segurança pública

Beltrame apoia iniciativa de endurecer penas para menores reincidentes

Secretário de Segurança é favorável à iniciativa de colocar em votação pacote de medidas que endurece penas para menores reincidentes ou que cometam crimes hediondos

Por: Agência Brasil

José Mariano Beltrame
José Mariano Beltrame é a favor de penas mais duras para menores de idade (Foto: Veja Rio)

O secretário estadual de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, disse ser favorável à iniciativa do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de colocar em votação um pacote de medidas endurecendo penas para menores reincidentes ou que praticarem crimes hediondos, a maiores que levarem menores ao cometimento de crimes e a matadores de policiais.

+ Pesquisa mostra que 81% dos cariocas aprovam redução da maioridade

"Eu acho que essas medidas iniciam um processo, e há mais medidas a serem tomadas. Há todo um projeto nosso que abarca essas medidas e há também uma série de iniciativas de São Paulo e do Colégio Nacional de Secretários [de Segurança]. Mas acho que essas três, eu tenho certeza, nos ajudarão muito", disse Beltrame, após palestra na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), por ocasião do encontro mensal do Fórum Empresarial de Defesa e Segurança.

+ Pezão diz desconhecer possível inclusão na Lava Jato

Cunha anunciou na segunda (9), em encontro com empresários na Associação Comercial do Rio, que colocará em votação um pacote de medidas sugeridas pelo governo de São Paulo. Os projetos também preveem aumento de penas a quadrilhas que explodem caixas eletrônicos e a quem for flagrado portando armamento pesado, como fuzis e metralhadoras.

Beltrame defendeu a criação de uma força-tarefa para combater o tráfico de armas, segundo ele, "o atual inimigo público número 1 do país", mais do que o tráfico de drogas. O grupo começará a trabalhar no próximo dia 23, envolvendo policiais civis, militares e federais, que reforçarão o controle nas divisas do estado.

+ Policiais de UPPs terão aulas sobre comunidades em que atuam

"As pessoas já estão selecionadas. Estão indo a Brasília, possivelmente na semana que vem, para fazer nivelamento de uma semana, e no retorno a gente pretende iniciar os trabalhos", adiantou. Segundo o secretário, uma das dificuldades encontradas é rastrear o armamento apreendido, pois os fabricantes se recusam a fornecer informações sobre o comprador.

Beltrame disse que a segurança pública não pode ser tarefa unicamente das polícias e precisa envolver o apoio de toda a sociedade, das várias secretarias de governo e, inclusive, do meio empresarial.

"Nós temos um erro muito grande no Brasil, que limitou a segurança pública à polícia. Essa é uma miopia. É o que está levando o país a esses níveis praticamente insustentáveis de segurança pública, porque a polícia é [só] um elo dessa corrente. A segurança pública começa na fronteira", destacou Beltrame, que também atribuiu responsabilidades aos sistemas Judiciário e penitenciário. Para o secretário, as crianças e os adolescentes só vão para o crime porque faltam estrutura familiar e do sistema de educação, que não os acolhe como deveriam.

Fonte: Agência Brasil