BARES

A vingança do jiló

Relíquia dos pés-sujos, o ingrediente tem seu amargor amenizado em apetitosas receitas de tira-gosto

Por: Rachel Sterman - Atualizado em

Beg Silva/divulgação
(Foto: Redação Veja rio)

Aconchego Carioca. Um clássico no casarão da Praça da Bandeira é receita do chef francês, e frequentador, Claude Troisgros. O ingrediente (R$ 26,40 a porção) chega à mesa frito e marinado em vinagre balsâmico e mel, acompanhado de queijo de cabra e torradas. Rua Barão de Iguatemi, 379, Praça da Bandeira, ☎ 2273-1035.

Bar do Momo. Depois de cozido, o jiló ganha consistência macia e perde o amargor ? os recheios podem ser de carne assada, carne-seca, linguiça ou provolone (R$ 5,00 cada um). Rua General Espírito Santo Cardoso, 50, Tijuca, ☎ 2570-9389.

Botequim Informal. Na rede de pés-limpos, o fruto do jiloeiro, fatiado fino, empanado e frito (R$ 11,90 a porção), também é distribuído como cortesia a quem pede uma dose de cachaça. Rua Conde Bernadotte, 26, Leblon, ☎ 2540-5504. Mais sete endereços.

O Original do Brás. No concorrido endereço em Brás de Pina, o jiló é recheado de calabresa e gratinado com queijo (R$ 3,00 a unidade). Rua Guaporé, 680, lojas A e B, Brás de Pina, ☎ 3866-1313.

Fonte: VEJA RIO