EXPOSIÇÕES

Intimidades do poder

Fundação Getulio Vargas exibe personalidades brasileiras em momentos de descontração

Por: Carlos Henrique Braz - Atualizado em

Arquivo Alzira Vargas do Amaral Peixoto - FGV
(Foto: Redação Veja rio)

A primeira-dama Darcy Vargas às gargalhadas ao lado do filho mais velho, Lutero. Seu marido, o presidente Getúlio Vargas, fazendo churrasco. João Goulart, pouco depois de deposto, em 1964, clicado pela mulher, Maria Thereza. Costa e Silva, o sisudo marechal, segundo presidente do regime militar, ganhando um beijinho da neta. Essas e outras cenas da intimidade de personagens que fizeram a história do país no século XX integram a mostra Álbuns de Família: a Vida Privada no Acervo do CPDOC.

Divisão da Fundação Getulio Vargas, o Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil torna público pela primeira vez uma parte singular de seu rico acervo. "Tiramos o foco dos eventos políticos e abordamos a dimensão privada da vida dessas pessoas", explica uma das curadoras, Mônica Kornis, coordenadora da pós-graduação do CPDOC.

Nas 150 imagens de diferentes épocas, revelam-se personagens em situações prosaicas e hábitos culturais do passado. O material reunido também joga luz sobre transformações da fotografia. No início do século XX - a peça mais antiga data de 1913 -, as imagens eram feitas em estúdio, com cenários e figurinos produzidos. Nos anos seguintes, câmeras portáteis permitiram cliques mais espontâneos. "Procuramos fazer um panorama dos costumes e das mudanças na relação do fotografado com o fotógrafo", conta Regina da Luz, a outra curadora. Por trás de alguns registros há histórias curiosas. Ernesto Geisel, por exemplo, aparece na mostra tomando banho de mar no Havaí, na escala de uma viagem importante para o Japão, em 1976. Por recomendação médica, aproveitou a parada para relaxar com seus assessores. Dentro da água, o general, presidente de 1974 a 1979, aparece sem seus inseparáveis óculos escuros.

Álbuns de Família: a Vida Privada no Acervo do CPDOC. Espaço Cultural Fundação Getulio Vargas. Rua da Candelária, 6, Centro, ☎ 3799-5676. Segunda a sexta, 8h às 22h; sábado, 9h às 18h. Grátis. Até 17 de dezembro. A partir de segunda (21).

Fonte: VEJA RIO