Sociedade

A ascensão e queda do império dos Guinle

Livro recupera a história da dinastia que se tornou símbolo da riqueza e de gastança desenfreada no Rio

Por: Sofia Cequeira

Divulgação-2
Guilhermina (1854-1925) e Eduardo Palassin (1846-1912): os patriarcas dos Guinle (Foto: Fotos acervo pessoal)

Inspirado no Cassino de Monte Carlo, o Palácio Laranjeiras é uma ode à riqueza e à ostentação. Com três imensas alas, a construção, de 1913, tem como um dos arquitetos o francês Joseph Gire, o mesmo do Copacabana Palace. Trata-se de uma combinação do que havia de mais caro e prestigioso na época — mármore italiano, granito húngaro, tacos belgas e mobiliário revestido com folhas de ouro vindas da França. A entrada é guardada por dois leões de pedra, em tamanho natural, esculpidos por Georges Gardet, cujas obras decoram o Jardim de Luxemburgo, em Paris. Comprado pela União nos anos 40, o imóvel pertence hoje ao governo do estado e é usado em encontros e cerimônias que exigem pompa e circunstância. Quando marcava reuniões no local, o ex-governador Sérgio Cabral tinha por hábito exibir aos visitantes o inacreditável banheiro principal, todo feito com mármore de Carrara, incluindo peças sanitárias, revestimento e piso. Tamanha opulência teve um preço. Para erguer o palácio, o empresário Eduardo Guinle (1878-1941) enterrou na propriedade quase todo o quinhão que herdou como primogênito de sua família e foi à falência. Com seus detalhes rebuscados, o imóvel é, ao mesmo tempo, um monumento ao requinte e ao esbanjamento, características que se tornaram as marcas do clã. Pródigos em acumular riqueza, os Guinle também torraram a sua fortuna em uma escala monumental, o que acabou levando à derrocada financeira da linhagem. “Embora o empreendedorismo fosse a marca da família, a gastança também era. Eu, por exemplo, não herdei nada”, diz o arquiteto Eduardo Campello Guinle, 60 anos, dono de uma grife de roupas que leva o seu nome e bisneto do idealizador do palacete. 

A fortuna colossal dos Guinle teve como origem um armazém de produtos importados fundado pelo patriarca, Eduardo Palassin Guinle (1846-1912), no centro do Rio, em 1870. Do comércio batizado como Aux Tuileries, administrado por Eduardo em parceria com seu sócio, Candido Gaffrée (1844-1919), os negócios se ramificaram na construção de estradas e ferrovias e no setor imobiliário. Em 1888, a dupla de empresários deu o passo que os tornaria fabulosamente ricos: conseguiu a concessão para reformar e administrar o Porto de Santos, a caminho de se transformar no escoadouro de toda a produção de café do país. Durante 92 anos, a família abasteceu seus cofres com o dinheiro advindo da exploração comercial do porto, que chegava a render 24 bilhões de dólares por ano, em valores de hoje. O cálculo consta no livro Os Guinle (ed. Intrínseca, 39,90 reais), do historiador Clóvis Bulcão, com lançamento previsto para o dia 22. Por cinco anos, Bulcão esmiuçou a ascensão e o início da decadência do clã, que, além do Palácio Laranjeiras, legou à cidade monumentos como a sede do Parque da Cidade, na Gávea, o casarão da Ilha de Brocoió, na Baía de Guanabara, o Hospital Gaffrée e Guinle, na Tijuca, e o mais emblemático de todos, o hotel Copacabana Palace, de 1923. “É uma história que se entrelaça com alguns dos acontecimentos mais importantes do Rio no século passado e tem detalhes desconhecidos dos próprios descendentes”, diz o autor, que se concentrou nas três primeiras gerações do clã, hoje com 150 membros.

Infográfico2
Cada Guinle com seu palácio: uma das marcas da família eram os imóveis imponentes erguidos na cidade (Foto: Arte Veja Rio)

 As extravagâncias dos Guinle não se restringiram apenas às cifras monumentais despejadas em palacetes, mas também ao campo dos costumes. Em seu livro, Bulcão relata, por exemplo, o pitoresco arranjo familiar em que viviam o patriarca Eduardo, sua mulher, Guilhermina, e o sócio Cândido Gafrée, todos moradores de uma suntuosa mansão no bairro de Botafogo. Segundo o autor, além dos negócios, os empresários dividiam o leito com Guilhermina. E mais: dos sete herdeiros do casal, três deles (Carlos, Arnaldo e Celina) seriam filhos de Gafrée. Personalidade forte, Guilhermina era dada a excentricidades que só a riqueza descomunal lhe permitia. Para tomar banho de mar sem sair de sua mansão de veraneio na Avenida Atlântica, ela mandou construir uma tubulação que captava água salgada, a qual, depois de passar sob o asfalto, desembocava na piscina do casarão. Seu filho Carlos seguia rituais rígidos na mansão que tinha na Praia de Botafogo, onde hoje está instalado o Centro Empresarial Argentina. Em companhia da mulher, Gilda, só jantava vestido a rigor. Ela, por sua vez, jamais dirigia a palavra aos numerosos empregados da casa — a única exceção era a governanta, que repassava as ordens da milionária à equipe. O irmão mais velho de Carlos, Eduardo Guinle, o primogênito esbanjador que ergueria o Palácio Laranjeiras, torrava fortunas em suas viagens à Europa. Certa vez, ao retornar de uma dessas temporadas, desembarcou com 300 ternos e 1 200 gravatas na bagagem.

Jorginho Guinle
Jorginho Guinle (de camisa escura) entre a cantora Ethel Merman, o embaixador Oswaldo Aranha e a atriz Ann miller (Foto: Fundação Getúlio Vargas/cpdoc/divulgação)

Nenhum outro membro do clã, no entanto, ganhou tanta fama de perdulário quanto o playboy Jorginho Guinle. Neto dos patriarcas, filho de Carlos e Gilda, ele torrou sua herança com viagens, festas e mulheres. Namorou estrelas de Hollywood como Marilyn Monroe, Rita Hayworth e Hedy Lamarr, a quem recompensava com joias e outros mimos. Na juventude, vivia com uma gorda mesada de 45 000 dólares e jamais trabalhou. Acabou morrendo na penúria, em 2004. “Papai era acionista da ‘Ócio Corporation’”, brinca Georgiana Guinle, 44 anos, consultora imobiliária e moradora de um apartamento de dois quartos em Copacabana. Sua herança e do irmão, Gabriel Guinle, 30 anos, agente penitenciário em Niterói, resumiu-se a alguns objetos, como louças, relógios e quadros que foram da família — uma situação inimaginável para os pioneiros que administraram empresas que iam da geração de energia elétrica à exploração de petróleo. O último negócio representativo do clã, o Banco Boavista, deixou as mãos dos herdeiros em 1997, comprado por um grupo de investidores, entre eles membros de outro clã ilustre, o Monteiro de Carvalho. “Não foi um bom negócio, o banco estava pior do que imaginávamos”, recorda o empresário Olavo Monteiro de Carvalho. “Não tem riqueza que aguente quando a família deixa de produzir e passa a queimar os bens para sobreviver”, avalia. É fato que os Guinle perderam seu poderio financeiro, mas não se pode negar que o sobrenome ainda tem seu charme. 

Infográfico
Três herdeiros do clã: Georgiana Guinle, Eduardo Guinle e Guilhermina Guinle (Foto: fotos Tomás Rangel e Rede Globo/Divulgação)

 

Fonte: VEJA RIO