MEMÓRIA DA CIDADE

O estilo do Rio

Curso mostra que a cidade é fashion desde o Brasil-Colônia ? das vestes da corte às roupas das novelas

Por: Lula Branco Martins

Ftos divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

O leitor pode estar se perguntando: por que uma foto da espevitada Júlia, personagem de Sônia Braga na telenovela Dancin? Days, de 1978, está dividindo a página com clássicos desenhos do francês Jean-­Baptiste Debret, que mostram personagens daquele Rio do começo do século XIX? É que tanto a meia de lurex da ex-presidiá­ria como as pesadas vestimentas dos tempos coloniais servem de tema para a designer Paula Acioli. Ela prepara, para ter início em outubro, um curso aberto sobre moda na Casa do Saber, na Lagoa, tendo a cidade como foco. Suas análises começam num tempo em que a corte portuguesa, baseada no Rio, impedia a fabricação de tecidos em todo o país. "O setor sofreu um enorme atraso por causa dessa obrigação de consumo de roupas da Europa", conta a professora. Numa palestra, Paula vai analisar o mercado de top models cariocas e, ao final, refletirá sobre a força da televisão no que diz respeito à moda das ruas: "Personagens como Helô, vivida por Giovanna Antonelli em Salve Jorge, novela de 2012, mostram-se extremamente importantes para a expansão do setor. O que a delegada usava na trama acabava virando ouro no dia seguinte, ditando tendências pelas esquinas do Rio". Moradora do Flamengo ("bem em frente ao Monumento a Estácio de Sá, o fundador da cidade", ela festeja), Paula Acioli é formada em comunicação visual pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e atualmente coordena a Faculdade de Gestão de Moda da Fundação Getulio Vargas (FGV).

reprodução/Obra de Jean-Baptiste Debret
(Foto: Redação Veja rio)

Fonte: VEJA RIO