EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades sobre a sociedade carioca

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

Tempero carioca na Rússia

beira-mar-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O chef Ricardo Lapeyre já está com os bilhetes em mãos. Sua próxima viagem será para Sochi, uma pequena cidade aos pés das montanhas nevadas do sudoeste da Rússia. Mas engana-se quem pensa que o chef do restaurante Laguiole, no MAM, vai tirar férias ou fazer um intercâmbio com a culinária local. Ao lado de mais três cozinheiros, um deles dono das cobiçadas estrelas Michelin, o mestre-cuca carioca de 25 anos vai comandar três jantares de gala para 120 pessoas durante os Jogos Olímpicos de Inverno, que começam em 6 de fevereiro. "Só estou um pouco preocupado com a logística da chegada dos ingredientes brasileiros. Na dúvida, vou levar algumas coisas, como açaí e cachaça, na minha mala mesmo", comenta Lapeyre.

O Oscar dos palcos

Extinto em 1991, o Prêmio Molière de Teatro foi a mais importante premiação do país durante quase trinta anos. Com o objetivo de resgatar todo o prestígio e o glamour da condecoração, o diretor artístico da Maison de France, Cédric Gottesmann, passou os últimos meses escalando jurados, decidindo categorias e batendo de porta em porta para conseguir apoiadores. "Era um sonho antigo, que tem mais de uma década e está prestes a virar realidade", diz o francês, radicado no Rio há dezoito anos. "Do tapete vermelho às premiações com viagens ao exterior, vamos reviver todo o glamour que ficou no passado." Marcada para a segunda quinzena de agosto, a cerimônia deve acontecer, como manda a tradição, no Theatro Municipal.

Talento das rodinhas

beira-mar-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Com nome de presidente, de quem se diz parente distante, Nilo Peçanha é uma das promessas do skate nacional. Aos 26 anos e praticante do esporte desde os 10, o rapaz acaba de conquistar um grande feito: conseguiu se classificar para o Circuito Mundial de Bowl, que acontece pela primeira vez no Rio, neste fim de semana, no Parque Madureira. "Comecei andando com os amigos nas pistas da Urca e de Botafogo, e agora estou competindo com os melhores do mundo", vibra o rapaz. Único carioca na competição, ele está decidido a investir na carreira profissional. Na segunda (27), embarca para mais quatro campeonatos, um na Nova Zelândia e três na Austrália, onde também gravará cenas para um programa do canal OFF.

beira-mar-bolinha.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
"Parabéns para essa gente louca e linda."

Da atriz Christiane Torloni, na terça (21), durante o Prêmio Cesgranrio de Teatro, pouco antes de cometer a gafe da noite. Ao anunciar a melhor peça, ela disse o nome do vencedor antes de apresentar os indicados, deixando a plateia constrangida

A maldição dos humoristas

beira-mar-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

À exceção de Tatá Werneck, que vem fazendo sucesso como uma periguete "difícil, dificílima" em Amor à Vida, os comediantes que migram de canais menores para a TV Globo não costumam manter a popularidade. É o caso de Marcelo Adnet, que saiu da MTV e, mesmo com toda a sua capacidade de improvisação, ainda não conseguiu encontrar um caminho para o sucesso na nova emissora. Egressa do CQC, programa da Band em que usava todo o seu sarcasmo para alfinetar as celebridades durante suas entrevistas, Monica Iozzi comemorou a mudança, mas não deixou de ser mais uma vítima da sina dos comediantes globais. Em sua estreia como comentarista do Big Brother Brasil 14, na terça (21), ela bem que tentou fazer algumas piadinhas, mas, com um roteiro engessado e milimetricamente calculado, foi difícil encontrar quem achasse graça.

Fonte: VEJA RIO