BARES

No ritmo do bairro

Obras de artistas da vizinhança enfeitam o Armazém Cultural São Joaquim, em Santa Teresa

Por: Rachel Sterman - Atualizado em

BEBIDAS ✪✪ | AMBIENTE ✪✪✪ | COZINHA ✪✪

roteiro-bares-abre.jpg
| Crédito: Redação Veja rio

Zéu Britto, autor de hits sarcásticos como Soraya Queimada, anda cercado de personagens divinais. Ao lado do sócio Roberto Mato Grosso, o ator e cantor baiano abriu há três semanas o Armazém Cultural São Joaquim, em Santa Teresa. No ponto mais movimentado do bairro, o Largo do Guimarães, o novo negócio acrescentou o ?Cultural? ao nome de seu tradicional antecessor ? ali funcionou, até 2003, o Armazém São Joaquim. A pequena alteração entrega a intenção da dupla: servir arte, além de comes e bebes.

No lugar de prateleiras, as paredes de pedra exibem obras de artistas das redondezas. O agradável salão de pé-direito alto ganhou um piano, disponível para quem quiser arriscar umas notas. No resto do tempo, a trilha sonora vai de música brasileira a clássicos do rock, em volume que não atrapalha a conversa. Ao chegar, procure as mesas ao ar livre na gostosa varanda, boa opção para uma cerveja no fim da tarde. No domingo, a roda de samba toma conta do salão a partir das 16 horas.

Para beber, estão sempre gelados os cascos de 600 mililitros de Antarctica Original, Bohemia, Heineken (R$ 9,00 cada uma), Skol, Brahma e Antarctica (R$ 7,00). Embora trivial, a seleção de petiscos acerta na porção de pastéis (R$ 16,00, oito unidades, de queijo ou carne) e no indefectível filé aperitivo (R$ 33,00). Para fomes maiores, há o hambúrguer da casa (R$ 18,00), mas no dia da visita a carne estava ressecada e o recheio, insosso.

Armazém Cultural São Joaquim. Rua Almirante Alexandrino, 470, Santa Teresa, ☎ 2507-6055 (70 lugares). 16h/2h (sex. e sáb. até 4h; fecha seg. e ter.). Cd: R e V. Cc: M e V. Aberto em 2012.

Fonte: VEJA RIO