Língua ferida

O ensino do português entrou na pauta das conversas nesta semana, depois que o Ministério da Educação (MEC) advogou a adoção de uma obra que tolera erros grosseiros, como “nós pega o peixe” e “os livro”. Segundo o texto da publicação, que tem a petulância de se apresentar como didática, a norma culta e a concordância gramatical devem ser relativizadas em nome de uma suposta defesa da linguagem popular. Nas imagens ao lado, alguns exemplos fotografados no centro da cidade em letreiros de camelôs e botecos. Embora equivocados, com absurdos do tipo “licheira” e “cachicol”, esses avisos poderiam receber nota 10 nas provas do MEC.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s