Filho de Crivella pagará multa se descumprir decisão judicial

Marcelo Hodge e o pai terão de pagar R$5 mil cada se não respeitarem a liminar que impede Hodge de participar da administração municipal

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro publicou na tarde desta sexta-feira uma decisão que estabelece pagamento de multa caso Marcelo Hodge, filho do prefeito Marcelo Crivella, descumpra a ordem judicial da 14a. Vara de Fazenda Pública, que o impede de participar da administração municipal. Segundo a decisão, a Prefeitura deverá pagar R$ 10 mil enquanto o prefeito e seu filho deverão pagar R$ 5 mil cada um. A multa vale a partir do momento que ambos forem intimados.

A petição foi feita pelo advogado Victor Travancas com base em um vídeo publicado no fim de junho no Facebook oficial da Vigilância Sanitária no qual Marcelo Hodge aparece descerrando uma placa de inauguração no Instituto Jorge Vaitsman, na Mangueira. Sobre o mesmo evento, a página da Subsecretaria de Bem Estar Animal publicou um texto informando que Hodge esteve no evento “representando o prefeito Marcelo Crivella”. Por meio de sua assessoria, a prefeitura informou que ele estava no evento como convidado. 

(Reprodução/Reprodução)

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. O que mais tem nesse país é isso, e não vamos nos esquecer das nomeações para cargos na esfera estadual e federal principalmente, onde são nomeados apadrinhados políticos corruptos.