O futuro das artes

Lisette Lagnado, nova diretora da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, fala sobre mudanças na instituição

Polo de resistência cultural no período da ditadura militar, com programas voltados para a formação de artistas, curadores e pesquisadores, a Escola de Artes Visuais do Parque Lage acaba de mudar de direção. Nascida no Congo, a pesquisadora Lisette Lagnado deixou o cargo de vice-presidente da Casa França-Brasil para assumir a nova função. “Meu objetivo é aproximar a arte da educação”, diz. Conheça os três principais projetos que a gestora planeja tocar.

Livro: “Não será apenas uma obra plasticamente bonita, dessas que a gente usa para enfeitar a mesa. Trará ensaios reflexivos sobre o parque ao longo de seus quarenta anos”.

Intercâmbios artísticos: “Quero trazer artistas do MAM, do MAR, da Casa FrançaBrasil e de outras instituições, aproveitando que o Rio entrou na rota da cultura mundial, para realizar workshops abertos ao público”.

Aulas experimentais: “Por que não convidar um biólogo ou um químico para inspirar nossos alunos? Um artista contemporâneo precisa conhecer outros universos”.

Comentários
Deixe uma resposta

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s