BARES

Depois do pôr do sol

Fundado no coração boêmio do Rio, o Lapamaki desembarca em Ipanema de olho no pós-praia

Por: Rafael Sento Sé - Atualizado em

roteiro-bares-abre1.jpg
(Foto: Redação Veja rio)

Aberto no pedaço mais fervilhante da Lapa em 2009, o Lapamaki tinha uma proposta inovadora: conciliar no mesmo balcão um barman para preparo de drinques e um sushiman para cuidar dos temakis e tira-gostos. Mais comum em São Paulo, a combinação japa-alcoólica também vingou por aqui, como prova a expansão da rede. Passados dois anos, o bar ganhou uma filial em Copacabana e agora chega a seu terceiro ponto, inaugurado no mês passado em Ipanema. Além de tentar atrair a clientela, digamos, mais faminta com seu rodízio (R$ 59,90), ele tem como público-alvo os banhistas que planejam emendar um programa ao sair da praia, algo muito em voga principalmente no verão.

Instalada num pequeno prédio de quatro andares onde funcionou o Le Baroque, a casa tem decoração cuidadosa tanto no salão do térreo quanto no mezanino ou no belo terraço ao ar livre no 4º andar, com vista para o Cristo Redentor. A madeira clara dos móveis contrasta com o granito preto dos balcões. Às 6 da tarde entra em cena o profissional das coqueteleiras, que prepara bebidas com ingredientes tipicamente japoneses, caso do wasabi (R$ 15,50), que reúne raiz-forte, limão, calda de açúcar e vodca. No entanto faltou equilíbrio à mistura. Prefira a caipisaquê de lichia (R$ 14,00). Quem não é chegado a drinques pode optar pela cerveja Stella Artois (R$ 6,00, long neck).

Na ala dos mastigáveis, o salmão cru salpicado de ovas sobre chips de aipim (R$ 18,00, seis unidades) sugere contraste saboroso. A versão do hot filadelphia no palito (R$ 32,90, quatro unidades) também foi uma grata surpresa. O único deslize ficou por conta do quarteto degustação de camarão, lula, polvo e atum marinados (R$ 45,00), que pecou pelo excesso de limão.

Lapamaki. Rua Vinicius de Moraes, 124, Ipanema, ☎ 3547-5803. 12h/0h (sex. e sáb. até 1h; fecha seg.). Cc: M e V. Cd: R e V. ? www.lapamaki.com.br.

Fonte: VEJA RIO