Assis Garrafaria

Café por dez anos, casa muda de perfil no Cosme Velho

Antigo Hartmann Café foi repaginado e conta agora com 200 rótulos de cerveja em ambiente agradável onde morou Machado de Assis

Por: Rafael Cavalieri

Bebida ✪✪✪ | ambiente ✪✪✪✪ | COMIDA ✪✪

Salão do Assis Garrafaria expõe rótulos da casa
Salão do Assis Garrafaria expõe rótulos da casa (Foto: Felipe Fittipaldi)

Por dez anos, moradores da vizinhança, alunos e funcionários dos colégios Sion e São Vicente de Paulo, também por perto, além de turistas a caminho do trem do Corcovado, passaram por lá atrás de um lanche ou das doces delícias da confeiteira Elen Hartmann, dona do Hartmann Café. Há dois meses, o ponto, nas mãos dos mesmos proprietários, mudou de nome e de ramo. Uma estante exibe alguns dos quase 200 rótulos de cerveja e quarenta de cachaça que agora brilham no cardápio — ou melhor, no tablet que orienta as escolhas do freguês. Há mesas na calçada, mas o salão é mais confortável. 

+ Confira a história da Rua Smith de Vasconcelos, também no Cosme Velho

Em visita recente, os trabalhos foram abertos com a Vedett Extra White, excelente witbier belga (R$ 22,80; 330 mililitros). Mais intensa, a francesa Jenlain Ambrée (R$ 24,00; 330 mililitros) traz notas de caramelo e teor alcoólico elevado: 7,5%. No menu de comes há sugestões variadas de petiscos, sanduíches e refeições. A porção o imperador (R$ 21,00; cinco unidades) oferece bolinhos de bacalhau diferentes, com gergelim preto e molho cítrico. Último capítulo (R$ 22,90) é o nome do cheeseburger da casa. A carne foi servida no ponto certo, acompanhada de saboroso molho barbecue e de batatas que poderiam estar mais sequinhas. E os doces, ótimos, continuam por lá. 

Rua Cosme Velho, 174, Cosme Velho, ☎ 2205-3598 (80 lugares). 10h30/0h (sex. e sáb. até 3h; dom. 16h/1h). Cc: todos. Cd: todos. Aberto em 2014.

“Bruxo do Cosme Velho”: assim era chamado o escritor Machado de Assis (1839-1908), que morou em uma casa no mesmo endereço de 1884 até sua morte e inspira o novo nome do estabelecimento

Fonte: VEJA RIO