Moço neurótico, moça nervosa

O encontro de um professor bipolar e uma viúva problemática em O Lado Bom da Vida, indicado a oito estatuetas no Oscar

AVALIAÇÃO ✪✪✪

O filme é uma gracinha, diria a já saudosa Hebe Camargo. Dos nove longas-metragens indicados ao Oscar principal, O Lado Bom da Vida pode ser considerado o mais leve. Nesta 85ª edição do prêmio, a fita conseguiu uma façanha: das oito categorias em que concorre, quatro são para os intérpretes — isso ocorreu pela última vez 31 anos atrás, com Reds. Bradley Cooper, Jennifer Lawrence, Robert De Niro e Jacki Weaver disputam, respectivamente, as estatuetas de melhor ator, atriz, ator coadjuvante e atriz coadjuvante. David O. Russell (de O Vencedor), por seu turno, está no páreo para melhor diretor e roteiro adaptado. Na produção, seu ótimo trabalho como realizador sobressai ao de adaptador do livro homônimo de Matthew Quick, uma mistura de drama, comédia e romance.

Em pré-estreia na cidade, a trama enfoca o professor Pat (Cooper), que sai de um hospital psiquiátrico de Baltimore após uma internação de oito meses. Motivo: o moço teve um surto de violência e foi diagnosticado com transtorno bipolar. A convivência com os pais (De Niro e Jacki) configura-se em desordem. Incomodamente eufórico, Pat não para de falar, de correr, de procurar coisas pelos cantos da casa… Recusa-se a tomar remédios e está inconformado por ter sido obrigado por um juiz a ficar longe da esposa. O encontro casual com Tiffany (Jennifer) vai alterar sua rotina de obsessões. Essa jovem ficou viúva e caiu na boca do povo por fazer muito sexo sem compromisso. Pat quer distância, mas a moça o convence a fazer um trato: ela vai ajudá-lo a se reaproximar da mulher enquanto ele vira seu parceiro num concurso de dança. A primeira metade do filme mostra-se bem mais afiada, pelo registro psicológico de duas pessoas problemáticas sem travas na língua. O roteiro, contudo, abre mão de aprofundar o assunto tirando de campo o drama e o humor negro para entrar na esfera do romantismo. Nada contra a transição de gêneros, sobretudo porque essa mudança cai bem para personagens tão conflituosos. Embora agrade a variadas plateias, O Lado Bom da Vida vai permanecer na memória pela atuação esfuziante de Bradley Cooper e Jennifer Lawrence. Se não houvesse tamanha sintonia entre eles, talvez o resultado fosse menos promissor.

O Lado Bom da Vida, de David O. Russell (Silver Linings Playbook, EUA, 2012, 122min). 14 anos. Pré-estreia: Cinemark Downtown 1, Espaço Itaú de Cinema 5, Estação Botafogo 1, Kinoplex Leblon 2, Kinoplex Tijuca 5, UCI New York City Center 1. Estreia prometida para sexta (1º)

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s