EDIÇÃO DA SEMANA

Carioca Nota 10: Evaristo Martins

O restaurador de móveis e atleta Evaristo Martins presta assessoria esportiva gratuita a corredores iniciantes

Por: Bruna Talarico - Atualizado em

carioca-nota-dez-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

De prancheta e cronômetro em punho, Evaristo Martins, 54 anos, monitora o desempenho de quem se aventura a correr pela pista de terra batida que rasga os bucólicos jardins da Praça Paris, na Glória. Com mais de 200 provas de corrida e cerca de trinta vitórias no currículo, o atleta alcança ali aquela que considera a melhor de suas performances. De segunda a sexta, sempre ao cair da noite, ele presta, gratuitamente, assessoria esportiva a mais de quarenta corredores. São pessoas que encontraram no esporte um motivo para seguir em frente de preferência, em alta velocidade. Entre seus alunos já figuraram pessoas obesas, com problemas de alcoolismo e drogas e vítimas de depressão. A imensa maioria recuperou o rumo com sua ajuda. "A mudança de vida é quase imediata. Correr faz bem não só para o corpo, mas também para o espírito", raciocina.

"Acredito na força do esporte para abrir os horizontes das pessoas"

Nascido em Belo Horizonte, Evaristo trocou a capital mineira pelo Rio há trinta anos. Aqui, mora em Benfica e vive do restauro de móveis. É com o dinheiro que obtém nessa atividade que financia o coaching esportivo e, às vezes, até arca com os gastos de corredores que não têm como chegar à Glória. Hoje, com a projeção conquistada pelo trabalho voluntário, Evaristo é figura estimada no bairro, antigo berço da aristocracia carioca. Ele também contribuiu para o resgate da praça, até então mal-afamada e evitada pelos moradores em razão da insegurança de seu entorno. Os aspirantes a atletas foram os primeiros a ocupar a área, antes mesmo da chegada do patrulhamento ostensivo, da iluminação pública reforçada e da recuperação dos jardins. No local, os corredores agora convivem com famílias que passeiam entre os canteiros em estilo clássico. "Meu sonho é conseguir uma estrutura maior e mais profissionalizada para ajudar a transformar a vida de mais gente. Acredito 100% na força do esporte para abrir os horizontes das pessoas", afirma ele.

Fonte: VEJA RIO