EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades sobre a sociedade carioca

Por: Carolina Barbosa - Atualizado em

O substituto

beira-mar-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Já estava tudo acertado para a estreia do musical O Grande Circo Místico, do diretor João Fonseca, na próxima quinta (1º), no Theatro Net Rio, quando o protagonista Tiago Abravanel torceu o tornozelo. Sem condições de ele se recuperar a tempo de entrar em cartaz, coube ao até então coadjuvante Gabriel Stauffer o desafio de assumir o grande papel do espetáculo, que tem músicas de Chico Buarque e Edu Lobo e custou cerca de 3 milhões de reais. Curitibano de 25 anos radicado no Rio há quatro, ele só havia feito participações sem grande destaque nos palcos cariocas e, ao acaso, acabou ganhando o primeiro papel principal de sua carreira. Para dar conta, tem ensaiado quase doze horas por dia, com folga apenas aos domingos. "Bateu um medinho sim, mas estou me preparando muito para isso. Vim para o Rio em busca de reconhecimento", sonha ele.

Italianos em guerra

beira-mar-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A supremacia de gelaterias como Venchi, Momo e Vero pode estar ameaçada. É que até junho o empresário Edoardo Tonolli inaugura na Barra e no Leblon duas unidades da Bacio di Latte, com oito lojas bem-¬sucedidas e cheias de filas em São Paulo. Fruto de um investimento de 4 milhões de reais, o empreendimento desembarca por aqui com seus carros-chefe para entrar na acirrada briga das sorveterias italianas pela clientela carioca. "Já visitei todas as nossas concorrentes, mas a qualidade do produto que fazemos é superior ao normal", dispara ele. "E não é só isso que vai fazer a diferença. Estamos trazendo uma experiência inédita que vai desde os ingredientes excelentes que usamos até o design da loja", afirma Tonolli, já à procura de um terceiro ponto para erguer um quiosque da marca.

Roqueira fitness

beira-mar-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

A julgar pelos pedidos feitos por Avril Lavigne para o camarim do show no Citibank Hall na sexta (2), a canadense faz a linha dos astros naturebas ? o que pode ser comprovado pela boa forma exibida pela moça nos palcos. Em sua lista figuram comidinhas saudáveis e light como frutas, amêndoas, salada, frango grelhado, queijo branco, pepino e mel. Seria muito simples para a produção atender às suas exigências, não fosse pelo último item solicitado: uma marca bem específica de água, considerada a mais pura do mundo. Extraído de um aquífero formado em uma antiga cratera vulcânica na Ilha de Viti Levu, em Fiji, o líquido está sendo importado do arquipélago no Pacífico Sul especialmente para a cantora.

O legado de Eike

beira-mar-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Desde que o Hotel Glória foi vendido ao fundo suíço Acron, em fevereiro, começaram as negociações para que a rede de hotéis de luxo Four Seasons administrasse a empreitada, fundada em 1929 e adquirida em 2008 por Eike Batista. Corre nos bastidores do mercado que, aproveitando a oportunidade, o prefeito Eduardo Paes estaria tentando convencer a mesma bandeira a operar também o Hotel Nacional, em São Conrado. Comprado pelo empresário goiano Marcelo Henrique Limírio Gonçalves e outros sócios em 2009 por 85 milhões de reais, o hotel, que já chegou a ser o destino principal de chefes de Estado e celebridades que visitavam o Rio, a exemplo de Michael Jackson, Ray Charles e Diego Maradona, está com as portas cerradas desde 1995.

Novas socialites

beira-mar-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O tradicional livro com endereços e telefones de sobrenomes estrelados, intitulado Sociedade Brasileira, já tem novos candidatos para a próxima edição. Responsável por ditar quem entra e sai do grupo, a socialite e decoradora Lourdes Catão, de 85 anos, vai convidar a atriz Fernanda Montenegro, a bailarina Ana Botafogo e o casal Guilhermina Guinle e Leonardo Antonelli, barrados ao tentar ingressar no quadro de sócios do Country Club no ano passado. A propósito, pela primeira vez em quase meio século, o catálogo não será lançado em setembro, como de costume, mas em março de 2015. "Pode parecer o contrário, mas o livro dá muito trabalho. E com a cidade cheia de obras desse jeito fica inviável eu me locomover", critica Lourdes, autora do título desde que sua irmã Helena Gondim morreu, em 2008.

Fonte: VEJA RIO