América do Sul ? A Pop Arte das Contradições

EXPOSIÇÕES

Por: Rafael Teixeira - Atualizado em

Avaliação ✪✪✪

recomenda-exposicoes-02-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)
recomenda-exposicoes-01-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Período de ebulição social, que se desdobrou no campo das artes, os anos 60 estão em foco na coletiva em cartaz no MAM. Com curadoria de um brasileiro, Paulo Herkenhoff, e um argentino, Rodrigo Alonso, o acervo reúne 119 trabalhos de artistas das duas nacionalidades, produzidos ao longo daquela década. O engajamento é mais evidente em criações como Lute (1967), de Rubens Gerchman ? a instalação tem enormes letras de madeira e fórmica vermelhas formando a palavra que a batiza. Em outras obras o cunho político se revela na liberdade formal. É o caso de La Misteriosa Vida Rural (1969), esmalte sobre tela de Luis Benedit. Do Brasil, ainda estão presentes nomes como Antonio Manuel, Cildo Meireles e Hélio Oiticica. A ala dos estrangeiros inclui, entre outros, Roberto Jacoby e Antonio Berni.

Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, ☎ 3883-5600. → Terça a sexta, 12h às 18h. Sábado, domingo e feriados, 12h às 19h (a partir de 6 de julho, 11h às 18h). R$ 12,00. A bilheteria fecha meia hora antes. Grátis para crianças com menos de 12 anos e para todos na quarta, a partir das 15h. Aos domingos vigora o ingresso-família: pagam-se R$ 12,00 por grupo de até cinco pessoas. Estac. (R$ 5,00 para visitantes do museu). Até 14 de agosto.

Fonte: VEJA RIO