EDIÇÃO DA SEMANA

Beira-mar

Histórias e novidades da sociedade carioca

Por: Carla Knoplech - Atualizado em

Romance na ponte aérea

beira-mar-03.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Há duas semanas, o herdeiro mais novo e namoradeiro do bilionário Eike Batista, Olin, 17 anos, assumiu o romance com a assistente de palco do programa Pânico Babi Rossi. Sobre o namoro, em vigor até o fechamento desta edição, a dançarina conversou com a coluna.

Você é cinco anos mais velha que o Olin. Isso foi um problema em algum momento? Fiquei com preconceito no começo, mas a gente vai conhecendo a pessoa e vendo como ela é. Tem homem mais velho que não sabe como tratar uma mulher. Ele, não. É cavalheiro, educado, inteligente. A gente tem a mesma vibe (gíria carioca para sintonia).

Como você lida com a alcunha de interesseira que tem recebido nas redes sociais? Eu não ligo. Namorei por cinco anos um cara que não tinha nem carro e não era por causa disso que gostava dele ou não.

Como vocês fazem para se ver, já que um mora no Rio e o outro em São Paulo? Ficamos muito com os amigos dele, então eu acabo vindo mais para cá do que ele indo para lá. Mas, quando a pessoa quer ver a outra, ela faz qualquer coisa.

E quais são os assuntos que vocês têm em comum? Falamos sobre as coisas que mais gostamos de fazer, como ir à balada e a festinhas.

Haja disposição

beira-mar-05.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Cantando sucessos que vão do pop ao funk em ritmo de samba, Preta Gil puxará o Bloco da Preta neste domingo (3). "Existem mil blocos no Rio, mas, com uma mulher sozinha cantando lá em cima, só o meu", diz a cantora, que, inspirada pela disposição de Ivete Sangalo e Cláudia Leitte, ficará quatro horas em cima do caminhão que vai cruzar a Avenida Rio Branco. "Na minha infância, não tinha esse negócio de abadá, nem de camarote. Essa é a minha proposta." Como em 2012, quando atraiu uma multidão formada por 250?000 foliões, a cantora trará Carolina Dieck­mann como madrinha e Sheron Menezzes no posto de mu­sa da agremiação.Estranhando o figurino

beira-mar-04.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Depois de interpretar uma prostituta no remake de Gabriela, Nathália Rodrigues vai viver uma donzela na próxima novela das 9. A atriz aceitou o convite para fazer uma enfermeira boazinha na trama de Walcyr Carrasco, prevista para suceder Salve Jorge a partir de maio. Para aprender os meandros da profissão, ela começa, nesta segunda (4), a dar plantão no Hospital Copa D?Or, em Copacabana, vestida da cabeça aos pés com o uniforme branco. "Nunca fiz uma personagem tão séria", diz a moça, 31 anos, filha de um ex-padre. "Meus trabalhos sempre tiveram um apelo sensual. Estou até estranhando o novo figurino." Pelas curvas da foto, não é preciso nem explicar o porquê.

A nobre corretora

beira-mar-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Quando o assunto são imóveis de alto luxo em Nova York, a condessa Olivia Hoge é o primeiro nome que vem à cabeça dos milionários brasileiros. Embora ostente um título de nobreza, ela trabalha ? e muito. Acostumada a negociar casas e apartamentos a partir dos 15 milhões de reais em Manhattan, ela sabe direitinho o que agrada aos cariocas endinheirados. "Não gostam de nada antigo, preferem construções mais novas, especialmente em condomínio. Adoram o East Side e as proximidades do Central Park", enumera. Nas negociações, contam pontos a seu favor a fluência do português. Vice-presidente da Sotheby?s, uma das maiores casas de leilão do mundo, a austríaca, irmã por parte de mãe do empresário Olavo Monteiro de Carvalho, viveu boa parte da sua juventude no Rio. "Confesso que sinto falta desse calor humano daí."

Relíquias em risco

beira-mar-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade, Washington Fajardo desabafou. Preocupado com a conservação dos 80?000 fósseis encontrados recentemente nas escavações das obras do Porto, que estão depositados em contêineres e também ao relento sob a ação das chuvas, ele cobrou publicamente as autoridades envolvidas no processo. "Por mim, a situação já estaria resolvida. Mas essa é uma decisão mais complexa. Temos de esperar o Iphan autorizar a retirada das peças e a prefeitura liberar o local para onde elas vão", diz. "Trata-se de um sítio arqueológico de alta relevância histórica, mas essa demora preo­cupa. Corre-se o risco de esse material se danificar com o tempo."

Fonte: VEJA RIO