EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades da sociedade carioca

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

Revelações do poder

beira-mar-03-620.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Viúva do empresário Jair Coelho, que morreu em 2001, após ser acusado de enriquecer ilegalmente com o monopólio do fornecimento de refeições aos presídios do estado, Ariadne Coelho, 44 anos, acaba de pôr o ponto-final em seu livro. Reunindo histórias de bastidores dos sete anos em que a assumida perua emergente ficou casada com o empresário, Operação Quentinha -- A História que Não Foi Contada Sobre as Privatizações de Empresas Públicas do Estado do Rio de Janeiro chega às livrarias em outubro com tiragem de 20 000 exemplares. Com exclusividade, a autora adiantou à coluna alguns trechos da publicação:

"O governo Marcello Alencar estava falido. Meu ex-marido se tornou um dos maiores credores do estado. Um dia, Jair chega em casa e conta uma estranha conversa que teve com o então secretário de Fazenda, Marco Aurélio Alencar, o filho do governador: ?O Marco disse que vão me pagar com títulos da privatização. Mas que eu preciso colaborar com 40 milhões, que serão usados para quebrar resistências na Alerj, na votação do PED (Programa Estadual de Desestatização)?. Dias depois, Jair desce do carro na porta do Hotel Marina e entrega a encomenda." "O banqueiro Álvaro Otero, que tira onda nas colunas sociais, vive de trambiques. Para mim, não foi nenhuma surpresa ver o seu nome na lista de investigados pelo rombo de 1,35 bilhão de reais no Banco Cruzeiro do Sul. Otero era o dono da corretora PEBB, onde Jair Coelho entregou os títulos de privatização para aquisição de 80% das ações do Terminal Menezes Côrtes. Os outros 20% ficariam com a Prece, o fundo de previdência da Cedae. Só que Jair morreu e Álvaro Otero se apoderou fraudulentamente da garagem, com os papéis em branco assinados por Jair Coelho que o empresário paraibano Ricardo Rique havia roubado." "Como empresário, Jair Coelho foi somente o personagem da hora, aquele que se torna necessário para o sistema funcionar. E foi jogado aos leões quando não era mais interessante aos novos donos do poder estadual. Hoje, quem manda nos contratos públicos atende pelo nome de Arthur Soares, o amigão do governador Sérgio Cabral."

Marmita natureba

beira-mar-01-620.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

O jejum foi curto. Cinco meses após o encerramento das atividades do Market, que fechou as portas para dar lugar a um prédio comercial, o restaurante preferido dos naturebas gourmets já tem data para reabrir. Na primeira semana de setembro, a chef Carolina Figueiredo, 35 anos, voltará a servir as receitas que faziam sucesso na casa. A diferença é que no novo endereço, também em Ipanema, não haverá garçons circulando entre as mesas. As comidinhas já estarão todas embaladas e prontas para viagem. A ideia veio das redes internacionais de comidas do gênero, tais como Pret A Manger e Go Natural, que se espalharam pela Europa e pelos Estados Unidos nos últimos tempos. "Para uma cidade em que se usa biquíni o tempo todo, o Rio tem botecos de mais e casas de comida saudável de menos", alfineta a cozinheira paulistana.

beira-mar-bolinha.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

"Fora os ovos, o resto faz parte dos conflitos políticos."

Cesar Maia, após ser hostilizado por manifestantes que jogaram ovos e cuspiram no carro usado pelo vereador para sair da Câmara na última segunda (12)

Infarto em cena

beira-mar-02-620.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Duas semanas depois de sofrer um ataque do coração no palco, Claudio Tovar está de volta ao Espaço Sesc, em Copacabana, com a peça Palhaços. O ator de 68 anos conversa sobre o episódio, que aconteceu no segundo dia da temporada:

Como, exatamente, aconteceu o infarto? Senti um enorme cansaço no meio da peça. Como a cena em questão era muito forte, achei que fosse essa a razão, e continuei, com dificuldade. Quando acabou, fui correndo para o hospital. O exame diagnosticou um infarto.

O esforço durante a peça foi a razão do ocorrido? Não teve a ver diretamente com a peça. Eu já estava bastante estressado com a quantidade de trabalho que acumulei durante o período de ensaios. Junte-se a isso a adrenalina da estreia. Eu era um prato cheio para acontecer o que aconteceu. Felizmente, não tive sequela no coração.

Há outra montagem de Palhaços em cartaz na cidade. Essa coincidência o incomodou? Foi um susto quando soube. Pensei em adiar a estreia, mas já tinha me comprometido com o Sesc. Além disso, quantos Romeu e Julieta já não foram montados ao mesmo tempo? Decidi seguir em frente.

A desinibida do Leblon

beira-mar-04-620.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Mesmo depois das críticas recebidas por causa de seus diminutos biquínis, revelados em fotos de paparazzi que pipocaram recentemente pela internet, Betty Faria, 72 anos, não se intimidou. Na festa de lançamento da série Damas da TV, na última segunda (12), ela desfilou, em meio a outras atrizes de sua geração bem mais comportadas, com um exuberante vestido azul, esse aí da foto, colado ao corpo e com um decote generoso no colo e pernas à mostra. "Como toda mulher da terceira idade, tenho problemas de saúde. Mas me cuido para poder me dar ao luxo de usar uma roupa dessas", disse Betty, que tem uma academia montada em casa, faz hidroginástica e caminha diariamente na orla do Leblon. Para delírio dos fotógrafos, ela não abre mão de dar um mergulho depois dos exercícios: "Podem esquecer que eu não vou usar burca na praia. Meus biquínis vão ficar cada vez menores. Preparem-se."

Fonte: VEJA RIO