Cidade

Homem com suspeita de ebola é internado no Rio

Natural da Guiné, missionário com suspeita do vírus está isolado no Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, na Fiocruz. Resultado deve sair em 24 horas

Por: Redação Veja Rio - Atualizado em

Suspeito de estar com ebola é internado no Rio
Suspeito de estar com ebola é internado no Rio (Foto: Divulgação/Polícia Federal)

Suspeito de estar contaminado pelo vírus ebola, o missionário Souleymane Bah, de 47 anos, chegou ao Rio por volta das 6h30 da manhã desta sexta (10), a bordo de um avião da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Ele desembarcou na Base Aérea do Galeão, de onde seguiu para o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, da Fiocruz, referência em doenças infecciosas.

Também nesta manhã, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, afirmou que o resultado do exame a que Bah foi submetido deve sair em até 24 horas. "Quero destacar que a situação está sob controle. Todos procedimentos indicados no nosso protocolo foram efetivamente aplicados com muito êxito", disse ele, durante entrevista coletiva concedida em Brasília. "Pelo protocolo, é necessário confirmá-lo em dois laboratórios. Mesmo se esse resultado der negativo, será colhida em 48 horas uma segunda amostra para análise e posterior informação do resultado", afirmou. 

Ainda de acordo com Chioro, Bah está em bom estado geral. No momento em que foram realizados os exames ele não apresentava febre, e nenhum outro sintoma. O bom quadro clínico também foi verificado durante a primeira triagem, ainda no Paraná, e durante a transferência para o Rio. "A informação que ele reporta ao médico é que, na quarta-feira, teve febre, tosse e dor de garganta. O médico trabalha com essas informações e sintomas que forem detectados na consulta clínica", disse o ministro.

Segundo o Ministério da Saúde, 64 pessoas tiveram contato com o paciente. Destes, 60 ocorreram na Unidade de Pronto Atendimento. Estas pessoas farão monitoramento da temperatura uma vez por dia ao longo de 21 dias. Já os profissionais de saúde que atenderam o africano farão a checagem duas vezes diariamente. 

Natural da Guiné, um dos países afetados pela epidemia, Bah procurou uma unidade de pronto atendimento na cidade de Cascavel, no Paraná, na última quinta-feira (9), após apresentar febre. De acordo com o missionário, os sintomas começaram no último dia 8. Transmitida por vírus, a doença tem alto índice de letalidade, sendo fatal em 65% dos casos.

A infecção ocorre por meio do contato com os  fluidos corporais da pessoa infectada ou do animal doente. E a transmissão ocorre quando o paciente já apresenta os sintomas da infecção. Descoberto em 1976, o vírus causou este ano a maior epidemia já registrada de ebola. Foram registrados 8 011 casos na Guiné, Libéria e Serra Leoa, com 3 857 mortes, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde (OMS). 

 

 

Fonte: VEJA RIO