EDIÇÃO DA SEMANA

Carioca Nota 10: Thereza Aguilar

A bailarina clássica Thereza Aguilar fundou um projeto de capacitação de jovens carentes a partir do balé

Por: Bruna Talarico - Atualizado em

carioca-nota-dez.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Assim que entra em uma das salas de aula do projeto Dançando para Não Dançar, Thereza Aguilar é logo cercada por meninas vestidas com collant, meias cor-de-rosa e sapatilhas de ponta. Chamada de "tia" pelas pequenas bailarinas, ela retribui o carinho dirigindo-se a cada uma pelo nome. É assim tanto na sede do programa, um casarão de cinco andares e aparência aristocrática no centro da cidade, quanto nas unidades instaladas em quase vinte favelas cariocas, onde ela promove a inclusão social por meio do balé. "Eu mesma comecei minha carreira graças a uma bolsa de estudos concedida pela Tatiana Leskova", conta. Em uma espécie de retribuição, Thereza começou a dar aulas gratuitas de dança no fim de 1994, em uma sala improvisada no Pavão-Pavãozinho. Aos poucos, seus pupilos e pupilas foram sendo aceitos por renomadas ? e elitizadas ? instituições, como a Escola de Dança Maria Olenewa, ligada à Fundação Theatro Municipal. Hoje, não são raros os casos de êxito internacional, como o de Bárbara Mello, solista do Teatro de Dortmund, na Alemanha, e ex-aluna do projeto social.

"Eu entrei no balé como bolsista, e o projeto é uma forma de retribuir isso "

Com padrinhos famosos, como o cineasta Walter Salles e a bailarina Ana Botafogo, o Dançando para Não Dançar já atendeu, nesses quase vinte anos, cerca de 10?000 jovens. Às aulas, gratuitas, somam-se atendimento médico, odontológico e nutricional, além de oficinas de inclusão digital para as mães de alunos. Hoje, 1?500 jovens fazem parte do programa graças a patrocínio e apoio de empresas e instituições, caso da Petrobras e da Faperj. Ainda assim, Thereza faz questão de acompanhar cada detalhe. "Toda semana visito todas as nossas salas de aula", afirma. Para dar conta, acorda às 6h30 e, frequentemente, não retorna à sua casa antes das 21h30. Esse expediente prolongado é dedicado à coordenação de projetos, supervisão de professores e concepção de espetáculos para apresentações de fim de ano. Em 2014, o tema escolhido defenderá a consciência ambiental e enaltecerá o Rio São Francisco. Prova de que, além de preocupar-se com o corpo, Thereza quer também inspirar a consciência de suas "sobrinhas".

Fonte: VEJA RIO