MUNDO ANIMAL

Mundo animal

Histórias inusitadas, dicas e curiosidades do universo dos animais de estimação no Rio

Por: Daniela Pessoa - Atualizado em

Felipe Fittipaldi
(Foto: Redação Veja rio)

Magrelo em alta

Pode parecer um exagero, mas o totó da foto é vítima de bullying. "Na rua, já gritaram que meu cachorro é horroroso por ser muito magro", conta a designer Aryanne Rocha, dona da Zoe. Trata-se de uma cadela de 1 ano da raça whippet, conhecida pelo tronco esguio e curvo que lhe garante agilidade ? não à toa, a linhagem fez a fama em corridas de cães. "À primeira vista, eles podem parecer esquisitos, mas o comportamento dócil tem feito o interesse por esses animais aumentar. O porte elegante os torna, ainda, requisitados para campanhas de moda", afirma a veterinária Daniele Scandolara, dona de um dos maiores canis do gênero no Brasil, onde um filhote custa entre 2?500 e 3?500 reais. Outra virtude: bastante versáteis, os galgos são ótimos para atividades ao ar livre, mas também se adaptam à vida em apartamento e são fáceis de cuidar.

Arquivo pessoal
(Foto: Redação Veja rio)

Palavra de especialista

Meu neto tem um gatinho muito bravo que foi resgatado da rua ainda filhote. Como amansá-lo? Rosete Rubin, avó de Pedro e "bisavó" de Zico

Segundo a veterinária Raquel Calixto, a agressividade pode ser desencadeada por vários fatores, que vão desde a presença de outro animal até a ansiedade e certos hábitos que os gatos não toleram. Enquanto uns adoram ser acariciados na barriga, por exemplo, outros podem atacar quando tocados nessa região. "Cada animal tem seu temperamento. O primeiro passo é identificar o que provoca a reação agressiva, para depois agir no foco do problema", diz a especialista em felinos. Dependendo do caso, o tratamento pode requerer até o uso de medicamento psicotrópico. Caso contrário, mudanças na rotina do enfezado podem dar um basta na situação.

iStockphoto
(Foto: Redação Veja rio)
Cuidados antes de comprar

Terceira mais lucrativa atividade ilícita no país, o tráfico de animais silvestres, que acelera a extinção das espécies, fica atrás apenas do comércio ilegal de drogas e de armas. Antes de adquirir um exemplar, portanto, fique atento. Certifique-se de que o bichinho provém de um criadouro ou estabelecimento comercial autorizado pelo Ibama, e exija a nota fiscal com o número de identificação do animal, que deve estar marcado em um microchip ou anilha. Para ter certeza de que a loja ou o criatório estão devidamente regularizados, contate a Superintendência do Ibama no Rio (☎ 3077-4290) ou a Linha Verde (☎ 0800 61 8080), um setor do próprio instituto para esse tipo de consulta. Ambos também recebem denúncias.

Fonte: VEJA RIO