Mistura perfeita

Sucesso no Leblon, quiosque chega a vender até 5 000 drinques por mês

Pacotes de biscoito empilhados no balcão, cocos pendurados do lado de fora e a indefectível vitrine com salgadinhos dormidos. A descrição se aplica à maioria dos estabelecimentos na orla do Leblon – salvo o Quiosque do Português, comandado pela dupla Manoel e Carlos Alves, pai e filho. Aberto há dez anos, o ponto se tornou parada obrigatória daqueles que apreciam uma boa caipivodca na cidade. A bebida faz tanto sucesso por ali que, durante os meses de verão, chegam a ser preparados 15?000 copos (para efeito de comparação, o Garota de Ipanema, muito procurado por turistas sedentos pelo coquetel brasileiro, serve uma média de 6?000). Eclética, a lista de clientes é recheada de nomes carimbados, incluindo desde o chef francês Claude Troisgros até estrelas do showbiz, como os atores Marcelo Serrado, Du Moscovis e Luana Piovani. Recentemente, o ponto ganhou uma chancela internacional e outro respeitável apreciador: o barman e especialista na preparação de drinques Tony Abou-Ganim, cujo último livro teve prefácio assinado pelo badalado chef Mario Batali, dono de alguns dos restaurantes mais conhecidos de Nova York. O mixologista lança em abril um guia com dicas dos melhores lugares do mundo para beber. O endereço do Leblon, em frente à Rua José Linhares, está entre eles. “Foi a melhor caipirinha que já provei em toda a minha vida”, declara.

Aparentemente simples de preparar, um bom drinque tem seus segredos. A qualidade dos ingredientes é o primeiro deles. Por isso, os donos do quiosque visitam três vezes por semana a Cadeg, onde chegam a comprar 2 toneladas de frutas a cada mês. Quando alguma delas se encontra na entressafra, eles saem em busca de alternativas. É o que acontece com a tangerina todo início de ano, época em que a versão nacional fica muito seca. Para não deixar de oferecê-la, a saída é encomendar exemplares importados, como os que vêm da Espanha, mais caros, porém com muito mais suco. Essa é apenas uma das dezoito variedades, que incluem raridades nos balcões cariocas, como amora e seriguela. Outro detalhe importante: cada fruta tem um ponto de corte específico, especialmente no caso das opções cítricas. O cuidado extra é justificado. Se o bagaço for parar dentro do copo, poderá amargar toda a bebida. Escolhido o sabor, o cliente tem à disposição quase trinta tipos de vodca, alguns raros. Da Holanda, por exemplo, vem a Van Gogh, aromatizada com café, e, da Suíça, a Xellent, produzida com água dos Alpes. A estrela da carta, no entanto, é a americana artesanal Tito?s, famosa por ter alcançado mais de 90 pontos no ranking da revista Wine Enthusiast. Assim fica difícil pedir água de coco na próxima caminhada pela praia.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s