DIVERSÃO

O bat beg está de volta

Febre nos anos 90, o brinquedo voltou à moda e diverte uma nova geração de pequenos. Aprenda a bater também

Por: Louise Peres - Atualizado em

Provavelmente, nas últimas semanas, você voltou a ouvir um barulhinho insistente, muito familiar aos ouvidos de quem viveu a infância da década de 90. O sonoro ?tec-tec? nas ruas, praças e escolas entrega: os bat begs voltaram à moda. Se esse nome não te diz nada, pense naquele brinquedo feito de duas bolinhas, presas a dois fios de nylon e a uma argola. A brincadeira consiste em fazer com que as bolotas se choquem, até que elas se encontrem em cima e em baixo em alta velocidade. A foto abaixo ajuda:

bat-bag-02.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Mania entre as crianças vinte anos atrás, o brinquedo ressurgiu das cinzas há cerca de um mês e é sucesso de vendas no comércio popular da cidade. ?Em duas semanas, vendemos mil dúzias de bat begs, ou seja, doze mil peças?, contabiliza Flávia Belaciano, proprietária do Armarinho Delmar, que fica na rua Senhor dos Passos, no Centro. São cerca de mil unidades por dia, já que a loja não funciona aos domingos. Cada uma é vendida a R$ 1,50, e a dúzia custa R$ 13,80. ?Virou mania, é um vício inclusive dos funcionários aqui?, brinca Flávia, que já fez uma nova encomenda para reforçar o estoque do novo campeão de vendas do Saara.

O maior centro de comércio popular da cidade, aliás, é território garantido para os praticantes do joguinho. Quer comprar um e não sabe onde? Siga o barulho. A cada esquina, ambulantes vendem ? e usam - o disputado brinquedo. ?Todo mundo aqui joga para se distrair. Entre uma venda e outra, fazemos até competição?, conta o camelô Marcos Paulo, que trabalha na esquina da Senhor dos Passos com a Uruguaiana. O recordista do bat beg por ali, revela ele, é o colega Paulo Eduardo, também vendedor informal no Saara. ?Ele ficou 13 minutos e 28 segundos batendo, sem parar?, conta Marcos Paulo, que vende unidades customizadas do brinquedo. Por R$ 3,00, o cliente escolhe as cores da argola, da cordinha e das bolinhas ? que podem ser diferentes.

Apesar de barulhento, o brinquedo é sucesso onde quer que apareça, e diverte tanto as crianças como os adultos que, nas décadas de 80/90, viveram a primeira febre do bat beg. ?As pessoas reclamam do barulho, mas a procura só aumenta. Minha expectativa é que o movimento se mantenha até o fim das festas julinas. Vai ser a prenda do momento?, aposta Flávia Belaciano.

Quer aprender a jogar? Siga três dicas de quem já é fera no assunto:

bat-bag-01.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
1 ? Segure a argola corretamente

O ideal é que você acomode a parte central do anel entre o polegar e o indicador, segurando firme (como na foto). Com isso, ficará mais fácil movimentar os cordões que prendem as bolinhas. Antes de escolher que peça vai usar, note que o brinquedo ganhou uma versão reduzida, menorzinha, ideal para os pequenos brincarem.

2 ? Acostume-se ao peso

Se você é das antigas, deve se lembrar dos bat begs bem pesados ? era comum machucar os pulsos em uma manobra mal executada. É que, naquela época, as bolas eram de metal, cobertas por uma camada de plástico. Nos novos bat begs, a bola é levíssima, feita apenas de PVC. Há quem diga que a brincadeira ficou mais fácil. Na hora de jogar, perceba que não é preciso fazer tanta força. Um movimento leve e contínuo já é suficiente para manter as cordinhas em movimento. O desafio agora é mantê-las esticadas, chocando-se em cima e embaixo.

3 ? O segredo está no movimento

Manter o braço em movimento por muito tempo é cansativo ? esse é o calcanhar de Aquiles da maioria dos jogadores do bat beg. O truque para conseguir prolongar a brincadeira é executar um movimento contido, menos amplo. Não é necessário mexer o braço para cima e para baixo com força, sem levantá-lo ou abaixá-lo demais. Uma vez conseguido o equilíbrio, você só precisa fazer um movimento pequeno para que as bolinhas continuem se chocando.

Fonte: VEJA RIO