DIVERSÃO

15 bares para paquerar no Rio

Para curtir o Dia dos Solteiros (15) ou qualquer outro, listamos os melhores bares e points da cidade onde a azaração rola solta. Divirta-se!

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

doiz.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Neste Dia dos Solteiros (15), a caipirinha da noitada pode até ser de limão, mas, se o seu objetivo for encontrar a metade da laranja (nem que seja só por uma noite), tome nota da lista que preparamos com os melhores bares para paquerar no Rio. Na cidade em que o agito da praia durante o dia se transforma em diversão nos bares quando escurece, eleja o seu endereço preferido entre os que estão fazendo sucesso quando o assunto é azaração e divirta-se! As dicas são de VEJA Rio e de personalidades como o ator Emilio Orciollo Netto, protagonista e produtor associado do filme E Aí, Comeu?, atualmente no ar em Gabriela.

Doiz. Dos mesmos donos do vizinho Meza Bar, a casa foi eleita o melhor lugar para paquerar pelo júri da última edição do guia Comer & Beber, publicado por VEJA Rio. De inspiração contemporânea, o cardápio assinado por Fabio Battistella, o novo dono da noite carioca, oferece delícias como fritas gratinadas com queijo grana padano e alho crocante (R$ 23,00) e o brownie de chocolate com castanha do Pará, compotas de morango e chantilly (R$ 18,00). Na carta de drinques, criações próprias como o afrodisíaco redhouse blues (R$ 23,00), uma releitura do bloody mary com vodca, infusão de pimentas e suco de tomates assados e temperados. Rua Capitão Salomão, 55, Humaitá, tel. 2179-6620.

Zozô Bar e Restaurante. "Ganha pelo conjunto da obra. O ambiente é aconchegante, o restaurante é excelente e a boate também atrai muita gente interessante", afirma o escritor e roteirista Gustavo Reiz, autor de novelas da Record e de quatro livros pela Rocco Jovens Leitores. Do salão com paredes e teto de vidro é possível acompanhar o movimento dos bondinhos do Pão de Açúcar e apreciar a vista da Praia Vermelha. O serviço à la carte tem entre os destaques a salada de polvo do mediterrâneo com azeite, maionese, ervas, limão, vinagre de Jerez, tomate, azeitona e aliche (R$ 29,00), o carpaccio de salmão com vinagrete de abobrinha (R$ 29,00) e o pato assado na cocotte com cogumelos, minilegumes e molho rôti (R$ 58,00). As noites de sexta e sábado, que oferecem o chamado Dinner Club, chegam a reunir até mil pessoas. Depois do jantar, o DJ assume as carrapetas até as 4 da manhã. Mulheres pagam R$ 30,00 e homens, R$ 60,00. Avenida Pasteur, 520, Praia Vermelha, Urca, tel. 2542-9665.

lacarioca.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

La Carioca. No charmoso bar, a criatividade multiplica as opções do cardápio. São pouco mais de dez sabores de ceviche, entre eles a curiosa união de sardinha, pepino e sour cream (R$ 17,40). Da ala tradicional, a sugestão de salmão (R$ 19,70) é mergulhada no limão com shoyu, gengibre, mel, pimenta-vermelha e cebolinha. Drinque à base de pisco, destilado produzido a partir do bagaço da uva, o chilcano (R$ 16,50) leva ainda soda limonada, sucos de limão e lima-da-pérsia e angostura, para dar aquela calibrada. Rua Maria Angélica, 113, loja A, Jardim Botânico, tel. 2226-8821.

Big Ben Pub. Não faltam atrações para passar o tempo na casa, feita à moda de um pub inglês. Com mais de vinte variedades de cervejas à disposição - a clássica alemã Paulaner custa R$ 17,90 (meio litro) e a belga Stella Artois sai por R$ 7,30 (long neck) -, o cliente se divide entre jogos de gamão, dardo e gincanas culturais. Nos dias de karaokê, quartas e quintas-feiras, os mais desinibidos podem cantar acompanhados por banda ao vivo. É quando os mais descolados aproveitam para dedicar músicas a paqueras em potencial. As dicas para beliscar são o bolinho de bacalhau (R$ 19,90, doze unidades) e o filé-mignon aperitivo com torradas (R$ 29,80). Segunda-feira a casa só abre mediante reserva. Rua Muniz Barreto, 374, Botafogo, tel. 2286-8120.

Botequim Bate-Papo. Instalado na Cobal do Leblon, voltado para a Rua Gilberto Cardoso, é uma das poucas casas ali a oferecer música ao vivo. A programação, de quinta a domingo, passeia por sertanejo, MPB, pop e samba. Enquanto bebe chope Brahma (R$ 4,20 tulipa), a turma belisca porções de aipim frito com queijo ralado (R$ 10,90), um dos petiscos mais pedidos. Outras opções são o bobozinho de camarão (R$ 11,90), servido em cumbuca e acompanhado de torradas, e, para os chegados, porção de jiló frito (R$ 6,70). Rua Gilberto Cardoso, s/n, loja 9, Cobal do Leblon, tel. 2529-2110.

mudbug.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Mud Bug. Como os tradicionais pubs ingleses, tem decoração dominada por peças de madeira e iluminação intimista. Enquanto alguns televisores exibem atrações esportivas, outros passam videoclipes que estão em alta no cenário musical. Com trilha sonora comandada por uma juke box ou banda ao vivo, o clima é de azaração do começo ao fim da noite na próxima ao Copacabana Palace, especialmente de quinta a sábado. A carta de cervejas importadas com 36 rótulos é o destaque do bar. A estrela é a irlandesa Guinness (R$ 19,90; lata), mas há quem prefira a alemã Erdinger (R$ 18,90, 500ml). O chope Brahma, nas versões clara e escura, pode vir à mesa em jarras de 1,5 litro (R$ 19,90), resfriadas em balde de gelo. Entre as comidinhas, porção de batata frita com queijo cheddar e bacon (R$ 16,90) e filé-mignon aperitivo com molho madeira e champignon (R$ 28,90) acompanhado de cesta de pães. Rua Rodolfo Dantas, 16, loja A, Copacabana, tel. 2543-5052.

Bar Veloso. Foi da varanda do Bar Veloso original, em Ipanema, que Vinicius e Tom avistaram Helô Pinheiro em seu doce balanço a caminho do mar. Nascia ali o sucesso Garota de Ipanema, nome que batiza o bar que atualmente ocupa o antigo endereço da mítica casa. A nova versão, no Leblon, conserva apenas o nome. Com decoração caprichada, a casa costuma lotar de quinta a domingo. Enquanto bebe chope Brahma (R$ 4,80 a caldeireta) ou cerveja Antarctica Original (R$ 6,40 a garrafa de 600 mililitros), explore os petiscos saborosos. Boas sugestões são os croquetes de mortadela empanados com farofa de torresmo (R$ 20,00, porção com doze unidades), a lula à dorée (R$ 27,00 a porção) e a carne de sol acebolada com manteiga de garrafa e aipim frito (R$ 26,00, para três pessoas). Rua Aristides Espínola, 44, Leblon, tel. 2274-9966.

Champanheria Ovelha Negra. Azulejos azuis e brancos nas paredes dão um toque retrô ao ambiente do casarão, sempre lotado. Além de gente bonita, fique atento aos quadros-negros no alto do salão - ali estão anunciadas as promoções do dia. De uma banheira antiga repleta de gelo saem garrafas do espumante nacional Conde de Foucauld Brut (R$ 37,00) e do Casa Valduga Brut 130 (R$ 88,00), combustível para a azaração. Quem quer impressionar tem a opção de pedir champanhes legítimos como Pipe-Heidsieck Brut (R$ 223,00) e Veuve Clicquot (R$ 247,00). Enxuta, a seleção de tira-gostos dá conta do recado com a tábua pirineus (R$ 31,00), de presunto cru, mortadela com pistache, lombinho canadense, queijo brie e geleia de damasco, e a de salmão defumado, cream cheese e pepino em rodelas, acompanhada de pães preto e árabe (R$ 34,00). Rua Bambina, 120, Botafogo, tel. 2226-1064.

mineiro2.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Bar do Mineiro. Quem passa na porta do estabelecimento pode achar que as pessoas em pé do lado de fora estão à espera de uma mesa no concorrido endereço. Parte da clientela, no entanto, prefere esvaziar cascos de cerveja ali mesmo para curtir o movimento do bairro. Nesse clima descontraído, é comum pintar uma conversa ou uma troca de olhares. De trás do balcão de fórmica escapolem cervejas estupidamente geladas: em garrafas de 600 mililitros há Antarctica Original, Brahma Extra e Devassa (R$ 5,00 cada uma) ou as mais populares Skol, Brahma e Antarctica (R$ 4,50). Pretensamente afrodisíaca, a batida de gengibre (R$ 4,00) é uma pedida licorosa e saborosa. A caipirinha de limão (R$ 8,00), de preparo impecável, também faz sucesso. Quanto aos tira-gostos, escolha entre porções de linguicinha mineira acebolada (R$ 26,00) e uma das marcas registradas locais: a porção de minipastéis de feijão (R$ 16,00, dezoito unidades). Rua Paschoal Carlos Magno, 99, Santa Teresa, tel. 2221-9227.

Rio Scenarium. As noites mais concorridas são as de sexta, quando o samba lota de casais o salão do primeiro andar, e a boate, no terceiro, ferve com remixes da MPB. Depois de se esbaldar na pista, procure uma mesa no segundo andar para repor as energias. Arrisque porções de beiju coberto de queijo de coalho (R$ 15,00) e de bolinho de aipim e carne-seca (R$ 18,00), ambas com dez unidades. A de pastel de queijo gorgonzola e nozes (R$ 21,00, seis unidades) chega com potinho de geleia de damasco. Para beber, Bohemia long neck (R$ 5,90), Weiss, Escura e Confraria (R$ 13,00 cada uma, 500 mililitros). Caipivodcas (R$ 9,50) de sabores variados, entre eles morango, maracujá e limão, também têm boa saída. Rua do Lavradio, 20, Centro, tel. 3147-9000.

Lapa 40º - Sinuca e Gafieira. Programação musical eclética e 22 mesas de sinuca garantem a diversão (e a paquera). O público se divide entre partidas de bilhar, mata-mata ou sinuca e os shows, que acontecem no térreo e no terceiro piso. É possível curtir bandas de forró, pop, flashback, rock e os habituais samba e choro. Uma câmara frigorífica com capacidade para até oitenta barris de chope (da Brahma, vendido em tulipas de 300 mililitros por R$ 4,20) abastece a clientela. Também é possível optar pela Antarctica Original, vendida a abusivos R$ 9,00. Para comer há sugestões como filé-mignon aperitivo no pão italiano (R$ 27,50), pastéis de sabores variados (R$ 16,00, doze unidades) e batata frita com calabresa (R$ 16,50). Rua do Riachuelo, 97, Centro, tel. 3970-1338 / 1329.

salvacao.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Boteco Salvação. Integrante do Grupo Matriz, verdadeira grife de casas noturnas e azaração, o local investe em cervejas de garrafa, com destaque para as artesanais brasileiras. Desta lista pode-se optar pela Therezópolis Gold (R$ 11,20, 600 mililitros), de baixa fermentação, ou pela Colorado Índica (R$ 23,50, 600 mililitros), uma pale ale produzida em Ribeirão Preto, por exemplo. Entre as mais triviais, a Itaipava sai por R$ 4,80 e a Original, por R$ 6,50. Azulejos, imagens de santo e mesas com pés de ferro fazem da decoração um tributo aos estabelecimentos mais tradicionais. Ajudam a manter o clima petiscos como a porção de linguiça calabresa acebolada (R$ 16,90). Outras boas pedidas: espetinho de queijo de coalho (R$ 6,90, duas unidades) e porção de pastel de angu (R$ 13,90, oito unidades), uma novidade no menu. As duas mesas de sinuca no segundo andar são concorridíssimas. Rua Henrique de Novaes, 55, Botafogo, tel. 2539-0216 e 2226-9691.

Restaurante Nativo. A dica é do ator Emilio Orciollo Netto, que recomenda ainda qualquer festa Da Lata, organizada pelo DJ Leo Paes Leme de 15 em 15 dias em casas noturnas do Rio, para curtir um clima de azaração. Voltando ao restaurante: de frente para o mar, é boa opção para paquerar depois da praia. Para dividir, peça a porção de queijo fundido, um mix de quatro tipos de queijo recheados de alho (R$ 25,00), cogumelo (R$ 25,00) ou carne-seca e cebola (R$ 26,00). Uma cesta de nachos completa o pedido. Para o prato principal, escolha entre o dourado das índias, grelhado, com abacaxi e palmito também grelhados, purê de banana e molho curry (R$ 38,00), e o filé ao molho poivre. O prato, preparado com shoyu, pimenta-do-reino e creme de leite, é guarnecido de batatas chips e salada caesar (R$ 36,00). Para encerrar, brownie da praia com calda de chocolate quente, pedaços de morango e sorvete de canela (R$ 15,00). Avenida Lúcio Costa, 1976, lojas K e L, Barra, tel. 2486-3949.

Enchendo Linguiça. Com a inauguração de uma fábrica de linguiça no local, o nome da casa ganhou sentido literal. A produção, que chega a 300 quilos por mês, acontece à vista dos clientes, no mezanino, separada do salão de azulejo e tijolo aparente por uma parede de vidro. Assados no forno por cinquenta minutos, os saborosos embutidos são macios, envoltos por uma crocante casquinha. Servidos em porções, ganham sabores diversos, como frango com ervas (R$ 16,50), cordeiro com hortelã (R$ 27,60) e pernil (R$ 19,70). Campeã de vendas, a linguiça croc (R$ 28,20) é envolta por batata frita e servida com três molhos: mostarda, barbecue e quatro queijos. Nada melhor para acompanhá-los do que o bem tirado chope Brahma (R$ 3,70 a tulipa), também servido na cremosa versão balck (R$ 5,20). Outra boa opção são as cervejas, que chegam geladas à mesa. A Original custa R$ 5,25. Avenida Engenheiro Richard, 2, loja A, Grajaú, tel. 2576-5727.

Bar Rebouças. Redescoberto por uma nova geração de frequentadores, o botequim funciona num diminuto ponto da badalada Rua Maria Angélica, no jardim Botânico. O balcão tem três lugares, mas à noite mesas de plástico se espalham pela calçada sob a marquise, onde a paquera pode rolar solta. O grande sucesso local é o jiló à vinagrete (R$ 1,00 a unidade), mas também se come porções de bolinho de aipim com camarão e catupiry (R$ 14,00, com dez) ou com carne-seca (R$ 14,00, com dez). Para beber, cervejas Antarctica, Skol (R$ 4,20 cada uma), Antarctica Original e Heineken (R$ 6,00). Se a paquera não der certo, no mínimo a noite vai ser divertida com o garçom eleito o melhor do Rio pela última edição Comer & Beber de VEJA Rio, o Jorginho. Rua Maria Angélica, 197, loja 2, Jardim Botânico, tel. 2286-3212.

Fonte: VEJA RIO