MUNDO ANIMAL

Mundo animal

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

Felipe Fittipaldi
(Foto: Redação Veja rio)

Ela não queima

Um novo e belíssimo habitante tem sido visto nos aquários domésticos. Trata-se da imitação de água-viva feita de silicone que beira a perfeição. Ela exibe o mesmo aspecto transparente e gelatinoso da medusa, e reproduz com fidelidade seus movimentos. Parece até que é de verdade, como mostra a foto à direita. À venda em uma loja na Barra da Tijuca por 49 reais, o enfeite fica em suspensão por meio de um fio de náilon imperceptível, afixado no fundo do aquário por uma ventosa.

Selmy Yassuda
(Foto: Redação Veja rio)

Sem perder o rebolado

Proprietária de duas gatas, Maia e Lili, a bibliotecária e dançarina do ventre Nitya Montenegro estava sem tempo para se dedicar ao trabalho voluntário em um abrigo de animais. Foi então que ela criou, no ano passado, o Bellydance Solidário, grupo formado por vinte bailarinas e coreógrafas que organiza eventos para arrecadar recursos em prol de entidades que cuidam de animais.

"Foi a forma que encontrei de unir o útil ao agradável", diz a fundadora, carioca radicada em Copacabana. Na tarde deste sábado (17), as moças se apresentam no salão da Igreja Nossa Senhora do Líbano, na Tijuca, com entrada a 25 reais. Para saber as próximas atrações, fique de olho na agenda em bellydancesolidario.com.br

Bruce Eric Kaplan / www.cartoonbank.com
(Foto: Redação Veja rio)
istockphoto
(Foto: Redação Veja rio)

Pra quem fica o xodó?

Como acontece com filhos, a guarda do pet pode se tornar um problema para casais que se separam. O advogado Luiz Octávio Rocha Miranda Costa Neves tira as dúvidas mais comuns sobre o tema.

? A mulher tem preferência para ficar com o bicho?

Não. A prioridade é de quem o adquiriu ou reúne melhores condições para cuidar dele.

? Há direito a visita nos fins de semana?

Sim, desde que não prejudique a privacidade do outro.

? Se o bicho cruzar depois, como é feita a divisão dos filhotes?

Vai depender do que for fixado no acordo assinado na hora da separação.

Fonte: VEJA RIO