DIVERSÃO

Cinco programas imperdíveis para o fim de semana

Confira a seleção especial de VEJA RIO para deixar seu fim de semana ainda mais animado

- Atualizado em

recomenda-teatro.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Nascida em uma tradicional família do Nordeste brasileiro, Ambrosina (Lu Camy) sonha em ir para a cidade grande. É uma ousadia tremenda para uma moça da década de 40 como ela, mas, depois de muita insistência, seus pais a deixam embarcar para o Rio de Janeiro. Na metrópole, a garota vai morar na pensão de Dona Rosa (Dida Camero), onde se apaixona por um bonitão que julga ser um médico. Louca para conquistá-lo, porém, ela não valoriza o amor que desperta no motorista Leitinho (Gabriel Delfino Marques). À parte o final até surpreendente, esta comédia de Anderson Bosch poderia ser mais uma como tantas já vistas, mas ganha vida adoravelmente na montagem dirigida por Rodrigo Pandolfo (ator premiado, aqui estreante na função). A história é contada como se fosse uma radionovela de meados do século passado - os atores fazem também as vezes de locutores, enquanto a equipe técnica fica no palco produzindo os efeitos sonoros. A direção é fluida na transição das cenas de leitura do roteiro na rádio para a dramatização em si (na qual apenas Lu interpreta uma única personagem) e vice-versa. Joga a favor a integração entre o cenário de Miguel Pinto Guimarães, os vídeos de Felipe Bond e a luz de Tomás Ribas, além dos figurinos estilizados de Bruno Perlatto. O elenco, encantador, parece se divertir e transmite essa sensação ao público (55min). 14 anos. Estreou em 30/5/2014.

Espaço Sesc - Sala Multiuso (80 lugares). Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, ☎ 2548-1088. Sexta e sábado, 19h; domingo, 18h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 15h (sex. a dom.). Até domingo (29).

recomenda-cinema.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Antes um adolescente, em Como Treinar o Seu Dragão (2010), Soluço agora é um rapazote de 20 anos que tem no dragão Banguela um amigo inseparável. No reino viking de Berk, onde vive ao lado do pai, ele mantém o romance com Astrid, mas sente no sangue uma queda pela aventura. Os primeiros minutos da animação são dedicados a mostrar como a paz impera em Berk e a diversão rola solta em competições de guerreiros montados nos bichões alados - extravagantemente coloridos nesta sequência. O drama surge aos poucos. Um caçador começou a sequestrar os dragões para que o vilão Drago (com voz, irreconhecível, de Rodrigo Lombardi) crie um exército. Radicalmente contra a perseguição, Soluço tenta achar uma maneira de resolver o problema. No meio dessa crise, o herói revê a mãe, que acreditava estar morta, e ela lhe revela alguns segredos do passado. Novamente comandado pelo diretor Dean DeBlois e inspirado na série de livros de Cressida Cowell, o longa-metragem foca, sobretudo, o público infantil, com uma história mais simples do que a original e repleta de cenas de ação para não deixar a criançada piscar. Direção: Dean DeBlois (How to Train Your Dragon 2, EUA, 2014, 102min). Livre. Estreou em 19/6/2014.

recomenda-expos.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Resultado de uma premiação internacional dedicada ao melhor do fotojornalismo produzido a cada ano, a coletiva reúne 143 imagens nesta 57ª edição - seleção que o britânico Gary Knight, presidente do júri, defendeu como "uma das mais bem-sucedidas da história da World Press Photo". Cinquenta e três fotógrafos de 25 nacionalidades estão representados, através de registros publicados na imprensa mundial ao longo de 2013. O destaque é a ganhadora do prêmio de foto do ano, feita pelo americano John Stanmeyer para a National Geographic. Nela, migrantes africanos na costa de Djibuti levantam seus celulares, na tentativa de captar um sinal da vizinha Somália e, assim, quem sabe, falar com seus parentes. No entanto, como sempre acontece em qualquer apresentação da mostra, há muito mais para ver. Estão lá os tensos momentos do massacre promovido por terroristas mascarados em um shopping de Nairóbi, no Quênia, em setembro passado, e um terrível flagrante do momento seguinte à explosão de uma bomba na Maratona de Boston, em abril de 2013 - feitos, respectivamente, pelos americanos Tyler Hicks e John Tlumacki. Mais leves, mas ainda assim impactantes à sua maneira, são as fotos de esportes (sempre um ponto alto da seleção de cada ano). Em um feliz flagrante de Emiliano Lasalvia, um jogador de polo cai do cavalo e, no instante do clique, parece estar sendo montado pelo animal. O francês Jeff Pachoud assina um dos exemplares mais lindos da mostra: a imagem aérea de uma corrida de trenós que, à primeira vista, parece uma pintura abstrata.

Caixa Cultural - Galeria 4. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 3980-3815, Carioca. Terça a domingo, 10h às 21h. O espaço estará fechado em dias de jogo do Brasil na Copa do Mundo. Grátis. Até 12 de julho.

recomenda-bares.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Monumento ao engarrafamento carioca, a Rua Mena Barreto pode tirar do sério o mais sereno dos motoristas. Na concorrida via de Botafogo, à direita de quem sofre no trânsito, ali um pouco antes da esquina com a Rua Paulo Barreto, este oásis abriu as portas em maio. À vista de quem passa em frente, protegida da confusão exterior por vidraças transparentes, a casa de salão pequeno, mas bem cuidado, serve uma selecionada carta com 31 rótulos de cerveja. Um deles é o da refrescante witbier espanhola Estrella Damm Inedit (R$ 49,00, 750 mililitros). Fãs de geladas mais amargas, em que o lúpulo se destaca, vão curtir a IPA da marca inglesa Meantime (R$ 29,50, 300 mililitros). Também sobra inventividade na seção dos tira-gostos, que traz pedidas como a porção de abobrinhas empanadas em crosta de farinha panko, servidas com molho suave de raiz-forte (R$ 19,00). Outras duas dicas interessantes são a pizza de pão árabe sob cogumelos frescos, queijo de cabra e amêndoas laminadas (R$ 28,50) e os cubos de filé-mignon e queijo de coalho em delicioso e encorpado molho de cebola à base de vinho (R$ 29,90). Em tempo: duas TVs exibem todas as partidas da Copa até a finalíssima, no dia 13 de julho.

Rua Mena Barreto, 22, Botafogo, ☎ 3796-3435 (40 lugares). 12h/22h (qua. e qui. até 0h; sex. e sáb. até 2h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2014.

recomenda-restaurantes.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Ao abrir as portas, há três anos, o negócio de comida oriental em Botafogo era dedicado a encomendas feitas no local e por delivery. Quando aquele trecho da Rua Nelson Mandela começou a se transformar numa espécie de baixo, surgiram insistentes pedidos por um serviço à la carte. O desejo da clientela se materializou em mesinhas na calçada, com atendimento bem informal e simpático, além de cardápio saboroso. Os pratos preparados por lá guardam influências da culinária do Sudeste Asiático. Para abrir os trabalhos, uma sugestão atraente é a porção de samosas, pequenos pastéis de massa crocante, recheados de cordeiro (R$ 29,00, quatro unidades). Adiante, o apetitoso murg tikka masala (peito de frango embebido em molho à base de tomate, cúrcuma e garam masala, mistura de temperos típica da Índia; R$ 33,00) pode ser acompanhado pelo aromático arroz basmati (R$ 13,50) ou pelo tradicional naan, pão indiano redondo com gergelim e ghee, um tipo de manteiga (R$ 8,00). Pedida mais picante, o jhinga nariayd traz camarão ensopado com especiarias, leite de coco e abacaxi (R$ 44,00). Para aliviar a pimenta, prove o lassi (R$ 7,00), gostosa bebida gelada à base de iogurte natural e especiarias, como cardamomo e canela.

Rua Nelson Mandela, 100, loja 107, Botafogo, Botafogo (24 lugares) 12h/0h (seg. a partir das 18h; dom. até 23h30). Cc: D, M e V. Cd: todos. Aberto em 2010. $

Fonte: VEJA RIO