no baixo

Casa badalada, Braseiro da Gávea fecha para obras

Reduto de fãs da boa cozinha e de boêmios em busca de bom chope, bar passará por reforma pelos próximos três meses

Por: Rafael Cavalieri - Atualizado em

Uma notícia pegou de surpresa os frequentadores do Baixo Gávea. Os fãs do chope Brahma bem tirado, da saborosa linguiça que circula pelos salões no espeto ladeadas por molho à campanha, do galeto com pele queimadinha e, sobretudo, da espetacular picanha com farofa de ovos, fritas e arroz de brócolis vão ficar órfãos. O Braseiro da Gávea, casa das mais concorridas na região, fechou as portas para a realização de obras estruturais na cozinha e no salão. A duração prevista gira em torno de dois a três meses.

Braseiro da Gávea
Filas na porta: cenário quase diário no Braseiro (Foto: Selmy Yassuda)

Segundo Marcos Aguiar, gerente da casa e filho de seu Antônio, um dos sócios, os entusiastas mais fervorosos podem ficar tranquilos. As obras serão em sua grande maioria internas de maneira que tanto o visual como o serviço e, é claro, a comida, não serão modificados na reabertura. E sim: a tradicional churrasqueira à carvão vai continuar ali perto do salão.

"Nossa ideia é não mudar nada. Vamos modernizar sem perder a essência. Temos de trocar aparelhos na cozinha, mexer em uma ou outra coisa do salão e renovar os banheiros também. Mas tudo isso sem alterar a qualidade do nosso serviço e da nossa comida. Estes permanecerão intactos", garantiu Marcos, que continuará pagando os funcionários durante o período fechado.

Braseiro da Gávea
Picanha com arroz de brócolis, fritas e farofa de ovos: prato vai deixar saudade (Foto: Fernando Frazão)

Para muitos, chamou atenção o período escolhido para as intervenções, às vésperas do carnaval e no auge do verão carioca. No entanto, Marcos lembrou que a casa já fechava durante a folia justamente em função dos blocos que acontecem no Baixo Gávea. 

"É um período em que a operação se torna complicada mesmo. Muitos dos foliões chegavam só para entrar no banheiro e isso causava problemas. Então como já iríamos fechar por alguns dias resolvemos tocar logo a obra", explicou.

Fonte: VEJA RIO