pinga ni mim

Carta de cachaças vira atração nos bares cariocas

Purinhas brancas ou envelhecidas dos diversos cantos do país ganham destaque nestas casas

Por: Rafael Cavalieri

Gracioso
Gracioso: reaberto em 2013 (Foto: Felipe Fittipaldi)
  • Cervejas especiais

    Assis Garrafaria

    Rua Cosme Velho, 174, Cosme Velho

    Tel: (21) 2205 3598

    Sem avaliação

    A placa revela que ali morou Machado de Assis (1839-1908), mas um prédio foi levantado no lugar da casa em que viveu o maior escritor brasileiro. No térreo do edifício funciona o charmoso bistrô, no caminho para a estação de trem do Corcovado, onde se encontra de cafezinho (R$ 5,00 o expresso) a cerca de 300 rótulos de cerveja especial e quarenta cachaças expostas nas prateleiras. Um sommelier de cervejas circula pelo salão, pronto para tirar dúvidas, a partir das 14h. Pode dar maiores explicações a respeito de pedidos como a britânica Fuller’s London Pride (R$ 40,50, 500 mililitros), a long neck de Lost Coast Tangerine Wheat Ale (R$ 34,80), fabricada na Califórnia, e a refrescante witbier nacional Praya (R$ 30,00, 600 mililitros). “Olhos de ressaca”, como os de Capitu, personagem de Machado, é o nome da linguiça fina artesanal flambada na cachaça e acebolada (R$ 32,80), servida com cesta de pães. Também integram o cardápio sanduíches, a exemplo do misto da sinhá (R$ 18,90), de peru com queijo de minas, e pratos mais robustos servidos no almoço e no jantar. Na segunda, na terça e na quinta, em geral a partir das 20h30, o cliente encontra música ao vivo, em gêneros como samba, choro e jazz. Saiba mais na página da casa no Facebook.

    Saiba mais
  • Botecos / Cachaçarias

    Bar da Cachaça

    Avenida Mem de Sá, 110, Centro

    Tel: (21) 2531 7219

    Sem avaliação

    Ponto antigo na efervescente Lapa que atrai público jovem, a casa é patrimônio cultural da cidade: foi tombada no fim de 2012. A especialidade anunciada no nome é levada a sério. Em contagem mais recente, foram listados cerca de 2 000 rótulos. Raridades como a Havana, cuja dose custa incríveis R$ 100,00, convivem lado a lado com as campeãs de venda Jambu (R$ 10,00), Seleta (R$ 6,00) e Boazinha (R$ 7,00). Na ala das batidas produzidas por lá, a de gengibre (R$ 4,00) tem bastante saída, assim como a gabriela, mistura de cravo, canela e melado de cana, a jurupinga, preparada com uva, e a de amendoim (R$ 5,00 cada dose). Os cervejeiros encontram cascos gelados de Original (R$ 10,00; 600 mililitros) para beber com suas branquinhas. Não encare essa farra de barriga vazia. Da cozinha saem petiscos simples, a exemplo do bolinho de aipim com catupiry ou do clássico de bacalhau (R$ 18,00, cada porção com dez unidades).

    Saiba mais
  • Cachaçarias

    Boteco da Praia

    Outros Praia do Flamengo, 122, Flamengo

    Tel: (21) 2225 3500 ou (21) 2122 7450

    Sem avaliação

    A clientela fiel procura o lugar enfeitado com fotos do Rio Antigo em busca dos bons sanduíches, petiscos e também por causa da variedade da carta de cachaças. Atualmente são cerca de setenta rótulos. A mineira Salinas segue firme entre as mais pedidas (R$ 8,00 a dose). Para refrescar, o chope sempre gelado da Brahma chega em tulipas de 300 mililitros por R$ 4,90. Outra opção é a Original, no casco de 600 mililitros (R$ 10,50). No pão de leite, o sanduíche nordestino, recheado de carne de sol, queijo de coalho e abacaxi, é acompanhado de batatas fritas (R$ 21,90). Petisco de sucesso, a chapa de costelinha suína é sugestão acertada para mesas grandes (R$ 29,90). Se a ideia for fazer uma refeição completa, aposte no bobó de camarão (R$ 47,00, para uma pessoa, R$ 86,90, para duas). (72 lugares).

     

    Saiba mais
  • Botecos

    Botequim Seu Pires

    Rua Marquês de São Vicente, 218, Gávea

    Tel: (21) 2294 0977

    Sem avaliação

    Grande parte da clientela vem do outro lado da rua: são estudantes e profissionais do câmpus da PUC. Durante o dia, a pedida é um PF como o de frango grelhado, arroz, feijão, farofa e fritas (R$ 21,00). No fim de semana, com mais tempo para passar, a clientela aventura-se pela feijoada (R$ 50,00), servida em porção para duas pes­soas. Em qualquer momento, mas principalmente quando a noite cai, a estudantada enche o lugar para jogar conversa fora, azarar e beber. Entre as opções de cerveja gelada há Original (R$ 10,00; 600 mililitros), além de long neck das marcas Corona (R$ 10,00), Stella Artois, Budweiser e Skol Ultra (R$ 7,00). Nas prateleiras ainda se encontram cerca de quinze rótulos de cachaça, a doses que variam entre R$ 5,00 e R$ 10,00. A galera belisca sugestões como a batata frita gratinada com queijo e bacon (R$ 21,90) ou os minicroquetes (R$ 28,90, doze unidades). Curiosidade: o nome oficial do recinto, Rainha do Mar, é ignorado pela clientela, que prefere o epíteto surgido para homenagear um antigo garçom.

    Preços checados em outubro de 2015

    Saiba mais
  • Cafés

    Café do Bom Cachaça da Boa

    Rua da Carioca, 10, centro

    Tel: (21) 2509 1018

    Sem avaliação

    As duas especialidades anunciadas na fachada dividem o cardápio do estabelecimento instalado em uma casa de paredes de pedra e pé-direito alto, tombada pelo patrimônio histórico. Às vezes ambas se misturam no mesmo pedido, como é o caso do cappuccino gelado com chantili, servido com pinga ou não (R$ 15,50, 350 mililitros). Na mesma linha, o sambado é um expresso curto com cachaça, aromatizante de Amaretto e chantili (R$ 8,50). Sem álcool no preparo, o ao natural leva iogurte, expresso gelado e hortelã batidos no liquidificador (R$ 7,90). Dois tira-gostos robustos no cardápio são a linguiça em caracol recheada de provolone (R$ 27,00) e o mini-hambúrguer sem pão de picanha Angus, ao molho barbecue (R$ 19,00). Entre os clássicos da casa, prove o tareco, torradinhas de pão de queijo com parmesão fresco por cima, gratinadas no forno (R$ 12,90). Na ala doce, a goiabada cascão cremosa e o cream cheese chegam à mesa juntos, mas em colheres separadas (R$ 8,00).

    Saiba mais
  • Cachaçarias

    Galeto Sat's

    Rua Barata Ribeiro, 7, Copacabana

    Tel: (21) 2275 6197 ou (21) 2543 8841

    Veja Rio
    Sem avaliação

    O salão pequenino, de acesso espremido entre as primeiras mesas e o balcão que protege a churrasqueira, é frequentado por tribos variadas. Trabalhadores procuram o almoço nos dias úteis, famílias tomam conta do mesmo horário no fim de semana, vizinhos fiéis jantam cedo por lá e o pessoal da praia faz escala nos fins de tarde. Mas é noite adentro que o Galeto Sat’s vira uma festa. De madrugada, as turmas se misturam e são todos, menos os chatos, recebidos de forma hospitaleira por Sérgio Rabello. Dono do negócio desde 2008, ele é, de bom grado, responsável pelo bom funcionamento da saideira — Elaine, a mulher, Rafaela e Raoni, os filhos, ajudam no dia a dia. Segundo o horário oficial, a casa fecha às 4 horas, mas, dependendo da conversa, o expediente continua, de portas cerradas, até o dia clarear. Abastecem a boemia tulipas de chope Brahma (R$ 6,50, 350 mililitros) e as sugestões do braseiro. Dois hits locais são a linguiça (R$ 5,00) e o galeto crocante e macio ao molho sat’s, de laranja, limão, ervas, alho e pimenta (R$ 28,00). A opulenta farofa, com pouca farinha e meia dúzia de ovos (R$ 18,00, a meia porção), serve de guarnição ou tira-gosto, devorada de palito. Quando engata conversa, o anfitrião não perde a chance de mostrar seu orgulho: os mais de 300 rótulos de cachaça que enfeitam prateleiras e animam brindes. Ele ensina detalhes sobre preciosidades como a paraibana Cigana, envelhecida em carvalho (R$ 15,00 a dose), ou a gaúcha Weber Haus Reserva, que passa por bálsamo e carvalho francês (R$ 18,00). Com esses atrativos, o lugar foi, quase por unanimidade do júri, consagrado pela segunda vez a melhor saideira da cidade. Mas deve surgir em breve um rival à altura: Serjão, como é conhecido, está levando uma filial do campeão para Botafogo, pilotada ao lado do filho Raoni.

    Preços checados em julho de 2016.

    Saiba mais
  • Bares variados

    Gracioso

    Rua Sacadura Cabral, 97, Saúde

    Tel: (21) 2263 5028

    Sem avaliação

    Com as atenções da cidade voltadas para a região do porto, este ponto antigo, frequentado desde a década de 60, teve a clientela renovada. A afluência de visitantes a destinos próximos, como a Pedra do Sal e o Museu do Amanhã, fez com que o lugar passasse a abrir também aos domingos. Sexta é dia de samba e casa cheia, além de gente na calçada. Um incêndio em 2011 levou à reforma e à reabertura, há três anos, com decoração mais arejada e carta com 140 rótulos de cerveja. Algumas sugestões nos freezers são as garrafas de 600 mililitros de Paulistânia (R$ 15,00) e Heineken (R$ 12,00), além da alemã Erdinger (R$ 28,00, meio litro). Na lista de tira-gostos, têm boa saída o rissole de camarão e o brasileirinho (R$ 6,00 cada pedido), salgado com massa de feijão-carioquinha, carne-seca e queijo de coalho, empanado com farinha de bacon. No almoço e no jantar, são servidos pratos como o filé à gracioso, com tomate, cebola, pimentão e alho frito, acompanhado de batata portuguesa (R$ 89,00, para duas pessoas).

    Saiba mais

Fonte: VEJA RIO