No tempo do gogó

A vida e a obra dos cantores dos anos 40, quando ter extensão vocal era o que valia

Ainda hoje funcionando no prédio do jornal A Noite, que já foi o mais alto da cidade, na Praça Mauá, a Rádio Nacional, seu ambiente e suas histórias permeiam as 367 páginas do livro Os Reis da Voz, de Ronaldo Conde Aguiar, recém-lançado pela Casa da Palavra. O autor traça o perfil de quinze nomes da era do vozeirão, que brilharam nos estúdios da emissora carioca especialmente nas décadas de 30 e 40, entre eles Francisco Alves (conhecido como o Rei da Voz) e Orlando Silva (o Cantor das Multidões). Com fotos da época, o trabalho revela bastidores de programas da emissora, como o comandado por Paulo Gracindo. Vem com CD na contracapa, mas há uma ausência importante: a gravadora de Nelson Gonçalves não liberou a inclusão de faixas dele no disco. Mesmo assim, podem ser ouvidas, entre outras, Fascinação, com Carlos Galhardo, e Chão de Estrelas, na interpretação de Silvio Caldas. São memórias de um tempo em que os ídolos tinham gogó afinado e grande extensão vocal. Essa geração aos poucos se despediu do sucesso, a partir da expansão da TV e das mudanças do gosto do público.

memoria-da-cidade-quadrinho.jpg

memoria-da-cidade-quadrinho.jpg

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s