DIVERSÃO

A programação gratuita do feriadão

Selecionamos 47 atrações gratuitas para você curtir o feriado de Corpus Christi sem gastar nem um tostão

05/06/2012 22:17

 

Veja também a previsão do tempo completa do feriado

 

TEATRO

O FANTÁSTICO CIRCO TEATRO DE UM HOMEM SÓ, de Heinz Limaverde e Patricia Fagundes. Produção da Companhia Rústica, de Porto Alegre, o monólogo cômico está na agenda do projeto de ocupação Dulcina Abraça o Sul. Em cena, Limaverde — cearense do Crato radicado na capital gaúcha há mais de duas décadas — interpreta vários personagens circenses, a exemplo da mulher barbada, do mágico, da vedete e do palhaço, além de apresentar situações de sua experiência pessoal como ator. A montagem venceu as categorias melhor direção e melhor figurino no Prêmio Açorianos 2011. Direção de Patricia Fagundes (65min). 14 anos. Teatro Dul­cina (429 lugares). Rua Alcindo Guana­bara, 17, Centro, ☎ 2240-4879. ↕ Cinelândia. → Sexta a domingo, 19h. R$ 20,00. Bilheteria: a partir das 14h (sex. a dom.). Grátis às sextas. Até dia 17. Estreia prometida para sexta (8).

 

TEATRO DOS OUVIDOS, de Valère Novarina. Interpretado pela atriz e tradutora Angela Leite Lopes, da companhia Teatro do Pequeno Gesto, o monólogo dramático é apresentado em um cenário-instalação criado pela artista plástica Bel Barcellos. No ambiente, que lembra um labirinto de finas paredes, Angela questiona os limites entre palco e plateia e entre as artes cênicas e plásticas. Direção de Antonio Guedes (35min). 14 anos. Estreou em 12/8/2011. Centro Cultural Parque das Ruínas (40 lugares). Rua Murtinho Nobre, 169, Santa Teresa, ☎ 2252-1039. Sábado e domingo, 16h. Grátis. Bilheteria: a partir das 15h (sáb. e dom.). Distribuição de senhas uma hora antes. Até dia 17.

  

SHOWS

FESTIVAL DE JAZZ DE RIO DAS OSTRAS. Leia em Veja Rio Recomenda. Livre. Praça São Pedro, apresentações às 11h30; Lagoa de Iriry, apresentações às 14h15; Praia da Tartaruga, apresentações às 17h15; Praia de Costazul, apresentações às 20h. Quarta (6): Costazul — Orquestra Kuarup, Big Band 190, Hélio Delmiro e Celso Blues Boy. Quinta (7): Praça São Pedro — Gabriel Leite; Lagoa de Iriry — Celso Blues Boy; Praia da Tartaruga — Mike Stern e Romero Lubambo; Costazul — Plataforma C, Maurício Einhorn, Kenny Barron e Michael Hill. Sexta (8): Praça São Pedro — Big Bat Blues Band; Lagoa de Iriry — Roy Rogers; Praia da Tartaruga — David Sanbron; Costazul — Armand Sabbal-Leco, Duke Robillard, Mike Stern, Romero Lubambo e Big Time Orchestra. Sábado (9): Praça São Pedro — Artur Menezes; Lagoa de Iriry — Michael Hill; Praia da Tartaruga — Armand Saball-Leco; Costazul — Cama de Gato, Billy Cobham, David Sanborn, Roy Rogers. Domingo (10): Praça São Pedro — Fabiano Costa; Lagoa de Iriry — Duke Robillard; Praia da Tartaruga — Billy Cobham. Grátis. www.riodasostrasjazzeblues.com.


JUCA CHAVES. Dono de estilo irreverente, o músico comemora 55 anos de carreira no espetáculo Finalmente em Pé... Quase!. No repertório, ele relembra modinhas como Por quem Sonha Ana Maria? e Take Me Back to Piauí. 14 anos. Sala Baden Powell (500 lugares). Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 360, Copacabana, ☎ 2548-0421. Sexta (8) e sábado (9), 20h. Grátis. Retirada de ingressos uma hora antes.

 

SÃO JOÃO CARIOCA. Na terceira edição, e cada vez maior, a festa junina reúne atrações musicais, barraquinhas de brincadeiras e comidas típicas. Na programação gratuita, em homenagem ao centenário do rei do Baião Luiz Gonzaga, estão previstos shows de Elba Ramalho, Ivete Sangalo, Zeca Pagodinho, Preta Gil, Monobloco e Jorge Ben Jor, entre outros. Livre. Quinta da Boa Vista. Avenida Pedro II, s/nº, São Cristóvão. Sábado (9): palco principal, a partir das 13h — Céu Na terra, Animania, Trio Candieiro, Cordestinos, Zeca Pagodinho e os convidados Elba Ramalho e Jorge Ben Jor; palco Dom Pedro — Histórias com a Palhaça Shoyu, quadrilha e concurso de dança típica. Domingo (10): palco principal — Céu na Terra, Animania, Cara Forró, Forrozão, Ivete Sangalo e os convidados Preta Gil e Monobloco. Grátis.

  

CONCERTOS

BANDA FILARMÔNICA DO RIO DE JANEIRO. Sob a regência de Antônio Henrique Seixas, o conjunto recebe o trombonista Jacques Mauger. No roteiro, Vaughan Williams e Brahms, entre outros compositores. Igreja de Nossa Senhora da Candelária (1 500 lugares). Praça Pio X, s/nº, Centro, ☎ 3211-7000. Domingo (10), 16h. Grátis.

 

EDNALDO BORBA. Em recital de piano solo, o músico interpreta apenas composições de Debussy. Entre as obras estão seus dois arabescos, o Nº 1 em Mi Maior — Andantino con Moto e o Nº 2 em Sol Maior — Allegretto Scherzando. Primeira Igreja Batista do Rio de Janeiro (300 lugares). Rua Frei Caneca, 525, Estácio, ☎ 2197-0900, ↕ Estácio. Quinta (7), 19h30. Grátis.

  

 

CRIANÇAS

 

TEATRO DE ANIMAÇÃO — OS BONECOS PEDEM PASSAGEM. O grupo Bonecos em Ação é responsável pelo projeto de ocupação do Teatro Duse, em Santa Teresa, até agosto, com atividades dedicadas a todas as faixas etárias. Para as crianças, no sábado (9) e no domingo (10), às 11h, tem sessão do espetáculo Contos do Brasil, com a Cia. Bonecos de Madeira de Niterói. Teatro Duse (100 lugares). Rua Hermenegildo de Barros, 161, Santa Teresa, ☎ 3233-1306. Sábado (9) e domingo (10), 11h. Grátis.

  

ESPECIAL

WALLPEOPLE. Trata-se de um evento incomum: um muro da Tijuca vai se transformar em galeria de arte ao ar livre. Para participarem, os artistas interessados devem apenas criar obras que possam ser afixadas com fita adesiva e não excedam 1 metro de altura por 1 metro de largura. Serão aceitos todos os tipos de técnica. Além do Rio, outras 31 cidades do mundo entram na brincadeira — Buenos Aires, Nova York, Berlim, Roma e Istambul estão na lista. Mais informações em www.wallpeople.org. Avenida Heitor Beltrão (em frente à estação de metrô São Francisco Xavier). Sábado (9), 15h30 às 17h30. Grátis.

  

EXPOSIÇÃO

ESTREIAS

CHICO FORTUNATO. O artista carioca exibe onze trabalhos em acrílica sobre madeira. São obras abstratas e, em sua maioria, de cores vívidas que evocam a arte construtivista, com linhas angulosas e formas geométricas. R$ 7 000,00 a R$ 30 000,00. Gustavo Rebello Arte. Avenida Atlântica, 1702, loja 8, Copacabana, ☎ 2548-6163. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 14h às 18h. Grátis. Até dia 30. A partir de quarta (6). www.gustavorebelloarte.com.br.

 

RODRIGO TORRES. Questões ligadas à memória coletiva permeiam a exposição Sensor, na qual o artista apresenta nove pinturas sobre suportes variados, como tela, fotografia e papel, e uma instalação. Nesta última, batizada com o nome da mostra, Torres se vale de uma foto fragmentada. R$ 2 000,00 a R$ 20 000,00. A Gentil Carioca. Rua Gonçalves Ledo, 17, Centro, ☎ 2222-1651. Terça a sexta, 12h às 19h; sábado, 12h às 17h. Grátis. Até 14 de julho. A partir de terça (5). www.agentilcarioca.com.br.

 

ÚLTIMA SEMANA
DANIEL MATTAR. A terceira viagem do fotógrafo ao Japão, em março de 2011, inspira a mostra Simulacro. Conhecido por seu trabalho no ramo da moda, aqui ele exibe quinze fotografias que mostram bonecas, personagens de mangás, robôs e embalagens de produtos. Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto. Rua Humaitá, 163, Botafogo, ☎ 2266-0896. Quarta a domingo, 14h às 22h. Grátis. Até domingo (10).

 

✪✪✪ EDUARDO SUED. Vinte e duas ilustrações do artista são reunidas na exposição Desenhos. A maioria dos trabalhos é da década de 60, com influências do cubismo. As demais criações são todas dos anos 2000 e exibem formas abstratas — por vezes recorrem a colagens que dão mais densidade às obras. R$ 8 000,00 a R$ 10 000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até sábado (9). www.mercedesviegas.com.br.


✪✪✪ INSTÂNCIAS DO DESENHO. Apesar do que o nome sugere, a exposição apresenta 29 obras nas mais diversas técnicas, como fotografias, vídeos, aquarelas e pinturas. Todos os trabalhos são de artistas do coletivo gaúcho Atelier Subterrânea. O grupo é formado por Adauany Zimovski, Gabriel Netto, Guilherme Dable, James Zortéa, Lilian Maus e Túlio Pinto. Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico, ☎ 3257-1800. Segunda a quinta, 9h às 22h; sexta a domingo e feriados, 9h às 17h. Grátis. Até domingo (10). www.eavparquelage.rj.gov.br.

 

✪✪✪ JAQUELINE VOJTA. Ba­tizada como Pinturas, a mostra reúne seis obras em grandes formatos. Filha do dono de uma extinta fábrica de tecidos, a artista carioca recorre à memória familiar na concepção de sua técnica: pedaços de pano que sobraram da antiga tecelagem são encharcados de tinta acrílica, postos para secar e costurados com arame sobre uma tela. O resultado é interessante: apesar de suas grandes dimensões, o que geralmente faz com que o visitante tome distância para contemplá-las, as obras instigam o público a observá-las detalhadamente. R$ 12 000,00 a R$ 20 000,00. Mercedes Viegas Arte Contemporânea. Rua João Borges, 86, Gávea, ☎ 2294-4305. Segunda a sexta, 12h às 20h; sábado, 16h às 20h. Grátis. Até sábado (9). www.mercedesviegas.com.br.

 

PAULO LAPORT. Depois de dez anos, o artista carioca volta a expor em sua cidade natal. Na mostra batizada com seu nome, ele exibe oito óleos inéditos, todos pintados em variações de cinza. Galeria Marcia Barrozo do Amaral. Avenida Atlântica, 4240 (Shopping Cassino Atlântico), subsolo, sala 129, Copacabana, ☎ 2267-3747. Segunda a sábado, 11h às 18h. Grátis. Até sábado (9). marciabarrozodoamaral.com.br

 

ROBINSON OLIVEIRA. A partir de imagens publicadas em livros, jornais e revistas, o artista fez dez pinturas de 2009 a 2011. Esses trabalhos são reunidos em Barroco Urbano. Entre o kitsch da pop art e a riqueza do barroco, Oliveira introduz em suas telas figuras como Arthur Bispo do Rosário, Frida Kahlo e Madonna. R$ 5 000,00 a R$ 13 000,00. Galeria Anna Maria Niemeyer (filial Baixo Gávea). Praça Santos Dumont, 140-A, Gávea, ☎ 2540-8155. Terça a sexta, 12h às 21h; sábado e domingo, 14h às 18h. Grátis. Até domingo (10). www.annamarianiemeyer.com.br.

 

EM CARTAZ

✪✪✪ ADIR BOTELHO. Nos anos 50, o carioca foi assistente de Oswaldo Goeldi (1895-1961), um dos mais importantes gravadores brasileiros. Agora, com curadoria da sobrinha do mestre, Lani Goeldi, Botelho apresenta 59 belas xilogravuras, além de uma matriz. Feitas entre o fim dos anos 50 e a década de 90, as obras exibem figuras humanas, anjos e paisagens da cidade — como na notável série dedicada ao bairro do Catumbi, em que as finas linhas brancas que formam os desenhos convidam a uma apreciação de perto. Há também imagens melancólicas e outras perturbadoras, a exemplo de Nos Campos do Agreste (1994), que mostra o que parece uma tropa de policiais atirando contra uma multidão desarmada. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até dia 24. www.correios.com.br.

 

AMAZÔNIA, CICLOS DE MODERNIDADE. Criação de artesãos de Parintins, uma grande árvore com animais da floresta, além de pés de açaí e guaraná, dá as boas-vindas aos visitantes na rotunda. A instalação é uma das atrações da mostra, que tem curadoria de Paulo Herkenhoff e reúne cerca de 300 peças, entre obras de arte e objetos variados. Técnicas e suportes usados são os mais diversos: há fotografias, pinturas, aquarelas, desenhos, esculturas e vídeos. Entre os 76 artistas reunidos há nomes de nacionalidade e época distintas. Têm destaque os estrangeiros, a exemplo de Joseph Léon Righini (c.1820-1884). Do pintor italiano foram escolhidos os óleos Vistas do Brasil, Residência às Margens do Rio Anil, de 1862, e Belém do Pará, de 1868. O polonês Frans Krajcberg mostra uma escultura sem título. Apaixonado pela cultura brasileira, o francês Pierre Verger (1902-1996) é o autor de nove fotografias de Belém. A capital paraense também é retratada na tela Avenida São Jerônimo, de Antônio Parreiras (1860-1937). Representantes da arte contemporânea nacional, como Adriana Varejão e Cildo Meireles, estão presentes. Completam o acervo objetos de uso cotidiano de tribos indígenas. São colares, instrumentos musicais, máscaras, cocares e cuias cedidos pelo Museu Paraense Emílio Goeldi e pelo Museu do Índio. A Biblioteca Nacional contribuiu com manuscritos, documentos e acervo iconográfico relacionados ao tema. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 22 de julho.

 

✪✪✪ ANA VITÓRIA MUSSI. Na exposição Bang, que tem curadoria da Marisa Flórido, Ana Vitória projeta simultaneamente, nas paredes do espaço, imagens de filmes de guerra intercaladas com registros da violência urbana nas favelas cariocas. Entre os longas cujos frames são exibidos estão Pearl Harbor (2001), de Michael Bay, e Olympia (1938), de Leni Riefenstahl. Os flagrantes foram obtidos por fotografias de imagens exibidas na televisão. Entrecortadas, elas vão se sucedendo e provocam no visitante a sensação de estar em meio a um tiroteio. A exibição é embalada pela música Bang Bang (My Baby Shot me Down), na voz da americana Nancy Sinatra. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ↕ Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br.

 

✪✪✪✪ BILL LUNDBERG. Leia em Veja Rio Recomenda. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ↕ Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br.

 

Alexandre Macieira/Riotur

 


✪✪✪ CAO GUIMARÃES. Conhecido por cruzar cinema e artes plásticas em seu trabalho, o artista expõe fotografias e vídeos em Estética da Gambiarra. Quinze imagens pertencem à curiosa série Gambiarra, com flagrantes de situações improvisadas — a exemplo de um tijolo que funciona como porta-vassouras ou da churrasqueira composta de cadeira e carrinho de mão. Outras quatro fotografias mostram paisagens enevoadas. Há ainda três vídeos curtos, um deles com música do próprio Cao Guimarães, ao piano. A curadoria é de Felipe Scovino. Escola de Artes Visuais do Parque Lage — Cavalariças. Rua Jardim Botânico, 414, Jardim Botânico, ☎ 3257-1800. Segunda a quinta, 12h às 20h; sexta a domingo e feriados, 10h às 17h. Grátis. Até 1º de julho. www.eavparquelage.rj.gov.br

 

✪✪✪ CHRISTIAN BOLTANSKI. Concebida como o maquinário de uma gráfica, A Roda da Fortuna (apresentada na Bienal de Veneza no ano passado) exibe uma sequência de fotografias de recém-nascidos que deslizam por roldanas, sobre a cabeça dos espectadores. Essa curiosa linha de montagem de bebês é a principal atração de Chance, primeira exposição de Boltanski no país. Imponente, ela captura de imediato a atenção do visitante e promove uma reflexão sobre o papel do acaso na existência humana — mesmo tema das outras três criações reunidas. Em Ser de Novo, um telão dividido por faixas horizontais funciona como um caça-níqueis. Nele, partes de rostos de pessoas (bebês e adultos) vão rodando e se combinando, acionadas por um botão. Nas salas laterais, Últimas Notícias dos Humanos informa, por meio de painéis digitais, o saldo de óbitos e nascimentos do dia. Por fim, Entre Tempo é uma projeção em preto e branco que mostra os efeitos da passagem das décadas na face do próprio Boltanski. Casa França-Brasil. Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, ☎ 2332-5120. → Terça a domingo, 10h às 20h. Grátis. Até 8 de julho. www.fcfb.rj.gov.br.

 

CHRISTINA OITICICA. Casada com o escritor Paulo Coelho, a artista plástica apresenta 32 obras em Corações e Bocas. Vinte e duas são inéditas: dezessete telas em técnica mista e cinco gravuras. Nas dez restantes, Christina se valeu do curioso processo pelo qual ficou conhecida. Ela enterra os trabalhos por algum tempo e depois os resgata, já modificados pela ação do tempo. R$ 3 500,00 a R$ 24 000,00. Realidade Galeria de Arte. Avenida Ataulfo de Paiva, 135, sala 226, Leblon, ☎ 2259-6546. Segunda a sexta, 15h às 20h. Grátis. Até dia 15.

 

✪✪✪ DO ART NOUVEAU AO ART DÉCO. Mulher do marchand Isaac Krasilchik, sócio da galeria de arte paulistana A Ponte, Bertha Krasilchik apresenta 238 peças de sua coleção, acumulada desde os anos 50. A maior parte do acervo é composta de joias — são mais de 100. Além disso, há uma série de objetos, como cigarreiras e estojos de maquiagem, todos confeccionados com materiais preciosos. O que poderia ser uma mostra de interesse apenas de um público específico se revela grata surpresa. Os objetos expostos oferecem uma aula sobre os dois estilos. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 30 de setembro.

 

EDUARDO CLIMACHAUSKA. Apenas duas peças escultóricas compõem a exposição Felicidade de Arranha-Céu. Uma delas, Ho-ba-la-lá, é formada por duas pedras de mármore branco unidas entre si e presas à parede por finos cabos de aço. A segunda, que tem o mesmo nome da mostra, é um arranjo com chapas de zinco, cal e vidro fumê. R$ 30 000,00 e R$ 40 000,00. Galeria Laura Marsiaj. Rua Teixeira de Melo, 31-C, Ipanema, ☎ 2513-2074. Terça a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até dia 23. www.lauramarsiaj.com.br.

 

EDUARDO VENTURA. A questão do tempo na vida cotidiana é o tema da mostra Realidade Re-velada — A Linha do Tempo. É a primeira individual montada na galeria inaugurada em abril. Doze pinturas e seis desenhos são exibidos. Completa o acervo exposto uma pintura feita pelo artista sobre uma parede grafitada por seu filho, Daniel Ventura. R$ 1 800,00 a R$ 26 000,00. Sérgio Gonçalves Galeria. Rua do Rosário, 38, Centro, ☎ 2263-7353 e 2253-0923. Terça a sábado, 11h às 19h. Grátis. Até 7 de julho.

 

✪✪✪✪ ELISEU VISCONTI. Nascido na Itália, Visconti (1866-1944) exerceu com talento a transição entre a escola acadêmica e o modernismo no Brasil, como revela Eliseu Visconti — A Modernidade Antecipada. No acervo reunido, de 250 peças, entre óleos, desenhos, cerâmicas, fotos e objetos pessoais, também é ressaltado seu pioneirismo no design, na qualidade de criador de cartazes de propaganda e selos. Outra parte da coleção traz ainda estudos feitos para o Theatro Municipal. No histórico prédio da Cinelândia, são dele as pinturas que enfeitam o arco do proscênio, o teto da plateia e do foyer e o pano de boca do palco. Destaque também para a tela Sonho Místico (1897), que não era exibida no Brasil fazia mais de um século. Museu Nacional de Belas Artes. Avenida Rio Branco, 199, Centro, ☎ 2219-8474, ↕ Cinelândia. Terça a sexta, 10h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 17h. Grátis. Até dia 24. www.mnba.gov.br.

 

ELIZABETH JOBIM. Dez obras, todas realizadas em 2012, compõem a mostra Mineral, da artista carioca. Sobrepondo óleos em diferentes profundidades, ela cria trabalhos que parecem, ao mesmo tempo, telas e objetos geométricos. R$ 20 000,00 a R$ 65 000,00. Lurixs Arte Contemporânea. Rua Paulo Barreto, 77, Botafogo, ☎ 2541-4935. Segunda a sexta, 14h às 19h. Grátis. Até dia 29. www.lurixs.com.

 

FERNANDA QUINDERÉ. Em sua terceira individual, batizada apenas com seu nome, a artista apresenta sete criações de arte digital, feitas com computador. Nas telas, imagens se sobrepõem a pequenos quadrados coloridos que parecem pixels de um monitor. R$ 7 000,00 a R$ 10 000,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, ☎ 2274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até dia 30. www.anitaschwartz.com.br.

 

✪✪✪✪ HÉRCULES BARSOTTI. Nome relevante do concretismo brasileiro, o artista paulistano, mesmo mantendo-se independente de seus pares, incorporou a ideia-base do movimento: qualquer elemento pictórico, linha, ponto, plano ou cor, é significativo em si mesmo, não representa nada senão ele próprio. Curiosamente, esse rígido conceito teórico é traduzido de forma esfuziante nas serigrafias de Barsotti (1914-2010), doze coloridas e dezoito em preto e branco, exibidas na mostra Além do Olhar. Sem data nem título, as belas obras carregam a preocupação geométrica característica da arte concreta. Além disso, dizem muito sobre a trajetória de seu autor, já que a maioria foi desenvolvida a partir de pinturas assinadas por ele ao longo da carreira: as produzidas em preto e branco, entre os anos 50 e 70, e as coloridas, nas décadas de 80 e 90. Caixa Cultural — Galeria 1. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ↕ Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até dia 17. www.caixacultural.com.br.

 

JONAS AISENGART. Crazy Bunny e Outras Lendas é o nome da primeira individual do artista. Em catorze pinturas, algumas de grandes dimensões, ele flerta com o universo lúdico e colorido das crianças, aliado a toques de perversidade e erotismo. R$ 1 000,00 a R$ 12 000,00. Portas Vilaseca Galeria. Avenida Ataulfo de Paiva, 1079, loja 109, subsolo, Leblon, ☎ 2274-5964. Segunda a sexta, 11h às 19h; sábado, 11h às 14h. Grátis. Até dia 30. www.portasvilaseca.com.br.

 

MILTON DACOSTA. Um dos fundadores do Núcleo Bernardelli, grupo de pintores modernistas — Edson Motta (1910-1981), Bustamante Sá (1907-1988) e Ado Malagoli (1906-1994), entre outros — reunidos no início dos anos 30, Dacosta (1915-1988) tem 45 pinturas expostas em A Construção da Forma. Curadoria de Denise Mattar. Caixa Cultural — Galeria 2. Avenida Almirante Barroso, 25, Centro, ☎ 2544-4080, ↕ Carioca. → Terça a domingo, 10h às 21h. Grátis. Até 1º de julho. www.caixacultural.com.br.

 

✪✪✪ MOSTRA CARIOCA. Realizadas em diferentes técnicas e suportes, a exemplo de pintura, desenho, escultura, instalação, fotografia e xilogravura, 44 obras do acervo do MAM estão na exposição. Não há exatamente uma unidade temática entre os trabalhos, exceto pelo fato de que todos os artistas representados vivem ou viveram no Rio: Abraham Palatnik, Adriana Varejão, Alair Gomes, Antonio Manuel, Brigida Baltar, Cabelo, Djanira, Hélio Oiticica, Ione Saldanha, Ivan Serpa, Lygia Clark, Marcos Chaves, Oswaldo Goeldi, Paula Trope, Raul Mourão e Raymundo Colares. Na coleção sobressaem criações como dois parangolés de Oiticica (que também comparece com uma série de obras em guache sobre cartão) e três objetos cinéticos de Palatnik. Curadoria de Luiz Camillo Osorio. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até dia 24. www.mamrio.com.br.

✪✪✪ NOVAS AQUISIÇÕES — 2010-2012 — COLEÇÃO GILBERTO CHATEAUBRIAND. Aos cuidados dos curadores Luiz Camillo Osorio e Marta Mestre, a seleção dos trabalhos levou a setenta criações de 46 artistas brasileiros que, reunidas, oferecem pistas valiosas sobre a cena contemporânea do país. No rol, misturam-se nomes de talento reconhecido, como Laercio Redondo e Leda Catunda, e em ascensão, a exemplo de Otavio Schipper, Gustavo Speridião e Daniel Lannes. Produzidas entre 1985 e 2011, as peças englobam uma grande variedade de técnicas, entre elas fotografia, serigrafia, pintura, desenho, escultura e colagem. A seleção de obras dialoga com Genealogias do Contemporâneo, exposição de longa duração também em cartaz no MAM, que reúne peças mais antigas de artistas consagrados da coleção de Chateaubriand — trabalhos de Lasar Segall, Tunga e Hélio Oiticica, por exemplo, foram remanejados para se misturar às novas aquisições, enquanto algumas destas foram deslocadas para Genealogias. Museu de Arte Moderna. Avenida Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Centro, ☎ 2240-4944. → Terça a sexta, 12h às 18h; sábado, domingo e feriados, 12h às 19h. Grátis. Estac. (R$ 3,00 por uma hora). Até dia 24. www.mamrio.com.br.

 

PANOS E TAPAS, JOIAS E ADORNOS D’ÁFRICA. Peças vindas do Museu Afro Brasil, em São Paulo, compõem o acervo exibido. Emanoel Araújo, diretor daquela instituição, é o curador da mostra, que reúne aproximadamente 250 objetos, entre tecidos e enfeites, feitos por povos da África. Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. Rua Luís de Camões, 68, Centro, ☎ 2232-4213 e 2242-1012. Terça a sexta, 11h às 18h; sábado, domingo e feriados, 11h às 17h. Grátis. Até 29 de julho.

 
✪✪ RABIN AJAW — A FILHA DO REI. O rito de sagração de uma jovem como Filha do Rei (ou Rabin Ajaw), um dos mais importantes da cultura indígena da Guatemala, dá nome à exposição. Na cerimônia, uma mulher é escolhida para representar a união dos povos maias. Com curadoria do artista plástico Luiz Dolino, a mostra propõe uma viagem pela cultura das populações de origem maia daquele país. O acervo reunido, composto basicamente de peças de vestuário e tecidos, decepciona um tanto quem chega em busca de um painel mais amplo. São pouco mais de sessenta itens do gênero, além de uma seleção de fototografias de mulheres guatemaltecas e de objetos utilitários. Em uma videoinstalação é possível entrar em contato com aspectos da vida daquele povo, como seus rituais e culinária. Centro Cultural Banco do Brasil. Rua Primeiro de Março, 66, Centro, ☎ 3808-2020. Terça a domingo, 9h às 21h. Grátis. Até 22 de julho.


RAFAEL ZAVAGLI. Pinturas como It’s a Dog House, que mostra um cachorro e um canil num gramado verde, estão na mostra Breves Terrenos para uma Pintura, do artista mineiro. Outros quatro óleos completam o pequeno acervo. R$ 6 000,00 a R$ 30 000,00. Galeria Laura Marsiaj. Rua Teixeira de Melo, 31-C, Ipanema, ☎ 2513-2074. Terça a sexta, 10h às 19h; sábado, 11h às 16h. Grátis. Até dia 23. www.lauramarsiaj.com.br.

 

✪✪✪ REGINA VATER. Conhecida pelos trabalhos que fundem arte e tecnologia, a carioca, mulher do americano Bill Lundberg, autor de uma mostra no mesmo endereço, volta ao Brasil depois de vinte anos morando nos Estados Unidos. Em Quatro Ecologias, apresenta obras em web arte, videoarte, fotografia e escultura. Em uma delas, a web instalação Desejo, uma câmera filma uma maçã que vai apodrecendo até o fim da temporada. As imagens são transmitidas para um blog, para o qual os visitantes podem enviar poemas, que, por sua vez, serão exibidos em uma tela na mostra. Merece especial atenção a poética videoinstalação Conselhos para uma Lagarta (1976), composta de duas projeções de filmes em telas contrapostas — em uma, a artista aparece em vários autorretratos; na outra, há frases extraídas do livro Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll. Oi Futuro Flamengo. Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, ☎ 3131-3060, ↕ Largo do Machado. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Até 15 de julho. www.oifuturo.org.br.

 

RICARDO BECKER. Intitulada Projeto Cisco (✪✪✪), a mostra do artista carioca, em cartaz na Galeria Laura Alvim, se baseia no ar e propõe torná-lo visível em suas obras. Esculturas e um vídeo inéditos compõem o acervo. Árvore Cisco, um dos trabalhos, é um bonsai que dá a impressão de estar sob ventania. Em uma das salas, o próprio visitante é submetido a uma rajada ininterrupta de vento, provocada pelos ventiladores instalados em um penetrável. A curadoria é de Fernando Cocchiarale. O artista também expõe no Ateliê Aberto Carlos Vergara, espaço anexo ao estande de vendas de um empreendimento imobiliário na Barra. Lá, apresenta 25 obras feitas ao longo de sua carreira, entre instalações, pinturas, desenhos e fotografias. Ateliê Aberto Carlos Vergara. Avenida Ayrton Senna, 2600 (Link Office Mall & Stay), Barra, ☎ 3514-2393. 10h às 20h. Grátis. Até dia 30. Galeria Laura Alvim. Avenida Vieira Souto, 176, Ipanema, ☎ 2332-2017. Terça a domingo, 13h às 21h. Grátis. Até dia 17.

 

✪✪✪✪ TUTTO FEL­LI­NI. O diretor italiano Federico Fellini (1920-1993) é o objeto desta grande exposição, que conta com curadoria do francês Sam Stourdzé. Quatrocentos itens, incluindo cartazes de longas e fotografias, estão expostos. Do trabalho para a realização de um dos seus muitos clássicos, A Doce Vida (1960), há retratos do cineasta tirando um cochilo e ensaiando na praia, ao lado do ator Marcello Mastroianni (1924-1996). O visitante também pode ver caricaturas feitas pelo homenageado para jornais satíricos no fim dos anos 30. Uma das partes mais interessantes, porém, é dedicada ao Livro dos Sonhos, dois enormes cadernos nos quais Fellini desenhou vários de seus sonhos ao longo de trinta anos. Instituto Moreira Salles. Rua Marquês de São Vicente, 476, Gávea, ☎ 3284-7400. → Terça a domingo, 11h às 20h. Grátis. Estac. grátis. Visitas guiadas de terça a sexta, às 17h. Até dia 24. www.ims.com.br.

 

WAGNER MORALES. Em Dual Overdrive, o artista paulistano busca evocar o clima das rodovias em três obras que se interligam. A primeira é uma instalação formada por dois grandes outdoors iluminados, de 9 metros por 6 metros. Há também duas séries de fotografias: uma com flagrantes de lugares e objetos nas margens de estradas, e outra, chamada Estudo de Balística, que exibe cuspes no chão — isso mesmo —, exposta no piso. Como parte da ambientação, é possível ouvir, por uma caixa acústica, o zumbido do motor do ar-condicionado da galeria, devidamente distorcido por meio de um sintetizador. Em outra sala, há uma terceira série, Joker, de temática diferente da dos trabalhos anteriores, com interferências sobre cartazes das últimas eleições presidenciais na França. A partir de R$ 1 500,00. Anita Schwartz Galeria de Arte. Rua José Roberto Macedo Soares, 30, Gávea, 274-3873. Segunda a sexta, 10h às 20h; sábado, 12h às 18h. Grátis. Até dia 30. www.anitaschwartz.com.br.

 

WALTERCIO CALDAS. Criado em 1974, A Origem do Futuro, o primeiro múltiplo do artista, é composto de uma embalagem de papel com um disco de vinil sobre o qual repousam duas miniaturas de canhões. Esta e outras 29 peças, todas desenvolvidas para reprodução em série, compõem o acervo de Múltiplos. São catorze objetos e dezesseis gravuras, dos quais oito são trabalhos inéditos. Embora não seja exatamente uma retrospectiva, a mostra abrange várias épocas. Entre as peças mais recentes está uma espécie de escultura sem título, de 2005, feita de aço inoxidável e fio de algodão, que lembra o desenho de uma garrafa. Outra atração, Estudos sobre a Vontade traz uma série de fotografias de 1978 que o artista transformou em um múltiplo em 2000. R$ 1 200,00 a R$ 40 000,00. Mul.ti.plo Espaço Arte. Rua Dias Ferreira, 417, sala 206, Leblon, ☎ 2259-1952. Segunda a sexta, 10h às 18h30; sábado, 10h às 14h. Grátis. Até 21 de julho. www.multiploespacoarte.com.br.

  

FOTOGRAFIA

MAURO FAINGUELERNT. O Morro Dois Irmãos e a Baía da Guanabara são alguns dos cenários cariocas exibidos pelo fotógrafo. As quinze imagens que compõem o acervo são impressas em placas de ferro, cujo processo de oxidação sugere um novo olhar sobre paisagens tão conhecidas. Casa do Saber. Avenida Epitácio Pessoa, 1164, Lagoa, ☎ 2227-2237. Segunda a sexta, 11h às 20h. Grátis. Até 10 de agosto. www.casadosaber.com.br.

  

✪✪✪ OCEANOS. Trinta e cinco fotos inéditas, captadas pela equipe de realização do documentário francês Océans (2009), de Jacques Perrin e Jacques Cluzaud, integram a mostra. Nos registros, baleias da espécie jubarte e elefantes-marinhos, entre outros animais, convivem com bichos exóticos, como um peixe shrek, que tem o crânio inchado, e uma espécie de ancestral da iguana. As imagens foram feitas com três câmeras especialmente desenvolvidas pela equipe. Centro Cultural Correios. Rua Visconde de Itaboraí, 20, Centro, ☎ 2253-1580. → Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até 1º de julho. www.correios.com.br.

 

✪✪✪✪ ROBERT DOISNEAU. O mais famoso trabalho do fotógrafo francês, O Beijo do Hotel de Ville, de 1950, está entre as 152 imagens reunidas na mostra Simplesmente Doisneau. Nascido nos arredores de Paris, Robert Doisneau (1912-1994) acompanhou o crescimento da capital francesa e o impacto, na cidade, dos grandes acontecimentos do século XX. A exposição montada para celebrar seu centenário é um desfile de retratos de gente expressiva — crianças, casais, famílias, mendigos, soldados, artistas, comerciantes — que ajuda a contar essa história. Reserve tempo para assistir ao documentário Robert Doisneau: Tout Simplement (2000), de Patrick Jeudy, no qual o mestre conta histórias divertidas e faz revelações sobre seu estilo. Centro Cultural Justiça Federal. Avenida Rio Branco, 241, Centro, ☎ 3261-2550, ↕ Cinelândia. Terça a domingo, 12h às 19h. Grátis. Até dia 24.

 

✪✪✪ SÉRGIO GUERRA. Antigo grupo étnico seminômade da África, os hereros são o objeto dos registros do fotógrafo e publicitário na exposição Hereros — Angola, reunidos no livro homônimo, lançado em 2010. Vista por cerca de 185 000 pessoas em São Paulo e Brasília, a mostra reúne 119 fotografias desse povo. O tom artístico da exposição, garantido pela beleza das imagens, convive com uma abordagem antropológica: além das fotos, há uma série de objetos de uso dos hereros, a exemplo de vestimentas, adereços, vasos, cachimbos e armas. Não deixe de ler os depoimentos dos hereros sobre sua cultura, que se espalham pela mostra em frases escritas embaixo de algumas das imagens. Museu Histórico Nacional. Praça Marechal Âncora, s/nº, Centro, ☎ 2550-9220. → Terça a sexta, 10h às 17h30; sábado, domingo e feriados, 14h às 18h. R$ 6,00. Grátis aos domingos e para menores de 5 anos e maiores de 65. A bilheteria fecha meia hora antes. Até 8 de julho. www.museuhistoriconacional.com.br.

Leia mais