê, realizadas no Circo Voador em março do ano passado, evaporaram. O álbum completa a trilogia do cantor e compositor baiano ao lado da Banda Cê ? Pedro Sá (guitarra), Ricardo Dias Gomes (baixo) e Marcelo Callado (bateria) ?, iniciada com o disco Cê, de 2006, e seguida por Zii & Zie, de 2009. O trio responde pela pegada roqueira e moderna do repertório dos três discos, repleta de influências variadas. Em Abraçaço, por exemplo, aparecem referências ao carimbó e ao funk. Como era de esperar, o sucesso do trabalho resultou em DVD, gravado em agosto passado no Vivo Rio. No lançamento do disco, Caetano volta ao Circo para mais duas apresentações. Performático e vigoroso, o quarteto defende primordialmente as faixas do CD, entre elas O Império da Lei, A Bossa Nova É F..., Funk Melódico e Estou Triste. De outras épocas, e responsáveis por momentos tão empolgantes quanto as novidades, estão previstas Um Índio, Reconvexo, Eclipse Oculto, A Luz de Tieta e Outro, esta pinçada do primeiro disco da trilogia. 18 anos.

Circo Voador (2?000 lugares). Arcos da Lapa, s/nº, Lapa, ☎ 2533-0354. Sexta (14) e sábado (15), a partir das 22h. R$ 120,00. Desconto de 50% com a apresentação do e-flyer ou 1 quilo de alimento não perecível. Bilheteria: 12h/19h (ter. a qui.); a partir das 12h (sex.); a partir das 14h (sáb.). IC. www.circovoador.com.br.

recomenda-teatro.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Apresentado pela primeira vez na última edição do Festival de Avignon, um dos mais celebrados eventos de artes cênicas do planeta, o drama da companhia Dos à Deux conquistou aplausos do exigente público do evento (ao qual, diga-se, a trupe comparece anualmente desde 1999). Os méritos cabem a André Curti e Artur Ribeiro, brasileiros fundadores do grupo radicado em Paris: além de integrar o elenco, a dupla responde por dramaturgia, direção, coreografia e cenário do espetáculo. Marca da trajetória dos dois, o teatro gestual fundamenta a encenação. A história dos três irmãos do título (Curti, Ribeiro e o argentino Matías Chebel) e de sua mãe (a francesa Cécile Givernet) é contada sem uma linha de diálogo, mas cheia de poesia. Não convém esmiuçar a trama, sob pena de estragar a tocante revelação do final. Em cena, o rigor espartano com que os atores desempenham um minucioso jogo de movimentos não se sobrepõe à emoção, amplificada graças ao visual deslumbrante da montagem (85min). 14 anos. Estreou em 8/1/2014.Centro Cultural Banco do Brasil ? Teatro I (172 lugares). Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Quarta a sábado, 19h; domingo, 16h e 19h. R$ 10,00. Bilheteria: a partir das 9h (qua. a dom.). Até dia 23.

recomenda-shows-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Criado em 2000 pelos integrantes da banda carioca Pedro Luís e a Parede ? C.A. Ferrari, Celso Alvim, Mário Moura e Sidon Silva, além do próprio Pedro ?, motivados por uma bem-sucedida oficina de percussão ministrada por eles em São Paulo, o bloco tornou-se uma das atrações mais populares na concorrida folia das ruas do Rio. Na sexta (14), a Fundição Progresso volta a abrir as portas para os ensaios da turma, que faz seu desfile na Avenida Rio Branco no domingo pós-Carnaval. No palco, Fábio Allman, Pedro Quental, Alexandre Momo e Renato Biguli se juntam a quatro dos fundadores. A exceção é Alvim: diretor de bateria, ele se posta diante dos 220 percussionistas egressos das aulas realizadas ao longo do ano passado. No programa, faixas do último disco do Monobloco, Arrastão da Alegria, como Nasci para Morrer de Amor (Arlindo Cruz, Maurição e Franco) e Um Dia de Domingo (Michael Sullivan e Paulo Massadas). Entre marchinhas, sambas, forrós e clássicos da MPB, cabe até uma homenagem ao centenário de Dorival Caymmi. 18 anos.

Fundição Progresso (3?000 pessoas). Rua dos Arcos, 24, Lapa, ☎ 3212-0800. Sexta (14), 0h. R$ 60,00 (1º lote) a R$ 160,00 (na hora). Bilheteria: 12h/14h e 15h/20h (seg. a qui.); a partir das 12h (sex.). www.fundicaoprogresso.com.br.

recomenda-criancas.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Pioneiro na cidade entre os blocos voltados para os foliões mirins, o Gigantes da Lira foi criado em 1999 no bairro de Laranjeiras. É ali, pela Rua General Glicério e arredores, que o grupo desfila todo ano, arrastando divertidos personagens circenses. Neste domingo (16), a folia é antecipada no Circo Voador. A partir das 17 horas, um grande cortejo abre os trabalhos na área externa, tendo como mestre de cerimônias o palhaço Doutor Giramundo ? encarnado pela atriz e diretora teatral Yeda Dantas, criadora do bloco. Conduzidos pela banda de sopros e percussão Orquestra Gigante, os pequenos adentram a parte coberta, diante do palco na Lapa, onde encontram os personagens da trupe, além dos dois casais de mestre-sala e porta-bandeira: um mirim, formado por crianças, e um gigante, com adultos em pernas de pau. A farra inclui ainda a eleição do novo Rei Mominho, escolhido por sua desenvoltura no samba e na interpretação de músicas de Carnaval. O maestro Edimar Lima comanda os músicos na execução de um animado repertório de marchinhas. Nos intervalos, a vez é do show acrobático dos Aqualoucos Gigantes.

Circo Voador (2?000 lugares). Rua dos Arcos, s/nº, Lapa, ☎ 2533-0354. Domingo (16), 17h/20h. R$ 50,00. Bilheteria: a partir das 16h (dom.).

recomenda-cinema.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Além de concorrer ao prêmio de melhor filme, Trapaça tem quatro atores no páreo para o Oscar 2014: Amy Adams (atriz), Christian Bale (ator), Bradley Cooper (ator coadjuvante) e Jennifer Lawrence (atriz coadjuvante). As dez indicações recebidas pelo filme são exageradas quando se leva em conta que o excepcional Gravidade obteve o mesmo número, mas David O. Russell (de O Lado Bom da Vida) demonstra talento nessa simpática ?comédia de golpe?, um subgênero tradicional no cinema. A trama envolve o casal de amantes Sydney (Amy) e Irving (Bale), especialista em passar a perna em otários, sobretudo na venda de quadros falsificados. Quando a malandragem é descoberta pelo agente do FBI Richie DiMaso (Cooper), os vigaristas precisam colaborar com o detetive em troca da liberdade. O plano consiste em pôr em maus lençóis o prefeito de Camden, Nova Jersey. Do golpe, participa um xeique de araque disposto a investir num cassino na região. Em meio às divertidas reviravoltas, entra em cena a bisbilhoteira esposa de Irving, interpretada por uma esfuziante Jennifer Lawrence. Ambientada em 1978, a história é embrulhada em impecável recriação de época. Direção: David O.Russell (American Hustle, EUA, 2013, 138min). 14 anos. Estreou em 7/2/2014.

Fonte: VEJA RIO