amargo

Clássico e amargo, Negroni se torna o drinque da vez

Nascido na Itália por volta de 1919, bebida está entre as mais pedidas. Confira versões curiosas e aprenda a fazer em casa

Por: Rafael Cavalieri

Paris Bar
O negroni do Paris Bar (R$ 32,00): versão clássica (Foto: José Renato Antunes)

Um clássico da coquetelaria, o Negroni se tornou um dos drinques mais pedidos pelos balcões da cidade. Confira a receita abaixo e prepare o seu em casa. 

Ingredientes:

• 30 ml de gim do tipo London Dry

• 30 ml de vermute tinto

• 30 ml de Campari

• Casca de laranja

Modo de fazer:

Em um copo largo de vidro, adicione gelo. Em seguida, acrescente as três bebidas e mexa bastante até deixar o drinque bem gelado. Com o auxílio de uma peneira, coe a mistura diretamente em um copo baixo já com gelo, de preferência em cubo grande, para derreter bem devagar. Esprema a casca de laranja de modo a liberar seus óleos e sirva. 

Três versões pela cidade:

Mee

Criado por Jessica Sanchez, o don’t kill my vibe (R$ 36,00) suaviza o amargor típico ao adicionar uma soda de gengibre artesanal aos demais ingredientes.

Paris Bar 

Por lá, a versão preparada por Alex Mesquita é a clássica, mas com um pouco mais de gim Beefeater 24, combinado a Campari italiano e vermute Antica Formula (R$ 32,00). 

Sobe 

Executado por William Barão, o kingston negroni leva rum no lugar do gim. Na receita entram partes de Havana 3 e 7 anos, Campari e vermute Punt e Mes (R$ 29,90).

Fonte: VEJA RIO