MEMÓRIA DA CIDADE

Arena musical

Show na Casa Julieta de Serpa recorda a fase áurea dos festivais realizados no Maracanãzinho

Por: Lula Branco Martins

memoria-da-cidade-01-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Erguido em 1954, o Ginásio do Maracanãzinho já viu de tudo um pouco ? os Globetrotters do basquete americano, espetáculos de dança no gelo, eventos religiosos ? e até sediou aulas gigantes para concursos públicos, além de testemunhar a gênese de nossa primeira grande geração do vôlei, nos anos 80. Mas foi antes disso, no fim da década de 60, que o lugar ficou cristalizado, no imaginário popular, como um palco ideal para as disputas musicais. Nele se realizaram, por exemplo, as finalíssimas do Festival Internacional da Canção Popular, o FIC ? e uma das lembranças mais fortes é a do inglês Malcolm Roberts cantando o refrão de Love Is All, aplaudido por 20?000 pessoas, em 1969. No ano anterior, aquelas mesmas arquibancadas tinham vaiado Tom Jobim e Chico Buarque, autores de Sabiá, que ganhou da favorita do público, Pra Não Dizer que Não Falei das Flores, de Geraldo Vandré. Essas e outras histórias estão em No Tempo dos Festivais, que estreia neste sábado (19) para temporada de três meses (sempre após o chá das 16 horas) na Casa de Arte e Cultura Julieta de Serpa, no Flamengo.

memoria-da-cidade-02-.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Fonte: VEJA RIO