EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades sobre a sociedade carioca

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

Dos muros para as livrarias

beira-mar-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

É impossível não notar, da Sociedade Hípica Brasileira, no Jardim Botânico, até as ruínas do Complexo Penitenciário Frei Caneca, no Centro, os paredões grafitados por Tomaz Viana, mais conhecido como Toz. Festejado pelas obras que dão colorido a pontos malcuidados da cidade, ele terá seus melhores trabalhos reunidos em um livro, com lançamento previsto para 26 de março. ?Até bem pouco tempo atrás, uma publicação sobre grafite era algo improvável nas nossas livrarias?, diz Toz, que também é artista plástico e tem telas e objetos feitos sob encomenda para dezenas de conhecidos cariocas, como o cantor Lulu Santos e os atores Bruno Gagliasso e Lavínia Vlasak.

Debate entre pai e filha

João Miguel Júnior
(Foto: Redação Veja rio)

O que era para ser uma conversa despretensiosa com Jorge Mautner, com as impressões do compositor sobre a história da humanidade, acabou virando um bate-papo acalorado entre pai e filha. Na plateia do curso promovido no centro cultural Midrash, no Leblon, na primeira quinta (7) do mês, Amora Mautner foi a protagonista da noite com suas intervenções. Ao longo de uma hora e meia, com a sala cheia, ela fez 23 perguntas sobre temas que passavam da origem do universo ao início das civilizações. Os outros alunos não perdoaram: cochichos daqui e de lá, a diretora da TV Globo levou o crédito de a inconveniente da noite. Abaixo, algumas questões levantadas por ela:

"Pai, conta como aquela história da fofoca gerou a primeira linguagem...?

"O cérebro do homem pré-histórico já era igual ao nosso??

"Como é a coisa da virada do Homo sapiens para o homem?

Ele ainda sabe cozinhar

beira-mar-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Casado com Fernanda Lima, pai de dois meninos que parecem ter saído de um catálogo de moda infantil, dono de um físico exemplar e com fama de bom moço. Se faltava alguma coisa para que Rodrigo Hilbert virasse quase um homem dos sonhos, agora não falta mais. No dia 4 de abril, o ator estreia no GNT como apresentador do programa de culinária Temperos de Família. Sim, ele sabe cozinhar. ?Prefiro pôr a mão na massa a sair para jantar?, diz. De sua cidade natal em Santa Catarina, ele vai ensinar a fazer pratos simples e caseiros, que aprendeu a preparar com a família. ?Sou fominha na cozinha. Faço tudo e depois ainda limpo o fogão.? Fernanda Lima sabe das coisas.

O sucesso da voz estridente

Ascom Record
(Foto: Redação Veja rio)

A estrela da noite era o ator Luiz Fernando Guimarães, mas quem roubou a cena foi sua colega de palco Adriana Garambone. Na estreia do musical Como Vencer na Vida sem Fazer Força, na última segunda (11), a atriz de 42 anos, dentro de um vestido justo e decotado, cantou durante toda a peça com a voz absurdamente anasalada e estridente, sem desafinar em nenhum instante. ?Sou eu mesma que faço, não tem truque, não. Treinei durante quinze anos falando com meus cachorros e gatos?, brincou Adriana, que ao final da apresentação, ao receber os cumprimentos das amigas Totia Meirelles e Márcia Cabrita, agradeceu no mesmo tom. ?Parece que baixa uma entidade, chego em casa e ainda continuo falando assim, acredita??

Um concorrente para o Fasano

beira-mar-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Neto do ex-presidente João Figueiredo (1918-1999), Paulo Figueiredo quer distância do quartel e da política. Seu negócio é outro. No caso, um hotel com 13 000 metros quadrados e 175 quartos que ele vai erguer no Jardim Oceânico, na Barra, bem em frente à Praça do Ó. Antes de pôr o projeto no papel, embarcou numa verdadeira volta ao mundo pelos estabelecimentos mais sofisticados do planeta. ?Visitei mais de 200 hotéis cinco-estrelas, observando cada detalhe, para ver o que poderíamos implantar por aqui?, garante. O jovem de 30 anos, que iniciará as obras em julho, quer entrar na briga com o Fasano pelos hóspedes de luxo no Rio. Seu trunfo? O apoio financeiro do pai, também Paulo, dono de uma incorporadora chamada Polaris.

Fonte: VEJA RIO