BARES

Depois do banho de loja

Endereço tradicional e acanhado na Tijuca, o Rio-Brasília mudou de donos e de ares

Por: Rafael Sento Sé - Atualizado em

BEBIDAS ✪✪ | AMBIENTE ✪✪ | COZINHA ✪✪

roteiro-bares-abre.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

No mesmo ano, foram inaugurados o boteco na Tijuca e a capital federal. Não deu outra: a coincidência influenciou na escolha do nome. Pé-sujo encravado em uma pacata rua do bairro, entre o Largo do Estácio e a Praça Afonso Pena, o Rio-Brasília ganhou novos donos e, depois de uma reforma, ambiente mais arrumado. Parede e balcão do espaço interno diminuto foram revestidos de madeira. Na calçada, sob toldo verde e de frente para duas belas casas de pedra, fica a maioria das mesas e cadeiras disponíveis. Nessa atmosfera agradável, escolha entre Antarctica Original (R$ 6,50) e a lager Weltenburger Anno 1050 (R$ 12,00, 500 mililitros), produzida pela Itaipava segundo receita alemã.

O chope Brahma é para breve, avisam os sócios.Na parte de comes, a casa não nega as origens, mas também faz bem-vindas concessões à nova ordem. Agora tem saborosos bolinhos de feijão, de casquinha crocante e massa de arroz, que só pecaram pelo recheio um pouco seco. O mesmo aconteceu com a versão de calabresa. Nos dois casos, a porção de seis unidades custa R$ 18,00. Temperada na medida e acompanhada de torradas, a carne assada acebolada (R$ 19,00) foi aprovada sem restrições. Na seleção de caldos encontra-se ainda uma correta sugestão de mandioquinha com carne-seca (R$ 16,00).

Rio-Brasília. Rua Almirante Gavião, 11, loja G, Tijuca, ☎ 3598-3170, ? Afonso Pena (40 lugares).11h/1h (dom. até 20h). Cc: todos. Cd: todos. ? ↔ Aberto em 1960.

Fonte: VEJA RIO