BARES

Carta de bebidas

Oito lugares para degustar drinques em criações clássicas e autorais

Por: Rafael Cavalieri - Atualizado em

roteiro-bares-03-abre-parisbar.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Aprazível

Dono de vista privilegiada do Rio, o restaurante em Santa Teresa tem um serviço de bar forte, representado por boas opções de drinques em sua carta. As sugestões à base de cachaça são feitas com rótulos artesanais. Uma delas, batizada com o nome da casa, leva cachaça São Miguel, licor Grand Marnier flambado com canela, manga, limão-galego e pimenta jamaicana (R$ 29,00).

Rua Aprazível, 62, Santa Teresa, ☎ 2508-9174 (310 lugares). 12h/23h (dom. até 18h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 1997.

Astor Surgido em São Paulo, mas inspirado nos bares cariocas da década de 50, possui fãs que vão em busca do chope Brahma com um dos colarinhos mais cremosos da cidade. Mas a carta de drinques também merece atenção: foi eleita a melhor da cidade na edição especial ?Comer & Beber 2012/2013?, publicada por VEJA RIO. Entre as criações próprias, o saboroso wallpaper (R$ 21,00) é preparado com cachaça, maracujá, pimenta dedo-de-moça e açúcar de baunilha. Na ala das releituras, o adamant martini (R$ 23,00) une vodca, gim, vermute seco e bitter de laranja. Entre os clássicos, destacam-se o bloody mary (R$ 21,00), densa mistura de suco de tomate e vodca, e o dry martini (R$ 23,00). Da lista de tira-gostos, prove a consagrada besteira à milanesa (R$ 36,50), porção de canapés de bife empanado sobre queijo.

Avenida Vieira Souto, 110, ☎ 2523-0085, ? General Osório (200 lugares). 18h/1h (qui. até 2h; sex. e sáb. 12h/3h; dom. 12h/22h). Cc: todos. Cd: todos. Estac. c/manobrista (R$ 15,00). ? ↔ www.barastor.com.br. Aberto em 2010.

Bar do Oswaldo

No antigo endereço na Barra não se encontram mixologista, carta elaborada nem grandes criações finalizadas na coqueteleira: as batidas trouxeram fama ao lugar e seguem um sucesso absoluto. A dose de qualquer sabor custa R$ 6,50 e opções não faltam. A de coco, famosa, divide atenções com sabores como caju, açaí, amendoim, bombom, limão, tangerina e maracujá, entre outros. Para beliscar, prove as porções de seis unidades de pastel de queijo (R$ 18,50), camarão (R$ 21,90) ou carne (R$ 19,50). Recém-­chegada aos sábados, a feijoada (R$ 38,00 por pessoa) ocupa o bufê das 12h às 17h.

Estrada do Joá, 3896, Barra, ☎ 2493-1840 (160 lugares). 12h/1h (sex. e sáb. até 3h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 1946.

Baretto Londra

Pelo badalado bar do Hotel Fasano já passaram as cantoras Madonna e Beyoncé. Apesar das capas de disco de rock, de nomes como Rod Stewart e The Clash, as noites costumam ser embaladas por uma variedade maior de gêneros, que pode ir do house ao jazz. Tijolos aparentes e confortáveis poltronas completam a esmerada decoração. Na criativa carta de drinques, destaque para o star anise tonic, preparado com gim de açafrão, licor grand marnier, twister de tangerina, infusão de anis-estrelado e água tônica (R$ 30,00). Outra sugestão é o gift, com vodca de pera, abacaxi, beterraba macerada, hortelã e suco de limão (R$ 30,00). Para beliscar, boa pedida é a vitela empanada com pão de miga (R$ 58,00).

Avenida Vieira Souto, 80, Ipanema, ☎ 3202-4000 (100 lugares). 20h/4h (seg. a qua até 1h.; fecha dom.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2007.

Do Horto

Eleito por duas vezes o melhor lugar para ir a dois na edição especial ?Comer e Beber?, publicado por VEJA RIO, o bar conta com boas opções de drinques. O madona (R$ 17,00) é preparado com vodca, suco de limão, cranberry e Cointreau. Já o do horto (R$ 16,00) leva vodca, sorvete de creme e licor Baileys. Com a chegada do outono, novos pratos foram para o cardápio. Um deles é o linguado com molho de camarão, arroz de brócolis e batatas cozidas (R$ 46,00). Para a sobremesa, aposte na tapioca de banana, com chocolate e sorvete de creme (R$ 22,00).

Rua Pacheco Leão, 780, Jardim Botânico, ☎ 3114-8439 (120 lugares). 12h/2h (ter. a dom.; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2010.

Paris Bar

Comandado por Alex Mesquita, formado pela Universidad del Cocktail, em Buenos Aires, e eleito o melhor barman de 2013 no especial ?Comer e Beber?, publicado por VEJA RIO, o bar tem decoração extremamente luxuosa. Sente-se ao balcão, converse com o simpático Alex e seu braço-direito, Daniel Moraes, e peça preparos acertados como o excelence (R$ 24,00), feito de vodca aromatizada de pêssego, uva, limão-siciliano, gengibre e cereja em conserva, ou o cloud nine ritual (R$ 32,00), uma perfumada mistura de rum envelhecido, extrato de figo natural e cardamomo, defumada na hora com fumaça de carvalho francês.

Praia do Flamengo, 340, Flamengo, ☎ 2551-1278 (50 lugares). 19h/1h (fecha dom. e seg.). Cc: todos. Cd: todos. www.julietadeserpa.com.br. Aberto em 2012.

Teto Solar Em meio a uma extensa carta de cervejas, há boas opções de drinques elaborados pela mixologista Sandra Mendes. Na semana do Dia das Mães, duas criações ganham nome de mulheres. São o gabriela, que leva cachaça, uvas, hortelã e xarope de canela (R$ 20,00 ou R$ 28,00, o premium), e o bloody sandra, uma combinação de suco de tomate com ervas e vodca, além de tomate-cereja e molho inglês (R$ 20,00, com vodca nacional, R$ 25,00, com vodca importada, e R$ 28,00 o premium).

Rua Paulo Barreto, 110, Botafogo, ☎ 2541-1941/ 2542-9458 (80 lugares). 18h/1h (sex. até 3h; sáb. 20h/3h; dom. 19h/1h; fecha seg.). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2012.

Victoria Localizado no Jockey Clube, o complexo conta com três opções gastronômicas distintas. No Restaurante Victoria, o barman Waldeck Rocha oferece uma inusitada sugestão, perfeita para dividir por quem estiver na mesa: os piscinões, drinques em taças de 600 mililitros. Duas versões interessantes são as de framboesa e de caju, preparadas com polpa e pedaços da fruta combinados com vodca e gelo picado (R$ 23,00 cada pedido). Boa pedida de entrada, a linguiça com cebolinhas confit ao molho teriyaki de tamarindo custa R$ 26,50.

Rua Mario Ribeiro, 410 (Jockey Club Brasileiro), Lagoa, ☎ 2540-9017 (460 lugares). 18h/1h (sex. e sáb. até 2h) Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2004

Fonte: VEJA RIO