EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades sobre a sociedade carioca

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

Preparando a aposentadoria

beira-mar-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Com rumores de que seu programa estaria ameaçado de sair da grade da Rede Globo no próximo ano, Xuxa Meneghel está ampliando seus negócios. Em 2014, a apresentadora vai abrir sua primeira casa de festas infantis. Com investimento de 2 milhões de reais, o espaço na Tijuca terá um cinema 6D, com imagens em três dimensões e outros efeitos especiais, como aromas liberados durante a exibição. A decoração caberá a Gringo Cardia, respeitado cenógrafo da área de espetáculos musicais e teatrais, e os parabéns serão personalizados pela própria rainha dos baixinhos com o nome do aniversariante. "Cuidei de tudo e dei palpites em cada detalhe, dos brinquedos às comidas. Tudo tem a minha cara. Colocaremos até mesmo a minha nave lá dentro", antecipa Xuxa, que já negocia franquias na Ilha do Governador, em Jacarepaguá, na Barra e no Recreio.

Cliente preferencial

beira-mar-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Com nome de plebeia e sobrenome de princesa, Elsaine von Blanckenhagen dispensa apresentação nas lojas de grife da cidade. Casada com um milionário europeu, de quem herdou o nome de família alemão, ela nasceu em Barra Mansa, parou os estudos no ensino médio e se tornou a consumidora mais cobiçada do mercado de luxo carioca. Ela, atualmente, aparece como a número 1 na lista de melhores clientes da Louis Vuitton na América Latina. "Tenho mais de 200 bolsas da grife, sendo que alguns modelos custam 40?000 reais", gaba-se Elsaine, que, diante do elevado poder aquisitivo, passou a ser convidada para todas as festinhas de socialites da Barra, onde mora com o marido. Ele, a propósito, dá a maior força para as comprinhas da mulher: "Meu marido é muito coruja. É o primeiro a me estimular".

Cadê a baguete?

beira-mar-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Há duas semanas, Dominique Guerin bateu o martelo. Mesmo sem gás, ele decidiu abrir as portas da sua nova padaria, que ganhou uma filial na Rua Bartolomeu Mitre. Com os fornos já instalados há mais de um mês, o padeiro tenta, desde então, negociar a instalação com a CEG. Até agora, não teve sucesso. Ele está assando tudo na matriz em Copacabana e levando para o Leblon duas vezes ao dia. "Só não dá para trazer a baguete, que tem de ser feita na hora", conta Guerin, que saiu do Sofitel há dois anos e teve seus pães premiados como os melhores da cidade segundo os jurados da última edição do especial "Comer & Beber". "A burocracia desses órgãos públicos é uma camisa de força para quem quer abrir novos negócios nesta cidade", esbraveja o francês. A CEG afirma que existiam pendências referentes à ventilação e que o local ainda não possui toda a documentação necessária para fechar o contrato.

Réveillon em Xeque

A menos de dois meses do Ano-Novo, o clima é tenso nos corredores da Riotur, órgão da prefeitura responsável pela organização das comemorações do 31 de dezembro. Diante da falta de empresas interessadas em apoiar o réveillon de Copacabana, que atraiu 2 milhões de pessoas no ano passado, o prazo para a apresentação de projetos teve de ser prorrogado duas vezes. Até segunda ordem, a programação que acompanhará a tradicional queima de fogos em Copacabana precisa ser definida até o próximo dia 18. "Desde a saída da EBX, há dois anos, está cada vez mais difícil fechar todos os patrocínios necessários", lamenta o produtor Abel Gomes, referindo-se à empresa de Eike Batista que financiava uma cota substancial do evento. Mentor artístico da festa nos últimos seis anos, Gomes está na disputa para comandar a ação novamente.

beira-mar-bolinha.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
"Acordei namorando a Anitta. Para quem era gay até a semana passada, rolou um upgrade."

Do ator Fábio Porchat, na terça (29) pelo Twitter, respondendo com seu estilo politicamente incorreto a uma nota publicada em um portal de internet

Fonte: VEJA RIO