Fitness

Aproveite o frio!

Treinar no frio aumenta a resistência, a imunidade e as chances de sair magro desta temporada calórica

Por: MENSHEALTH - Atualizado em

materiasaude.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Apesar de a vontade de continuar na cama ser enorme, malhar no frio traz muitos benefícios ao corpo - desde que você o prepare para o esforço. Veja do que estamos falando:

O que você ganha

? Mais desempenho

Aumente seu treino. No inverno, você não fica exausto tão facilmente e a frequência cardíaca se mantém mais baixa. "Você consegue desenvolver melhor o exercício", explica a médica do esporte Ana Lúcia de Sá Pinto, do Ambulatório de Medicina Esportiva do Hospital das Clínicas de São Paulo.

? Mais calorias queimadas

No frio, o corpo precisa de mais calorias para se manter. Com exercícios, você queima ainda mais. Ou seja, perder peso fica mais fácil. Depois de vinhos e queijos, só fica gordo quem quiser?

? Mais saúde

Quem faz exercício tem menos infecções respiratórias. Se você hibernar durante o inverno, saiba que a imunidade vai despencar e as gripes e os resfriados vão tomar conta.

O que você precisa fazer

? Aquecer o corpo

No frio, a tendência é contrair a musculatura para evitar a perda de calor, o que deixa você mais vulnerável a estiramentos. Para se proteger, aqueça o corpo antes de dar a largada. Assim, você aumenta a irrigação sanguínea para os músculos. E hidrate-se, pois no inverno você perde líquidos sem perceber.

? Aquecer a respiração

O trato respiratório também exige cuidado. Ao trotar ou correr, respire devagar. Se você acelerar no início, você pode hiperventilar. "Isso desencadeia fechamento das vias aéreas, falta de ar e pressão no peito", diz Ana Lúcia. Pior para quem tem asma, bronquite ou rinite, que poderá enfrentar uma nova crise.

? Montar o guarda-roupa

Peças de algodão não são indicadas, pois o suor não evapora com facilidade e você acaba passando frio. O mais confortável é treinar com roupas de materiais sintéticos, como lycra, supplex e tactel, que aquecem sem reter líquido.

Fonte: VEJA RIO